O Grupo Pericia Forense precisa de sua ajuda.

O grupo Pericia Forense foi fundado em 08 de agosto de 2003 e hoje conta com 4.846 associados, que debatem assuntos diversos como:

* Análise de invasão em sistemas;
* Análise de arquivos de logs;
* Ferramentas (software/hardware) utilizados na perícia;
* Cyber Crimes/Delitos Informáticos/Computer Crimes;
* Cursos, seminários, livros, documentos;
* Testes de conhecimentos;
* Leis, cases, Etc…

Estamos solicitando uma ajuda de custo para continuarmos a manter a nossa sala virtual com capacidade para 100 pessoas onde iremos no Grupo Pericia Forense realizar palestras, debates e reuniões virtuais.

Estamos solicitando a contribuição de R$ 15,00 para manter essa sala durante 2 anos.

Já temos um site sobre o assunto: http://www.guiatecnico.com.br

Se deseja contribuir, preencha os dados abaixo e receberá o boleto em seu e-mail para pagamento:

Contamos com a sua ajuda!

Abraços,

Roney Medice

Seminário sobre Crimes Eletrônicos e a Segurança da Informação

Foi realizado um seminário na EEEM Almirante Barroso, localizado na cidade de Vitória-ES, com diversos assuntos e dentre eles, tive a honra de falar para os estudantes presentes sobre Os Crimes Eletrônicos e a Segurança da Informação.

Os assuntos abordados foram passados aos alunos de uma forma mais didática possível e menos técnica para que mesmo aqueles que não tinham uma vivência forte com a tecnologia, pudessem entender o recado a ser transmitido.

O vídeo da palestra você pode conferir abaixo:

Projeto “Debate nas Escolas Públicas sobre Tecnologia da Informação”. Debate: Os Crimes Eletrônicos e a Segurança da Informação. Local: EEEM Almirante Barroso – Vitória – ES

Notícias Tecnológicas agora também no Flipboard!

A informação é fundamental para gerar o conhecimento. Com essa premissa, eu sei muito bem como é difícil mantermos atualizados com as notícias que são geradas a cada minuto em nosso mundo.

Pensando nisso, resolvi ajudar os navegantes desse grande navio que é a Internet e a partir de agora, está criado mais um canal de informação para que você possa se manter atualizado com as notícias tecnológicas e do cotidiano, de uma forma centralizada e modernas, onde os artigos podem ser lidos em smartphones, tablet e no próprio computador.

Aproveita e assine a revista, é gratuita. Basta clicar dentro da revista na opção “Seguir” e pronto.

Clique no link abaixo para já começar a ler a revista Notícias Tecnológicas no Flipboard agora mesmo ou se preferir, baixe o app do Flipboard em seu smartphone, nas versões IOS e Android.

Confira Notícias Tecnológicas por Roney Medice em http://flip.it/9Vlji

Revista – Notícias Tecnológicas – Flipboard


Available on the App Store

Android app on Google Play
Available on the Windows Store
Available on BlackBerry

Ladrões usam pen drives para assaltar caixas eletrônicos

Eu li uma matéria na BBC Brasil que me chamou muito a atenção e precisamos ficar atentos para que esse tipo de ataque não seja “importado” pelos criminosos Brasileiros.

Os detalhes dos ataques, realizados contra caixas de um banco europeu cujo nome não foi divulgado, foram apresentados no congresso Chaos Computing, em Hamburgo, na Alemanha, que debateu crimes cibernéticos.

Os dois pesquisadores que detalharam os ataques pediram que seus nomes tampouco fossem divulgados.

Segundo eles, esse tipo de ataque começou a ser aplicado em julho, depois de o banco notar que vários de seus caixas eletrônicos estavam sendo esvaziados apesar do uso de cofres para proteger o dinheiro dentro das máquinas.

Depois de um aumento na vigilância, o banco descobriu que os criminosos estavam vandalizando as máquinas para usar os pen drives infectados com o malware (software destinado a se infiltrar em um computador).

Uma vez que o malware fosse transferido para a máquina, eles fechavam o buraco aberto para a entrada do pen drive. Desta forma, um mesmo caixa eletrônico poderia ser atacado várias vezes.

Códigos

Para ativar o código na hora em que quisessem, os criminosos digitavam uma série de 12 dígitos que lançava uma interface especial.

Análises do software instalado em quatro caixas eletrônicos atacados demonstraram que as máquinas infectadas mostravam não apenas a quantidade de dinheiro disponível em seu cofre, mas também quais as notas disponíveis e um menu com as opções de escolha das notas.

Segundo os pesquisadores, isso permitia que os criminosos pedissem a liberação das notas de valor mais alto para minimizar o tempo em que eles ficavam no caixa eletrônico, se arriscando a serem flagrados.

Os pesquisadores que revelaram esse novo tipo de crime cibernético também notaram outro aspecto: os criminosos que usam esse tipo de malware pareciam temer que membros da própria gangue agissem por conta própria.

Por isso, para a liberação do dinheiro no caixa eletrônico, o criminoso precisa digitar um segundo código, que varia a cada vez que o software é usado.

O criminoso só pode obter esse segundo código ligando para outro membro do grupo e descrevendo a ele os números que são mostrados na tela do caixa eletrônico no momento do crime.

Sem isso, o caixa eletrônico volta ao normal depois de três minutos, como se não tivesse sido atacado.

Os pesquisadores afirmaram que o código do malware usado nos caixas eletrônicos é muito difícil de analisar.

Fonte: BBC Brasil

A importância de se realizar com qualidade a fase de análise dos requisitos dentro de um projeto de desenvolvimento de sistema

Desenvolver um sistema de computador não é uma atividade tão simples como pode parecer, até mesmo para os programadores mais experientes do mercado. É necessário se manter atualizado com as novas tecnologias na área, saber lidar com o cliente e acima de tudo, entender o que o seu cliente necessita e colocar em forma de um programa de computador tudo aqui se seja pedido (dentro os limites tecnológicos viáveis atuais).

A cada novo sistema de computador criado é um novo projeto a ser desenvolvido e executado pelo profissional de tecnologia. É fundamental para quem vai desempenhar o papel de analista de sistemas, dentro de um projeto, descobrir realmente o que o usuário final do programa quer com o sistema.

Durante a fase de análise do projeto é crucial investigar o problema a ser resolvido e fazer com que o programa a ser criado possa atender as necessidades pontuais do empresário, que vão desde as telas básicas de cadastros até a emissão de relatórios gerenciais que vão auxiliar o cliente nas decisões estratégicas da empresa.

Para que a etapa de análise dos requisitos seja realizada em um menor tempo possível e com uma maior precisão, deve-se ter um bom método de trabalho para evitar algum tipo de problema nessa fase que, no futuro, possa impactar na qualidade e no funcionamento do sistema quando colocado em produção dentro do ambiente corporativo do cliente.

A qualidade do processo de análise do levantamento dos requisitos é importante porque se existir um erro na concepção da ideia em que o cliente relata e o desenvolvimento do sistema seguir um rumo diferente que não vá suprir uma necessidade relatada, esse erro não detectado nessa etapa terá um custo não planejado para realizar as devidas correções no sistema no final do projeto.

A diferença entre o sucesso de um projeto e o fracasso de um projeto está no momento de se detectar a disparidade entre o que se pediu e o que se fez. Ou seja, quanto mais rápido for detectado um entendimento equivocado pelos responsáveis pelo projeto sobre a necessidade que um cliente precisa e não foi bem entendido, menor será o custo de reparação no projeto. Com isso, realizar com qualidade a fase de análise dos requisitos evita-se um custo desnecessário na fase de implantação do sistema.

O momento de se levantar os requisitos está associado ao processo de descobrir quais são as operações que o sistema deve realizar para atender as necessidades da empresa cliente, quais as restrições que o programa deve ter e nas fases seguintes, garantir que essas premissas sejam verdadeiras e testadas durante o processo de desenvolvimento do sistema.

É importante salientar que diversos tipos de requisitos devem ser levados em conta nessa fase de análise como, por exemplo, descobrir quais são os requisitos de usuários necessários para possibilitar a criação do programa. Nesse tipo de requisito estão as declarações, em linguagem natural, de quais serviços são esperados do sistema e as restrições sob qual ele deve operar (usuário).

Contudo, para que o projeto possa caminhar respeitando o cronograma planejado, é importante escolher os profissionais que estarão empenhados no projeto e a responsabilidade de cada um nas diversas etapas do processo de desenvolvimento do sistema, garantindo assim um certo controle nas ações desenvolvidas em cada fase do projeto e a qualidade final do programa que será entregue ao cliente.

Até a próxima!

A Visão Corporativa da Segurança da Informação

Na sociedade contemporânea, ao mesmo tempo em que as informações são consideradas os principais patrimônios de uma organização, estão também sob o constante risco. A sua perda ou roubo constitui um prejuízo para a organização e é um fator decisivo na sua sobrevivência ou descontinuidade.

A informação é um recurso que não se deteriora nem se deprecia facilmente, é reutilizável e tem seu valor determinado exclusivamente pelo usuário. A informação só se perde quando se torna obsoleta, quando não há o devido cuidado, é um tipo de recurso útil às organizações e precisa ser administrado.

O propósito básico da informação é o de habilitar a empresa a alcançar seus objetivos pelo uso eficiente dos recursos disponíveis, nos quais se inserem pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, dinheiro, cultura, além da própria informação. Esse conjunto tem que está alinhado aos objetivos da organização.

O que aconteceria se uma empresa perdesse todas as informações relativas aos seus clientes, fornecedores ou mesmo sobre os registros funcionais de seus empregados? As consequências seriam enormes, acarretando em prejuízos financeiros ou até mesmo, a descontinuidade do negócio.

Para garantir a segurança da informação de qualquer empresa, é necessário que haja normas e procedimentos claros, que deverão ser seguidos por todos os usuários da empresa. A maior dificuldade das grandes organizações é assegurar que todos os seus funcionários conheçam e sigam corretamente as normas e políticas de segurança, entendendo a sua importância.

A utilização de controles de segurança para garantir o adequado acesso aos programas, arquivos de dados, aplicações e acesso a rede deve ser rigorosamente tratada pelos gestores de todas as áreas da organização e, principalmente, pela alta administração. Não se pode deixar que os mecanismos de segurança fiquem sem um responsável pela coordenação e eventual responsabilização pelos eventuais incidentes de segurança que possam a vir ocorrer.

Quando se pensa em Segurança da Informação, a primeira ideia que vem em mente é a proteção da informação, não importando onde ela esteja. Um sistema computacional é considerado seguro se houver uma garantia de que é capaz de atuar exatamente como esperado.

Porém, a segurança é um conceito amplo. Espera-se que informação armazenada em um sistema computacional permaneça guardada sem que as pessoas tenham acesso ao seu conteúdo, ou seja, é a expectativa de qualquer usuário que as informações estejam em local adequado, disponíveis no momento desejado, que sejam confiáveis, corretas e permaneçam protegidas contra acessos indesejáveis.

Tem sido prática comum do mercado, as organizações passarem a considerar o ambiente externo, com suas oportunidades e ameaças assim como o ambiente interno, com as forças e fraquezas em relação à organização. Considerando todos os riscos possíveis, é necessário um planejamento estratégico de segurança para minimizar os impactos na organização.

Como resultado, estabelece-se estratégias de atuação de longo prazo que, para sua eficiente obtenção, devem ser divididos em objetivos de curto prazo e distribuídos em suas linhas de processos, como por exemplo, em desenvolvimento de sistemas, gerenciamento de operações e comunicações, segurança ambiente e física, continuidade de negócios dentre outros citados na ISO/IEC 27002 (antiga NBR ISO/IEC 17799).

Faz-se necessário realizar ações que mapeiem e identifiquem a situação atual na instituição, seja ela pública ou privada, suas ameaças, vulnerabilidades, riscos, sensibilidades e impactos, a fim de permitir o adequado dimensionamento e modelagem da solução.

O primeiro passo a ser observado é que não existe risco zero. O que existe são vários níveis de segurança e cada nível tem que está de acordo com a informação que se quer proteger e a natureza do negócio da empresa. Um alto nível de segurança pode gerar a perda da velocidade em função da burocratização de processos, insatisfação de clientes, fornecedores e até mesmo desinteresse dos investidores.

Em qualquer empresa, isso deveria ser levado literalmente ao pé da letra, mas não é o que acontece. Desprezam, ignoram, fazem corpo mole, adiam sempre para uma data que nunca chega, esperando assim até que um incidente um transtorno ou algo parecido que traga um impacto quase que irreversível, um verdadeiro choque para que enfim, enxerguem de verdade que segurança da informação não é uma despesa e sim um investimento obrigatório.

Fontes:

– SÊMOLA, M. Gestão da Segurança da Informação, Uma Visão Executiva. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003

– FERREIRA, F. N. F.; ARAÚJO, M. T. Política da Segurança da Informação: Guia Prático para Elaboração e Implementação. 1. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006.

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social

O mercado de trabalho na área de tecnologia está sempre em busca de profissionais de TI para suprir a demanda das empresas e algumas pesquisas indicam que sobram vagas e faltam pessoas especializadas para as oportunidades de trabalho.

Mas como justificar a sobra de vagas no mercado de trabalho se existem diversos profissionais de TI qualificados com graduação, especialização e até mesmo certificação em tecnologias específicas? Uma das respostas para essa situação no mercado pode está relacionado a uma palavra: comportamento.

Alguns sites de rede social profissional, como o LinkedIn, tem como objetivo que as pessoas criem sua rede (networking) profissional para ser um referência de trabalho no mercado. Desse modo, os profissionais podem ir em busca de oportunidade de emprego e apresentar o seu currículo no formato digital, bastando indicar o link de seu perfil profissional para que o empregador tenha como se embasar na decisão de contratar ou não o candidato ao cargo.

Entretanto, nada disso adianta se o profissional de TI que está em busca de oportunidades não tiver um comportamento adequado nas redes sociais. Não é de hoje que observamos pessoas perdendo emprego, sendo processadas ou até mesmo sendo hostilizadas na internet devido a um comentário ou uma opinião postada em uma rede social com cunho racista ou criminosa.

As empresas estão cada vez mais pesquisando na internet o perfil dos candidatos às vagas ofertadas para saber qual é o perfil de cada pretendente. E é nessa hora que os profissionais dão conta que as suas ações no passado nas redes sociais vão refletir no mercado de trabalho.

A nova geração, a conhecida “geração y” (os nascidos a partir da década de 90), está hoje mais preocupada em virar uma celebridade virtual e esses jovens fazem de tudo para ter o maior número de acessos em seus vídeos engraçados postados no youtube, mas não pensam que esse mesmo vídeo de hoje, pode ser o fator eliminador de uma futura vaga dentro de uma empresa.

É normal dentro das empresas, que em determinadas fases de um processo de contratação de novos funcionários, que os candidatos tenham a sua vida social consultada pelas redes sociais.

Entretanto, quem souber aproveitar, vai utilizar a tecnologia como uma ferramenta alavancadora para o seu sucesso profissional. A velocidade com que as informações são transmitidas, tecnologias sendo discutidas, legislação necessária para atender a demanda da sociedade… tudo isso são fontes enriquecedoras para criar formadores de opinião e não para criar artistas virtuais momentâneo.

Segue abaixo, um vídeo muito enriquecedor com um debate em uma mesa redonda sobre a influência da tecnologia na vida profissional e social:

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 1

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 2

Segurança da Informação: a falha do TI em alterar dados do ERP com comandos SQL

As empresas brasileiras, diariamente processam milhões de bytes em informação com os mais variados tipos de dados a serem armazenados nos bancos de dados existentes nas corporações. São utilizados inúmeros aplicativos de informática para gerenciar esse contingente todo de dados que são importantes tanto para o empresário como para o governo.

O mercado está repleto de soluções tecnológicas para suprir a necessidade de se armazenar e gerenciar um conteúdo cada vez mais importante para as atividades empresariais e para tanto, necessita acompanhar a evolução tecnológica garantido a integridade e a confiabilidade de seus sistemas de computadores, transparecendo cuidado e zelo para os clientes e acionistas.

Profissionais de TI são contratados todos os dias para conseguir manter esse ritmo de backup, desenvolvimento de sistemas, análise de vulnerabilidade dos aplicativos e outras funções bem específicas envolvendo banco de dados. Não se imagina mais uma empresa controlando os seus lançamentos contábeis nos históricos “livro caixa” ou algo semelhante. É necessário o uso da informática.

Passamos todo o tempo escutando que devemos criar senhas seguras para evitar um acesso não autorizado nos sistemas e assim, manter as informações confidenciais longe das pessoas que não precisam ter um acesso às informações sigilosas e que possam realizar alguma ação que traga prejuízo para a empresa.

Observamos nas empresas que os softwares de gerenciamento de informação, os conhecidos ERP (Enterprise Resource Planning) que são os sistemas integrados de gestão empresarial, não é qualquer usuário que consegue entrar no software e muito menos tem permissão livre para fazer o que bem entender na plataforma corporativa.

Normalmente, o responsável pelo setor de TI possui uma conta de acesso com permissões mais permissivas que uma conta de um usuário de qualquer outro setor. Entretanto, para efeito da premissa de Segurança da Informação, o responsável de TI deveria ter uma conta de acesso como usuário e sem permissão de alteração, inserção e muito menos conseguir deletar qualquer informação no banco de dados, através do sistema.

Não é função do TI ser usuário do sistema ERP. Na verdade, e esse ponto é muito difícil para que os empresários tenham em mente, é que o TI não faz parte do grupo de pessoas que precisam trabalhar no ambiente do ERP. TI não é usuário de ERP. No máximo é o setor de apoio para a empresa, digamos: Setor de TI é SUPORTE!

Entretanto, cansei de observar grandes gestores da informática recebendo solicitação de departamentos internos na empresa para fazer um “favor” em determinados casos, facilitando a vida dos verdadeiros usuários do ERP. Isso deveria ser crime!

O motivo dessa opinião é que como já disse, o TI não é usuário do sistema, e sim, é apoio. Na segurança da informação, deve existir um mecanismo para identificar as mudanças que ocorrem no banco de dados tais como um log, que fica registrado qual o usuário que alterou uma informação no banco de dados, que dia, que horas, motivo e outras informações importantes para contribuir para uma possível auditoria no futuro.

Contudo, profissionais de TI gostam de demonstrar que tem o “poder” na mão e realizam a façanha de usar as aptidões de SQL (quando o banco de dados é possível ser alterado por sql) e realiza as devidas alterações dos dados conforme solicitação de terceiros. Dessa forma, essa mudança de informação diretamente no banco fere o princípio da inviolabilidade, confidencialidade, integridade e autenticidade.

Uma pergunta que é necessário fazer: qual o sentido de existir um login e uma senha para acesso ao ERP e que cada login tem as suas permissões estabelecidas para configurar o que o usuário pode ou não pode fazer dentro do sistemas corporativo se é mais fácil burlar essas regras pedindo ao setor de TI que faças as alterações cujo usuário comum não pode?

As informações gravadas no banco de dados não são de autoria do pessoal de TI. Eu disse autoria. Não se discute a responsabilidade para atender o princípio da disponibilidade. O que eu tento levantar é que, mesmo tendo um DBA na empresa, ele não altera as informações gravadas pelos usuários. No máximo ele cuida da manutenção do banco de dados, quanto a sua estrutura, índices das tabelas e um possível “roll back” quando ele mesmo erra um comando de manutenção no banco.

Se um DBA que é o especialista em banco de dados não deve alterar os dados inseridos no banco, qual a razão para que os meros mortais em tecnologia o devem fazer?

Nesse caso, eu simplesmente vejo que o sistema ERP não tem mais a segurança devida pois se o setor de TI pode alterar as informações gravadas no banco, como confiar que uma determinada informação foi registrada por um usuário e posteriormente não foi alterada?

Até a próxima!

Como um administrador de redes pode monitorar o tráfego dentro de um switch gerenciável?

A informação é uma matéria-prima lapidada que se bem empregada, pode gerar um determinado conhecimento. O conhecimento gera uma perspectiva positiva ou negativa, dependendo de quem a possua. É como a eletricidade, ela pode servir para o bem ou para o mal. Ela pode dar a luz ou também pode matar, vai depender de como será utilizada. Se para o bem, servirá para iluminar os locais escuros. Para o mal, será utilizada para eletrocutar e matar alguém com choques intermináveis, como se fosse uma sessão de tortura de guerra.

Dentro de uma ambiente corporativo, existem diversos assuntos que são tratados utilizando a rede de computadores para que as informações sejam enviadas e recebidas pelas pessoas, transformando em conhecimento. Geralmente, a maior parte do conhecimento produzido em um ambiente de trabalho, tem como o objetivo as tarefas inerentes a cada função dentro da corporação, sejam elas meramente operacionais ou de cunho gerencial.

Entretanto, não é de se surpreender que determinadas informações acabam sendo trocadas entre funcionários ou pessoas desconhecidas fora do ambiente da empresa e que não deveriam ser divulgadas por se tratarem de informações sigilosas. É muito importante para as empresas terem um certo controle nas informações geradas fruto do trabalho de seus funcionários principalmente quando se trata de negócios novos ou produtos em lançamento. Basta um descuido e o protótipo é enviado ao concorrente por alguns milhares de dólares e pronto, o estrago está feito.

Quando se desconfia de algum funcionário ou determinado setor, a empresa possuindo dentro de suas políticas de segurança, com o devido conhecimento do funcionário quando ele entra para o cargo concorrido, que os computadores e e-mail podem ser monitorados, é ora do empresário agir e contar com o conhecimento técnico de seu responsável de TI para evitar prejuízos maiores a companhia. Resumindo: monitoramento.

O switch possui um papel fundamental dentro de uma rede de computadores e melhor ainda se ele for do tipo gerenciável. Esse recurso possibilita ao administrador da rede realizar um monitoramento do tráfego gerado em determinadas portas e verificar o que se passa dentro da infraestrutura de dados, que passa dentro do switch.

Com o devido acesso dentro do switch, basta ir nas configurações de porta onde tem a opção de criar “mirror”. Essa opção, você irá “copiar” o tráfego de uma determinada porta que será o alvo de monitoramento e fazer um espelho, que é o mirror, para a porta onde o seu notebook ou computador desktop está conectado no switch. Após criar o mirror, execute em sua máquina um programa de monitoramento de rede (como o wireshark, por exemplo) e capture os pacotes de dados por um determinado tempo, a fim de verificar posteriormente os dados que foram trafegados na porta alvo ou verifique em tempo real, adicionando determinados filtros no programa de monitoramento para saber se as suas suspeitas vão se concretizar.

É importante observar que nada adianta capturar os pacotes de dados se o profissional de TI não sabe analisar os dados capturados. É como procurar uma coisa que não sabe o que é. Nessa hora, é importante o conhecimento técnico e dedicado, que um pacote de dados mal analisado pode fazer toda a diferença no resultado.

Desse modo, não coloque meramente no seu currículo que você tem experiência em roteamento, firewall e segurança da informação, quando na verdade, você nem sabe qual a diferença entre pacotes TCP e UDP.

Até a próxima!

Confirmando a leitura de um e-mail com a ajuda de um “porco”

No mundo todo, milhares de e-mails são enviados pelos diversos servidores de e-mail existentes na internet, com o objetivo de levar a informação desejada do remetente ao destinatário. Infelizmente, muitos desses e-mails são os temíveis SPAM: mensagens indesejadas e que na sua grande maioria possui conteúdo publicitário.

Nem vou falar a quantidade de e-mail fake (falso) que é enviado aos coitados dos destinatários desavisados que acabam caindo em determinados golpes virtuais por falta de informação e atenção.

Em vários softwares de e-mail (os programas clientes) que os usuários utilizam para ler e enviar e-mails tais como o Outllook, Thunderbird, Lotus, etc, existem opções configuráveis para que seja possível o remetente receber uma confirmação de entrega e leitura por parte do programa de e-mail do destinatário.

Cada programa de e-mail cliente tem o seu local de configuração específico para essa finalidade, que no geral, atende a demanda dos usuários. Entretanto, tenho percebido que determinados administradores de servidores nas empresas, estão desabilitando a opção no servidor de e-mail corporativo para que não seja possível enviar um retorno ao remetente sobre a entrega ou leitura do e-mail por parte do destinatário.

Alguns argumentos são levantados por esses profissionais de TI como: evitar a ação dos spammers que enviam um e-mail para um endereço eletrônico na esperança de receber a confirmação de entrega e assim, validar aquele e-mail na maillist de spam. Outro argumento é sobre a privacidade do destinatário que não quer informar ao remetente qual o momento que foi realizado a leitura do e-mail enviado, ficando o remetente na eterna dúvida sobre a entrega e a leitura do e-mail enviado.

Entretanto, argumentos a parte, podemos resolver essa questão com uma método que é muito usado durante o processo de investigação pericial em crimes eletrônicos com o objetivo de saber se determinado e-mail utilizado para enviar material pornográfico ou com conteúdo ofensivo contra o destinatário ainda está em funcionamento. Usando um “porco”.

Isso mesmo, a técnica utilizada é inserir no corpo do e-mail, uma figura de um porco disponibilizada no site www.spypig.com que ele executará o script no momento que o destinatário abrir o e-mail. É muito simples de usar e garante bons resultados ao remetente que receberá uma confirmação de leitura com informações úteis como versão do browser do destinatário, sistema operacional e outras informações relevantes.

O SpyPig é um site que disponibiliza ao remetente a facilidade de ter uma confirmação de leitura do e-mail enviado independente da vontade do destinatário, querendo ou não, até porque nenhuma mensagem é exibida a ele para permitir ou não esse envio. Tudo é executado via scrpit que tem a sua ação iniciada na mera abertura do e-mail.

Utilize esse recurso e perceba a infinidade de benefícios que esse método de confirmação pode lhe proporcionar.

Até a próxima!