Palestra sobre Tecnologia da Informação aliada ao Comércio Exterior dada no Cet-Faesa

Tecnologia da Informação é tema de palestra para alunos do CET-FAESA

Fonte: Cet-Faesa (www.cetfaesa.com.br)

Wanessa Eustachio

Os universitários das turmas dos 3° e 4° períodos dos Cursos Superiores de Tecnologia em Comércio Exterior, Gestão Comercial e Logística aprofundaram seus conhecimentos a respeito da Tecnologia da Informação através da palestra com o coordenador de TI da empresa Hiper Export, Roney Medice.

A palestra foi coordenada pelo professor Leonardo Quintas Rocha e faz parte do plano de ensino da disciplina do docente. O evento ocorreu na última quarta-feira (17), no auditório da Faculdade.

Medice apresentou a palestra com o tema “A tecnologia da informação e suas soluções para logística do comércio exterior” e explicou como a tecnologia de sistemas de informação pode apoiar e otimizar os processos de logística no contexto do comércio exterior além de métodos e ferramentas, como por exemplo, o software Sistema de Armazenamento para Recintos Alfandegários (SARA). Uma ferramenta que faz gestão de controle processual de recebimento, armazenamento, desembarque aduaneiro e exportação de mercadoria. Ao final da apresentação de Medice os alunos puderam realizar perguntas ao convidado.

 

Totvs_Cet_Faesa_Roney_Medice_Hiper_Export_01Totvs_Cet_Faesa_Roney_Medice_Hiper_Export_02Totvs_Cet_Faesa_Roney_Medice_Hiper_Export_04

Evento online com o tema: A Computação Forense e A Importância da Perícia no Inquérito Policial

Evento online: A Computação Forense e A Importância da Perícia no Inquérito Policial

No dia 30 de Março de 2015, segunda-feira, está marcado mais um evento online na sala de conferência com o apoio do Grupo Perícia Forense onde o tema principal será “A Computação Forense e a Importância da Perícia no Inquérito Policial“.

Contará com os moderadores desse evento o Especialista em Computação Forense – Roney Medice e o Delegado de Polícia – Emerson Wendt. O evento iniciará no horário de 20h30m (horário de Brasília) e terá a duração de 40 minutos para a explanação do assunto.

Ao final da apresentação, os participantes poderão formular perguntas e até tirar dúvidas com os moderadores.

Não perca. Anote em sua agenda: Dia 30/03/15, 20h30m. Para acessar, clique no link da sala abaixo:

Sala de Conferência – Roney

Novos direitos previstos no Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC) da Anatel

Entram em vigor nesta terça-feira, 10 de março, novos direitos previstos no Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC) da Anatel. O objetivo é tornar mais transparentes as condições de contratação e prestação dos serviços de telecomunicações. Confira:

1) Espaço reservado na internet (arts. 21 e 22 do RGC)

A partir de 10 de março as prestadoras de serviços de telecomunicações devem disponibilizar um espaço reservado em sua página na internet no qual o consumidor poderá acessar livremente:
– a cópia do seu contrato, do plano de serviço de sua opção e outros documentos aplicáveis à oferta à qual se encontra vinculado, inclusive contrato de permanência (documento que prevê a fidelização), quando for o caso;
– o sumário do contrato, contendo as principais informações sobre o Plano de Serviço ou oferta promocional contratada, incluindo reajustes de preços e tarifas, alterações nas condições de provimento do serviço e promoções a expirar, e o término do prazo de permanência (fidelização), se aplicável;
– a referência a novos serviços contratados;
– os documentos de cobrança dos últimos seis meses;
– o relatório detalhado dos serviços prestados dos últimos seis meses;
– a opção de solicitação de cópia da gravação de suas interações, quando for o caso;
– o histórico de suas demandas registradas nos últimos seis meses;
– o recurso que lhe possibilite o acompanhamento adequado do uso do serviço contratado, durante sua fruição;
– o perfil de consumo dos últimos três meses; e
– o registro de reclamação, solicitação de serviços, pedidos de informação e rescisão de seu contrato, ou qualquer outra demanda relacionada ao serviço da prestadora.
A prestadora tem que permitir que cópias dos documentos e informações disponíveis no espaço reservado sejam salvas, assim como deve encaminhá-las para o e-mail cadastrado do consumidor, se ele assim preferir.

2) Gravação das ligações entre consumidor e prestadora (art. 26 do RGC)

A partir de 10 de março passa a vigorar também a obrigação da prestadora de efetuar a gravação de todas as ligações realizadas entre ela e o consumidor, independentemente de quem tenha originado a interação (consumidor ou prestadora). Caso o consumidor solicite uma cópia da gravação, a prestadora deve disponibilizá-la em, no máximo, dez dias. Essa solicitação pode ser feita em qualquer dos canais de atendimento da prestadora, inclusive por meio do espaço reservado do consumidor constante da página na internet.

3) Mecanismo de Comparação (art. 44 do RGC)

As prestadoras devem, a partir de 10 de março, disponibilizar na sua página na internet um mecanismo de comparação de Planos de Serviço e ofertas promocionais no qual os interessados poderão identificar a opção disponível mais adequada ao seu perfil de consumo.
Assim, a prestadora irá fornecer no espaço reservado algumas informações referentes ao perfil de consumo (por exemplo, velocidade contratada e quantidade de dados consumidos, quantidade de mensagens consumidas, minutos consumidos na modalidade local, longa distância nacional e internacional, a depender do serviço), o que permitirá ao consumidor identificar como utiliza os serviços de telecomunicações por ele contratados e, visualizando com clareza os planos e promoções ofertados, escolher de forma consciente aquele que lhe parecer mais interessante.

4) Relatório detalhado dos serviços (art. 62 do RGC)

Do dia 10 de março em diante a prestadora deve disponibilizar no espaço reservado do consumidor na internet um relatório detalhado dos serviços e facilidades prestados. Esse relatório deverá conter, dentre outras informações:
– o número chamado ou do destino da mensagem;
– a Área de Registro ou localidade de origem e Área de Registro ou localidade do terminal de destino da chamada ou da mensagem;
– a data e horário (hora, minuto e segundo) do início da chamada ou do envio da mensagem;
– o volume diário de dados trafegados;
– os limites estabelecidos por franquias e os excedidos;
– as programações contratadas de forma avulsa e seu valor;
– o valor da chamada, da conexão de dados ou da mensagem enviada, explicitando os casos de variação horária;
– a identificação discriminada de valores restituídos;
– o detalhamento de quaisquer outros valores que não decorram da prestação de serviços de telecomunicações.
Além da disponibilização no espaço reservado, a prestadora deverá fornecer o relatório por meio impresso, caso assim seja solicitado pelo consumidor.

5) Documento de cobrança (art. 74 do RGC)

Consiste em obrigação da prestadora elaborar um documento de cobrança de forma clara, inteligível, ordenada e em padrão uniforme, de forma que o consumidor possa compreender o que está sendo cobrado ali. E a partir de 10 de março esse documento de cobrança deverá conter, sempre que aplicável:
– a identificação do período que compreende a cobrança e o valor total de cada serviço e facilidades cobradas, bem como de promoções e descontos aplicáveis;
– a identificação do valor referente à instalação, ativação e reparos, quando sua cobrança for autorizada pela regulamentação;
– o número do centro de atendimento telefônico da prestadora que emitiu o documento;
– o número da central de atendimento da Anatel;
– a identificação de multas e juros aplicáveis em caso de inadimplência;
– a identificação discriminada de valores restituídos;
– detalhamento dos tributos, por serviços, na forma da Lei 12.741, de 28 de dezembro de 2012.

Fonte: Anatel

Ladrões usam pen drives para assaltar caixas eletrônicos

Eu li uma matéria na BBC Brasil que me chamou muito a atenção e precisamos ficar atentos para que esse tipo de ataque não seja “importado” pelos criminosos Brasileiros.

Os detalhes dos ataques, realizados contra caixas de um banco europeu cujo nome não foi divulgado, foram apresentados no congresso Chaos Computing, em Hamburgo, na Alemanha, que debateu crimes cibernéticos.

Os dois pesquisadores que detalharam os ataques pediram que seus nomes tampouco fossem divulgados.

Segundo eles, esse tipo de ataque começou a ser aplicado em julho, depois de o banco notar que vários de seus caixas eletrônicos estavam sendo esvaziados apesar do uso de cofres para proteger o dinheiro dentro das máquinas.

Depois de um aumento na vigilância, o banco descobriu que os criminosos estavam vandalizando as máquinas para usar os pen drives infectados com o malware (software destinado a se infiltrar em um computador).

Uma vez que o malware fosse transferido para a máquina, eles fechavam o buraco aberto para a entrada do pen drive. Desta forma, um mesmo caixa eletrônico poderia ser atacado várias vezes.

Códigos

Para ativar o código na hora em que quisessem, os criminosos digitavam uma série de 12 dígitos que lançava uma interface especial.

Análises do software instalado em quatro caixas eletrônicos atacados demonstraram que as máquinas infectadas mostravam não apenas a quantidade de dinheiro disponível em seu cofre, mas também quais as notas disponíveis e um menu com as opções de escolha das notas.

Segundo os pesquisadores, isso permitia que os criminosos pedissem a liberação das notas de valor mais alto para minimizar o tempo em que eles ficavam no caixa eletrônico, se arriscando a serem flagrados.

Os pesquisadores que revelaram esse novo tipo de crime cibernético também notaram outro aspecto: os criminosos que usam esse tipo de malware pareciam temer que membros da própria gangue agissem por conta própria.

Por isso, para a liberação do dinheiro no caixa eletrônico, o criminoso precisa digitar um segundo código, que varia a cada vez que o software é usado.

O criminoso só pode obter esse segundo código ligando para outro membro do grupo e descrevendo a ele os números que são mostrados na tela do caixa eletrônico no momento do crime.

Sem isso, o caixa eletrônico volta ao normal depois de três minutos, como se não tivesse sido atacado.

Os pesquisadores afirmaram que o código do malware usado nos caixas eletrônicos é muito difícil de analisar.

Fonte: BBC Brasil

Gestão em TI: O processo em decidir por um estagiário ou um auxiliar de TI

Os computadores foram criados pelo homem e ainda vão levar muito tempo para que sejam totalmente independentes da vontade do ser humano para executar determinadas tarefas. Não estou me referindo à automação industrial onde já percebemos que as máquinas já estão substituindo na linha de produção o trabalho dos funcionários mas sim, aquelas atividades em TI que dependem de uma interação pessoal e emotiva.

Não é difícil de se pensar que a cada dia de um profissional de tecnologia é como se ele nascesse de novo pois os problemas são novos a cada momento que eles aparecem, exigindo uma nova decisão de comando e realizando novas soluções cada vez mais criativas e inovadoras.

Os computadores podem até tentar adivinhar uma possível solução ao problema encontrado com base em estatísticas e probabilidades mas é o funcionário da informática que será o responsável por resolver problemas que a máquina (o computador) ainda não consegue resolver.

Por exemplo, é o profissional de TI que vai abrir o gabinete para trocar um HD queimado, trocar uma fonte de energia com defeito, um teclado quebrado e tantas outras situações que conhecemos como o suporte de primeiro nível, onde todo o atendimento inicial muita das vezes depende do fator humano.

Entretanto, existe um processo de decisão na gestão em TI quando é preciso aumentar os quadros de pessoas envolvidas no Setor de TI. Se depender da empresa (quando estamos falando no ponto de vista do empresário / administrador) a melhor opção para a escolha de um novo ponto de apoio na equipe de TI é decidir por um estagiário.

Diversas são as razões para preferir um estagiário na equipe: custo com salário é menor, menos encargos tributários e trabalhistas (apesar que estagiário tem os mesmo direitos que um funcionário como férias, 13º salário… mas tem uns benefícios fiscais para a empresa), o estagiário começa a sua carreira sem os velhos vícios do mercado de trabalho e tantos outros motivos quando levamos em consideração o ponto de vista do administrador da companhia.

Todavia, no ponto de vista do Gestor de TI, na maioria das vezes a escolha é pelo profissional que já tem uma certa experiência no mercado de trabalho e por isso, optam pelo auxiliar de TI. Até porque, esse profissional terá uma jornada de trabalho completa na empresa ao passo que o estagiário, por lei, tem um carga horária de trabalho máxima que não pode ser ultrapassado.

É muito complicado ter que passar para um estagiário a noção de tudo na informática quando em determinados momentos não há a possibilidade de se parar o Setor de TI para ensinar o básico ao estagiário pois a demanda na empresa é muito grande e alguém acabará sendo prejudicado, que podem ser os usuários solicitantes de atendimento de suporte técnico ou a própria empresa que ficará com um SLA maior para que os problemas possam ser resolvidos.

O que determina a escolha entre o estagiário e o auxiliar de TI é o momento atual que tanto a empresa quanto o Setor de TI estão passando. Tem que ser analisado o perfil necessário do profissional que vai trabalhar com os usuários, os tipos de sistemas que são usados na empresa e outros fatores que dependendo de quem vai ajudar na equipe de TI, pode mais complicar que ajudar.

Contudo, se o momento de aquisição de uma nova pessoa para o Setor de TI for bem planejado e não houver uma intensa necessidade pontual para uma aquisição de pessoas experientes no mercado de trabalho, seria interessante optar por um estagiário e aos poucos, passando os conhecimentos e dependendo do desenvolvimento das atividades laborais no setor, esse estagiário poderá ser um ótimo e futuro auxiliar de TI, já exercendo o seu papel e mais, já iniciando a sua trajetória profissional com uma promoção: de estagiário para Auxiliar de TI.

Até que cargo esse estagiário pode chegar? Bem, o céu é o limite! Depende de cada um…

Até a próxima!

Ps: estava de férias e agora estou revigorado para continuar a me dedicar para transmitir conteúdos com toda força e vigor.