A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social

O mercado de trabalho na área de tecnologia está sempre em busca de profissionais de TI para suprir a demanda das empresas e algumas pesquisas indicam que sobram vagas e faltam pessoas especializadas para as oportunidades de trabalho.

Mas como justificar a sobra de vagas no mercado de trabalho se existem diversos profissionais de TI qualificados com graduação, especialização e até mesmo certificação em tecnologias específicas? Uma das respostas para essa situação no mercado pode está relacionado a uma palavra: comportamento.

Alguns sites de rede social profissional, como o LinkedIn, tem como objetivo que as pessoas criem sua rede (networking) profissional para ser um referência de trabalho no mercado. Desse modo, os profissionais podem ir em busca de oportunidade de emprego e apresentar o seu currículo no formato digital, bastando indicar o link de seu perfil profissional para que o empregador tenha como se embasar na decisão de contratar ou não o candidato ao cargo.

Entretanto, nada disso adianta se o profissional de TI que está em busca de oportunidades não tiver um comportamento adequado nas redes sociais. Não é de hoje que observamos pessoas perdendo emprego, sendo processadas ou até mesmo sendo hostilizadas na internet devido a um comentário ou uma opinião postada em uma rede social com cunho racista ou criminosa.

As empresas estão cada vez mais pesquisando na internet o perfil dos candidatos às vagas ofertadas para saber qual é o perfil de cada pretendente. E é nessa hora que os profissionais dão conta que as suas ações no passado nas redes sociais vão refletir no mercado de trabalho.

A nova geração, a conhecida “geração y” (os nascidos a partir da década de 90), está hoje mais preocupada em virar uma celebridade virtual e esses jovens fazem de tudo para ter o maior número de acessos em seus vídeos engraçados postados no youtube, mas não pensam que esse mesmo vídeo de hoje, pode ser o fator eliminador de uma futura vaga dentro de uma empresa.

É normal dentro das empresas, que em determinadas fases de um processo de contratação de novos funcionários, que os candidatos tenham a sua vida social consultada pelas redes sociais.

Entretanto, quem souber aproveitar, vai utilizar a tecnologia como uma ferramenta alavancadora para o seu sucesso profissional. A velocidade com que as informações são transmitidas, tecnologias sendo discutidas, legislação necessária para atender a demanda da sociedade… tudo isso são fontes enriquecedoras para criar formadores de opinião e não para criar artistas virtuais momentâneo.

Segue abaixo, um vídeo muito enriquecedor com um debate em uma mesa redonda sobre a influência da tecnologia na vida profissional e social:

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 1

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 2

Anúncios

Alguns Desafios da Computação Forense

Com o avanço da tecnologia, novos conhecimentos vão surgindo nos diversos países do Mundo e essa informação é recebida por nós, agora com o advento da Internet, em um espaço de tempo muito pequeno.

A internet encurtou esse caminho e traz novos desafios para os profissionais da área de segurança da informação e da computação forense, que precisam está atualizados cada vez mais rápido e com eficiência para suprir essa demanda de perícias em equipamentos eletrônicos modernos e sofisticados. Precisamos entender perfeitamente que o Mundo é realmente globalizado e analisar o comportamento da sociedade perante as novas tecnologias, principalmente as mídias sociais, como o Facebook, Orkut e Twitter.

O desafio da Computação Forense é justamente acompanhar no mesmo ritmo do desenvolvimento tecnológico para permitir que evidências e informações sejam recuperadas de forma segura e otimizada, respeitando as técnicas e metodologias forenses. Os criminosos procuram brechas a todo o momento nas novidades que são “jogadas” no mercado e objetivam explorar as falhas para invadir computadores ou sistemas alheios, que muita das vezes, ocasiona em dano material ou financeiro às vítimas.

A falta de pessoal qualificado para investigar os crimes eletrônicos tem preocupado as autoridades policiais, pois o desconhecimento de novas tecnologias por parte dos peritos, falta de investimento e recursos para a área da computação forense ocasionam em investigações falhas, manipulação das provas e confecção de laudos periciais suscetíveis a impugnações ou até mesmo na anulação total de todo o trabalho de investigação realizado por falta de uso das técnicas forense ou da tecnologia a ser empregada para encontrar as evidências digitais no equipamento periciado.

Um dos problemas encontrados na computação forense é a fase de desenvolvimento que ainda se apresenta sobre a normatização das técnicas forenses que devem ser seguidas por qualquer perito forense. Na falta da norma, muitos utilizam as boas práticas encontradas na literatura, de acordo com as perícias realizadas por peritos federais ou criminais e acabam escrevendo livros sobre a experiência da diligência pericial, sempre pautado nas técnicas forenses internacionais.

Outro problema muito encontrado no Brasil é a questão da nomeação do perito judicial para responder aos quesitos (perguntas) formulados pelas partes de um processo e as perguntas do próprio juízo. Nem sempre os peritos nomeados possuem um conhecimento específico na computação forense. Existem nomeações em que a diligência pericial em equipamento eletrônico é realizada por um administrador de empresas ou um engenheiro civil, pois além da falta de profissionais especializados em forense, existe a questão da indicação por amizade, o que temos que iniciar essa mudança drástica no Judiciário e mostrar que as perícias em equipamentos eletrônicos devem ser realizadas por peritos formados e competentes da área.

Todavia, existe uma carência no mercado de cursos especializados em computação forense, com o objetivo de preparar o aluno não somente para atuar como perito judicial, mas capacitar o profissional para atuar em qualquer área que envolva segurança da informação e investigação digital, podendo o perito atuar nas empresas, em consultorias e em outras frentes de trabalho.

A falta de padronização de ferramentas forenses ocasiona em investigações realizadas sem uma metodologia, onde cada perito utiliza a ferramenta que acredita ser a ideal para o determinado caso e muita das vezes, pode ser fatal para o resultado da perícia. Na falta de conhecimento de determinadas ferramentas no mercado, principalmente as de software livre, o perito pode deixar de realizar uma perícia com a desculpa que as evidências só poderão ser encontradas mediante a compra de uma determinada ferramenta, que sem saber, pode está disponível na versão gratuita em outro sistema operacional.

Em muitos casos, mesmo empregando a metodologia tradicional de duplicar a mídia original, realizando cópias bit-a-bit (método esse explicado em módulo específico do curso), pode resultar em frustração quando se depara com arquivos criptografados, tornando-se difícil o acesso aos dados.

A Computação nas Nuvens (Cloud Computing) é outro desafio da Computação Forense pois as informações não estão armazenadas em um determinado servidor físico conhecido do perito. Muitas das vezes, nem o próprio cliente sabe da existência física do servidor nas nuvens que ele contrata. Esse é um problema dos mais complexos que um perito pode encontrar que envolve não somente a metodologia a ser empregada, mas existe também a questão legal e jurisdicional para permitir a investigação das informações nas nuvens.

Não se pode ignorar o fato que a tecnologia está evoluindo cada vez mais e estamos chegando ao ponto de encontrar discos rígidos com tamanhos passando da ordem de grandeza dos Terabytes (TB). Quanto maior for a capacidade de armazenamento de um dispositivo eletrônico, mais volume de dados encontraremos e consequentemente, maior será o tempo para analisar a mídia e procurar por evidências.

Contudo, o conhecimento leva a encurtar o tempo e o caminho a ser trilhado em busca das provas. O perito especializado irá utilizar as ferramentas apropriadas, os filtros necessários e as técnicas forenses baseado no equipamento alvo da investigação, permitindo garimpar a informação e realizar a triagem dos dados para coletar somente o que for realmente interessante à perícia.

Até a próxima!