3º Worshop TISaúde – Segurança Digital

No dia 30 de maio, a partir das 8h da manhã, a Emescam sediará o 3º Workshop TIsaúde, com tema central “Segurança Digital”.

Segue abaixo o banner do evento e faça a sua inscrição, é GRATUITO!

Fazer Inscrição

Roney_medice_emescam_ITSAUDE

Evento realizado sobre tecnologia no CEET Vasco Coutinho – Vila Velha – ES

Foi realizado mais um evento do Projeto: “Debate nas Escola Públicas sobre Tecnologia da Informação” e dessa vez ocorreu no CEET Vasco Coutinho, em Vila Velha – ES.

Os presentes ao debate puderam participar com perguntas e receberam diversas dicas dos profissionais que contribuíram com as suas experiências de mercado para os alunos do CEET Vasco Coutinho e de outros alunos de diversas escolas públicas.

Em breve, o projeto seguirá para mais uma escola. Fique atento à programação em nosso site.

O vídeo do debate no CEET Vasco Coutinho você pode conferir abaixo:

O evento RoadSec passou por mais uma cidade – Vitória-ES

Nesse sábado, dia 16 de agosto de 2014, o RoadSec aconteceu na cidade de Vitória-ES com o apoio da UVV – Universidade de Vila Velha que disponibilizou as suas dependências para a realização desse evento tão importante sobre Segurança da Informação.

Anderson Ramos

Anderson Ramos

A abertura do evento foi oficializado em Vitória-ES pelo coordenador do RoadSec, Anderson Ramos, salientando a importância do Estado do Espírito Santo fomentar o assunto sobre Segurança da Informação e a necessidade dos profissionais de informática em participar mais ativamente dos eventos nessa área.

Agradeceu a presença de todos e deu início aos trabalhos apresentando o primeiro palestrante do evento.

Carolina Bozza

Carolina Bozza

A primeira palestra do RoadSec foi comandada por Carolina Bozza, da CyberArk onde comentou sobre dispositivos de segurança, dentre eles o “cofre” de senhas para os ativos de rede.

A palestrante abordou a dificuldade de se criar uma senha segura e ao mesmo tempo, que não seja tão difícil ao ponto do usuário esquecê-la.

Exemplificou casos de usuários de informática que tem por hábito, anotar a senha em diversos locais como monitor, embaixo do teclado e outros lugares inapropriados.

Com um auditório lotado, os participantes puderam observar atentamente como estão as novidades do mercado de tecnologia, absorvendo conhecimento técnico e de gestão, ampliando o networking e fazendo novas amizades durante a realização das oficinas de desafios.

Participantes no auditório.

Participantes no auditório.

Um ponto que chamou bastante a atenção foi a grande participação efetiva dos presentes ao evento que não economizaram nas perguntas, sugestões ou críticas nos diversos assuntos abordados nas palestras durante o RoadSec em Vitória-ES.

Participação dos presentes durante o evento.

Participação dos presentes durante o evento.

Alan Castro

Alan Castro

O segundo palestrante do dia foi Alan Castro, da Symantec, o qual relatou uma pesquisa da Symantec referente aos tipos de riscos corporativos e as necessidades das pessoas em proteger os ativos de rede.

No ranking de riscos, estão os problemas com “hackers”, vírus, pessoas mal intencionadas e as vulnerabilidades de softwares.

Após um rápido coffe-break, o evento continuou com o palestrante da Actantes, Rodolfo Avelino que trouxe para o RoadSec assuntos como o cenário dos malwares no Brasil e os desafios para a privacidade e o anonimato na internet.

Um bate-papo descontraído e que gerou várias risadas ao público presente com exemplos e situações que vivemos em nosso cotidiano.

Rodolfo Avelino

Rodolfo Avelino

Fechando a programação da parte da manhã no RoadSec em Vitória-ES, foi a vez de falar sobre um tema bem interessante e empolgante que é a Rede Tor e a Deep Web, os palestrantes Gilberto Sudré, Gustavo Martinelli e Gustavo Roberto.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudré

Gustavo Martinelli e Gustavo Roberto

Gustavo Martinelli e Gustavo Roberto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após o intervalo de almoço, ocorreram as oficinas de desafios e as demais palestras conforme a programação do evento.

Fotos do evento:

Ulysses  Monteiro

Ulysses Monteiro

Leomar Viegas

Leomar Viegas

Ganhador do desafio  H4c4FL4G

Ganhador do desafio H4ck4FL4G

Oficina de Robótica - Lego

Oficina de Robótica – Lego

Oficina - Lock Picking

Oficina – Lock Picking

Oficina - Lock Picking - Ferramentas

Oficina – Lock Picking – Ferramentas

Notícias Tecnológicas agora também no Flipboard!

A informação é fundamental para gerar o conhecimento. Com essa premissa, eu sei muito bem como é difícil mantermos atualizados com as notícias que são geradas a cada minuto em nosso mundo.

Pensando nisso, resolvi ajudar os navegantes desse grande navio que é a Internet e a partir de agora, está criado mais um canal de informação para que você possa se manter atualizado com as notícias tecnológicas e do cotidiano, de uma forma centralizada e modernas, onde os artigos podem ser lidos em smartphones, tablet e no próprio computador.

Aproveita e assine a revista, é gratuita. Basta clicar dentro da revista na opção “Seguir” e pronto.

Clique no link abaixo para já começar a ler a revista Notícias Tecnológicas no Flipboard agora mesmo ou se preferir, baixe o app do Flipboard em seu smartphone, nas versões IOS e Android.

Confira Notícias Tecnológicas por Roney Medice em http://flip.it/9Vlji

Revista – Notícias Tecnológicas – Flipboard


Available on the App Store

Android app on Google Play
Available on the Windows Store
Available on BlackBerry

Câmera Panono tira fotos panorâmicas no estilo “Google Street View”

camera_ball

Desenvolvida por alemães, a câmera Panono tira fotos panorâmicas no estilo “Google Street View”. Ela consiste em uma esfera com 11 cm de diâmetro que é acionada quando jogada para o alto. O dispositivo, então, tira 36 imagens, as reúne e envia para o aplicativo da câmera em um smartphone via Bluetooth. O projeto está sendo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Técnica de Berlim, na Alemanha, desde 2011 e atualmente a Panono está à venda na plataforma de financiamento coletivo Indiegogo por US$ 499 (cerca de R$ 1.200).

Fonte: UOL Tecnologia

As técnicas de manipulação utilizadas por criminosos virtuais e a vulnerabilidade humana

O ser humano é dotado de sentimentos, razão, fé e esperança que garantem um convívio harmonioso na sociedade em que cada pessoa está inserido. Logicamente que a intensidade e a existência desses pontos varia de cada pessoa e que deve ser levado em conta a trajetória de vida de cada um.

Passamos boa parte de nossa vida aprendendo que devemos dar atenção aos outros, ajudar o próximo, fazer o bem e tudo mais de positivo que nos foi concebido para termos uma relação de paz e tranquilidade com as pessoas ao nosso redor. Pelo menos deveria ser assim em toda a Humanidade mas sabemos que por motivos políticos, históricos e até religiosos, determinadas sociedades vivem em eterno conflito.

E é nesse contexto, que determinadas pessoas dentro da sociedade se aproveitam do momento e praticam ações criminosas para benefício próprio, levando em consideração a boa fé e a ingenuidade dos outros que acabam caindo em golpes virtuais e são vítimas dos inúmeros crimes eletrônicos praticados principalmente na internet nos dias atuais.

Os criminosos virtuais utilizam algumas técnicas de manipulação para conseguir o apoio e a confiança da vítima para que seu objetivo seja alcançado, enganando e ocasionando em muitos dos casos em prejuízo financeiro para aqueles que acabam caindo no “conto do vigário”.

Uma dessas técnicas é manipular o sentimento das pessoas, levando à vítima uma falsa sensação que ela está ajudando uma pessoa necessitada. Por exemplo, quantas vezes não recebemos em nosso e-mail uma mensagem eletrônica informando que uma determinada pessoa está com uma doença rara e precisa urgentemente de um transplante de um órgão doente e para isso, como a família da possível vítima da doença não tem condições financeiras, é solicitado uma ajuda de custo e informa um número de conta bancária para realizar um depósito em qualquer quantia.

Esse tipo de golpe, com suas exceções, é uma forma rápida de se levantar uma grande soma de dinheiro levando em consideração a quantidade de e-mails que são enviados e o elevado número de pessoas que se comovem com a intenção de ajudar e acabam depositando valores acreditando que estão ajudando alguém necessitado.

Não muito diferente dessa técnica, os criminosos tem se utilizado de ações que prometem retorno financeiros rápidos e vultuosos, necessitando somente de um pequeno “investimento” financeiro pela vítima para proporcionar esse lucro tão esperado. Acredito que essa técnica de manipulação de aspirações é tão antiga que podemos observar nos dias de hoje como as pessoas são iludidas com promessas de ganhos futuros altamente rentáveis mas que para isso, precisa pagar uma certa quantia antecipadamente para obter uma lucro que na verdade não é bem o que se promete.

Logicamente, nos dias atuais, os criminosos se aproveitam do certo “anonimato” que a internet proporciona e realizam vários tipos de tentativa de manipulação contra as vítimas para que seja possível obter algum tipo de vantagem. Essa manipulação pode implicar em mexer com os sentimentos das pessoas, trabalhar a curiosidade, tentar estabelecer uma confiança, cativar a simpatia da vítima e no final, se essa manipulação resultar em algum prejuízo para a pessoa enganada, muita das vezes por razões de medo ou culpa, as vítimas acabam abafando o problema e não tomam iniciativas que deveriam ser feitas como denunciar esses criminosos para evitar que novas vítimas sejam enganadas.

Portanto, devemos ficar atentos para essas ações criminosas que tem aumentado consideravelmente no ambiente da internet para e desconfiar de qualquer atitude alheia que desperte uma promessa tentadora. É a máxima: “Confie desconfiando”.

Até a próxima!

O reflexo na caligrafia quando usamos excessivamente a tecnologia

A educação de um cidadão tem o seu início nos primeiros contatos com a escola na sua vida de alfabetização, momento onde a criança começa a traçar as primeiras linhas tortas no papel, a entender o mundo das palavras e o aprendizado de se viver em sociedade.

Os professores tem um papel fundamental nesse instante da vida que é dar todo o suporte para que a criança possa desenvolver todo o seu potencial de aprendizagem e consiga, a partir de um determinado momento, a entender melhor o que acontece a sua volta.

A alfabetização é um processo pedagógico muito importante em nossa vida que determina o momento em que passamos a compreender as letras, dar sentido as coisas e nos fazer comunicar com o mundo através das palavras, especificamente na forma escrita.

Quantas vezes tivermos que aprender a escrever usando um caderno pautado, próprio para desenvolver e melhorar a nossa caligrafia, deixando as letras entendíveis e as vezes, até bonita para que seja apreciada. Mas o importante mesmo era conseguir transmitir o conteúdo através da escrita.

Inúmeros foram os momentos de alegria que nos fizeram ter que escrever longas mensagens com o próprio punho, outras de tristeza, mas com era bom escrever. Postar cartas nos Correios, fazer lista de compras e tantas outras ações davam prazer o momento de praticar a caligrafia. Sem falar que é uma atividade que mantêm saudável o nosso emocional e a nossa coordenação motora.

Entretanto, com a crescimento vertiginoso da internet, deixamos de lado o ato da escrita manual e passamos a nos comunicar através de “cliques” e “teclas”. Todos escrevendo do mesmo jeito, de uma letra padronizada sem estabelecer no papel os laços individuais de cada um quanto à caligrafia.

Os computadores com os seus editores de texto, planilhas eletrônicas, e-mail, mensagens instantâneas fazem todo o trabalho de juntar as palavras e dar sentido a informação de uma forma única e “fria”. Não trazendo para o texto digitado a emoção momentânea no ato da redação.

Atualmente, é normal observar que as pessoas estão ficando com a caligrafia mais difícil de ser entendida devido o fato de se usar a tecnologia para escrever. Não temos mais o hábito de escrever de próprio punho textos e mais textos. Acredito que só estamos escrevendo em momentos bem específicos e por necessidade, não por prazer.

Se você faz um vestibular, pode ter uma redação que necessitará de ser escrita utilizando a sua caligrafia e não o computador. Provas discursivas em concursos (quando tem discursiva), assinatura de um cheque (que nem precisa de caligrafia, é um rabisco – rubrica) e outros momentos que são poucas as vezes para que se treine constantemente a caligrafia.

A tendência é ficarmos com a nossa caligrafia ruim a medida que priorizamos utilizar a tecnologia com os seus editores de texto, planilhas, celulares e tablet. Já estamos nos acostumando a fazer a lista de compras no computador, levar a lista impressa (quando imprimimos) e nem sempre precisamos mais assinar a via do cartão de crédito com a assinatura. Basta digitar a senha dos cartões que possuem chip ou fazer o pagamento em débito em conta.

Contudo, a mesma tecnologia que ajuda com as nossas atividade diárias é a mesma que prejudica a nossa caligrafia se não praticarmos a escrita manual. Assim como na natureza e com os animais, que se adequam ao meio em que vivem para continuar a sua sobrevivência (diga-se de passagem os vírus humanos, que devido ao uso de antibióticos precisam realizar uma mutação para perpetuar a espécie e ficar imune ao remédio) precisamos nos adequar para evitar que fiquemos sem poder escrever devido o uso excessivo da tecnologia.

Até a próxima!