As técnicas de manipulação utilizadas por criminosos virtuais e a vulnerabilidade humana

O ser humano é dotado de sentimentos, razão, fé e esperança que garantem um convívio harmonioso na sociedade em que cada pessoa está inserido. Logicamente que a intensidade e a existência desses pontos varia de cada pessoa e que deve ser levado em conta a trajetória de vida de cada um.

Passamos boa parte de nossa vida aprendendo que devemos dar atenção aos outros, ajudar o próximo, fazer o bem e tudo mais de positivo que nos foi concebido para termos uma relação de paz e tranquilidade com as pessoas ao nosso redor. Pelo menos deveria ser assim em toda a Humanidade mas sabemos que por motivos políticos, históricos e até religiosos, determinadas sociedades vivem em eterno conflito.

E é nesse contexto, que determinadas pessoas dentro da sociedade se aproveitam do momento e praticam ações criminosas para benefício próprio, levando em consideração a boa fé e a ingenuidade dos outros que acabam caindo em golpes virtuais e são vítimas dos inúmeros crimes eletrônicos praticados principalmente na internet nos dias atuais.

Os criminosos virtuais utilizam algumas técnicas de manipulação para conseguir o apoio e a confiança da vítima para que seu objetivo seja alcançado, enganando e ocasionando em muitos dos casos em prejuízo financeiro para aqueles que acabam caindo no “conto do vigário”.

Uma dessas técnicas é manipular o sentimento das pessoas, levando à vítima uma falsa sensação que ela está ajudando uma pessoa necessitada. Por exemplo, quantas vezes não recebemos em nosso e-mail uma mensagem eletrônica informando que uma determinada pessoa está com uma doença rara e precisa urgentemente de um transplante de um órgão doente e para isso, como a família da possível vítima da doença não tem condições financeiras, é solicitado uma ajuda de custo e informa um número de conta bancária para realizar um depósito em qualquer quantia.

Esse tipo de golpe, com suas exceções, é uma forma rápida de se levantar uma grande soma de dinheiro levando em consideração a quantidade de e-mails que são enviados e o elevado número de pessoas que se comovem com a intenção de ajudar e acabam depositando valores acreditando que estão ajudando alguém necessitado.

Não muito diferente dessa técnica, os criminosos tem se utilizado de ações que prometem retorno financeiros rápidos e vultuosos, necessitando somente de um pequeno “investimento” financeiro pela vítima para proporcionar esse lucro tão esperado. Acredito que essa técnica de manipulação de aspirações é tão antiga que podemos observar nos dias de hoje como as pessoas são iludidas com promessas de ganhos futuros altamente rentáveis mas que para isso, precisa pagar uma certa quantia antecipadamente para obter uma lucro que na verdade não é bem o que se promete.

Logicamente, nos dias atuais, os criminosos se aproveitam do certo “anonimato” que a internet proporciona e realizam vários tipos de tentativa de manipulação contra as vítimas para que seja possível obter algum tipo de vantagem. Essa manipulação pode implicar em mexer com os sentimentos das pessoas, trabalhar a curiosidade, tentar estabelecer uma confiança, cativar a simpatia da vítima e no final, se essa manipulação resultar em algum prejuízo para a pessoa enganada, muita das vezes por razões de medo ou culpa, as vítimas acabam abafando o problema e não tomam iniciativas que deveriam ser feitas como denunciar esses criminosos para evitar que novas vítimas sejam enganadas.

Portanto, devemos ficar atentos para essas ações criminosas que tem aumentado consideravelmente no ambiente da internet para e desconfiar de qualquer atitude alheia que desperte uma promessa tentadora. É a máxima: “Confie desconfiando”.

Até a próxima!

Anúncios

Perito Judicial: os obstáculos para se fazer da Computação Forense uma profissão

No seriado americano CSI é possível ver peritos esclarecendo crimes através de ferramentas forenses, técnicas de investigação e muito ação nas ruas. Logicamente, no seriado temos uma grande pitada de sensacionalismo dramático com as investigações de homicídio que nada se parecem com os processos de investigação de crimes eletrônicos realizados aqui no Brasil.

Entretanto, o ato da investigação e da busca permanente de evidências utilizando-se de ferramentas forenses já não são exclusividades dos seriados estrangeiros. O perito judicial quando se depara com uma lide processual em que precisa responder aos quesitos (perguntas) das partes e do juízo, necessita de conhecimento técnico para realizar o seu trabalho de perícia e já dispõe de vários softwares forenses para realizar o seu trabalho.

Não basta ler um livro específico de computação forense ou realizar um curso específico de algumas horas em sua carga horária se o futuro perito não tiver uma base educacional em tecnologia. O que percebemos no judiciário é que há uma enxurrada de laudos periciais sendo contestados por bons advogados que, com a ajuda de verdadeiros assistentes de perito e formados em tecnologia, conseguem neutralizar um trabalho investigatório em favor do seu cliente utilizando meramente os conhecimentos de tecnologia para respaldar os argumentos que derrubam um laudo pericial.

Os peritos nomeados pelo juízo, nesses laudos periciais contestados e muitos até anulados, são realizados por pessoas de “confiança” do juízo mas sem o preparo técnico para tal. São administradores de empresa, engenheiro civil e outros profissionais de diversas áreas que só participaram no processo como perito pois fizeram em algum momento de suas vidas, uma especialização em tecnologia que, a princípio, daria um respaldo técnico em ser nomeados pelo juízo.

Contudo, sabemos que muitos peritos judiciais são indicados para realizar um laudo pericial devido a aproximação com o titular do Fórum, da Comarca e do próprio Tribunal. Precisamos levar em conta que esse tipo de atitude só afasta os bons peritos que poderiam dar uma melhor contribuição ao judiciário, trazendo repostas fundadas e esclarecedores para auxiliar na decisão final de uma sentença no processo.

Ainda assim, mesmo que o profissional de TI tenha uma qualificação especial para proporcionar um cadastro inicial no fórum como perito judicial, temos que lembrar que a frequência de nomeação como perito nos processos não é de intensa ocorrência. Resumindo: dependendo da comarca, mesmo que você esteja devidamente qualificado para se tornar um perito judicial, pode ser que seja nomeado umas três vez no ano para auxiliar o judiciário com os préstimos de seu conhecimento forense. E quando é nomeado!

Dependendo da esfera que pretenda “encarar” o exercício da computação forense, como a justiça trabalhista, os honorários possuem uma referência mediana e o valor máximo pago por cada perícia realizada para o Judiciário pode não ser atraente para o candidato a perito forense. Em determinados Estados da federação, é lastimável o valor irrisório que é pago para realizar um laudo pericial e ainda pior é o momento de receber: ao final do processo, quando recebe.

O Mercado está aquecendo para a computação forense mas a demanda de cursos pelo Brasil ainda é tímida. Não existem um número expressivo de cursos de pós-graduação em computação forense. Alguns cursos divulgam uma oportunidade para se especializar em computação forense mas quando se analisa a ementa e a grade curricular, muita matéria é de segurança da informação e poucas são realmente de computação forense.

Não estou aqui desiludindo ninguém a não querer trabalhar como perito forense ou com a computação forense mas veja as possibilidades ao seu redor antes de abandonar um real emprego no momento para decidir querer viver de renda do trabalho de perito forense.

Sugiro realizar atividades e serviços de conhecimento forense de forma particular, através de consultorias nas empresas ou até mesmo atuando como assistente de perito que é pago pelas partes para acompanhar o trabalho do perito judicial. Nesse caso, o pagamento do assistente é mais tranquilo e certo de se receber com menor tempo de espera.

A computação forense tem o seu “glamour” devido ao desconhecimento por grande parte dos profissionais de TI assim como as suas ferramentas forenses. Entretanto, temos que ter pés no chão e encarar o trabalho de um perito forense como qualquer trabalho honesto e duro de se executar.

Diante do exposto, incentivo a todo interessado em aprender um pouco mais sobre computação forense e quem sabe, trabalhar nessa área. Só precisa ter um pouco de interesse, dedicação nos estudos e uma boa sorte nos seus processos investigatórios.

Quem sabe não teremos no futuro bons investigadores forenses dominando o judiciário Brasileiro?

Até a próxima!

A Caracterização do Crime Eletrônico

Em nossa sociedade, é fundamental que exista um ordenamento jurídico com a função de selecionar os comportamentos humanos mais graves à coletividade, capazes de colocar em risco valores fundamentais para a convivência social, descrevê-los como infrações penais imputando-lhes as respectivas sanções, exercendo o Estado o direito de punir determinadas ações ou omissões.

Para a existência de um crime, e não estamos falando ainda de um crime eletrônico, é necessário uma conduta humana positiva (ação em sentido estrito) ou negativa (omissão) que provoque um resultado previsto como infração penal. Como consequência, o crime conforme o Código Penal Brasileiro, em seu artigo 1º define que “Não há crime sem lei anterior que o defina”, ou seja, o crime para ser crime, tem que existir no ordenamento jurídico como uma conduta criminosa, com sanção e pena.

Podemos definir um crime eletrônico como “qualquer ato ilegal envolvendo computadores, seus sistemas ou suas aplicações”. Quando falamos de crimes eletrônicos, inicialmente pensamos em pedofilia, fraudes, invasão de sistemas e não percebemos que determinadas atitudes que podem parecer inofensivos como um comentário maldoso em um site contra uma pessoa, seja ela física ou jurídica, pode ser considerado um crime eletrônico.

Dependendo da gravidade e da situação do conteúdo ofensivo no comentário, pode ser entendido como uma calúnia, crime tipificado (descrito) no código penal, ficando o sujeito a possibilidade de responder a um processo e receber uma pena pelo ato ilícito cometido.

A utilização do computador para permitir a postagem do comentário maldoso no site foi meramente uma ferramenta tecnológica para concretizar a calúnia. Foi um meio utilizado para se chegar ao resultado: calúnia.

Muitas das vezes, as pessoas cometem um crime sem perceber, acreditando que não existe na legislação brasileira a tipificação de um crime por acreditar que como na ação ilícita foi utilizado o computador, não poderá ter cometido crime uma vez que o delito penal exercido não fala de computador.

Um dos crimes eletrônicos que podemos citar com a utilização da tecnologia para exercer a ação delituosa é o crime de Violação de Direito Autoral, prescrito no código penal Brasileiro nos crimes contra a propriedade intelectual. Quantas vezes os usuários não se utilizam na “tecnologia” do “Control + c” e “Control + v” de conteúdo alheio?

Inúmeros outros crimes eletrônicos acontecem em nossa sociedade como os crimes de injúria, calúnia, pirataria, fraudes eletrônicas, vazamento de informações confidenciais, quebra de sigilo profissional e outros. Grande parte desses delitos ocorrem pelo fato do usuário acreditar que jamais será descoberto ou acredita que tenha direito a privacidade no uso do computador.

Portanto, a dificuldade de se delimitar o que seria crime eletrônico está justamente em saber qual a figura ou papel preponderante do computador no crime, e definir a sua abrangência. Nesse sentido, o computador pode figurar em várias posições distintas como: “alvo do crime” ou o “instrumento do delito”.

Até a próxima!

Orçamento para montar um laboratório forense

A fase crucial e uma das mais importantes no processo de construção do local de trabalho do perito digital é a fase do orçamento. Em muitos casos, vários profissionais acabam se iludindo e planejam um laboratório além de sua necessidade, gerando gastos desnecessários e subutilizando o espaço, acreditando que um local de trabalho para um investigador forense tem que ser bonito e atraente.

A primeira coisa que o perito tem que levar em conta no momento de planejar o seu ambiente de trabalho é o quanto de investimento ele está disposto a pagar em virtude dos futuros casos de investigação. Não adianta montar um palácio se não houver nenhuma expectativa de trabalho em curto prazo. A sofisticação do laboratório tem que ser realizado na proporção que os casos vão aparecendo e as necessidades por maiores investimentos forem surgindo.

Verifique nos órgãos públicos especializados as estatísticas de crimes eletrônicos em sua região e as possíveis demandas de serviços especializados que necessitarão de mão de obra forense. Será muito interessante para o judiciário saber que existe um perito digital com laboratório forense na região, que poderá auxiliar as decisões dos magistrados em virtude que o meio público carece de investimentos nessa área.

Entretanto, dependendo do espaço delimitado para uso nas investigações forense, será necessário contratar pessoal, realizar treinamentos, adquirir programas forense, computadores, peças eletrônicas de reposição e outros itens que devem ser levados em consideração no momento do planejamento da montagem do laboratório forense, assim, evita-se um surpresa indesejada na fase de desenvolvimento do projeto como falta de recursos para terminar a obra.

As inscrições da ICCyber 2012 já estão abertas

Nos dias 26, 27 e 28 de setembro de 2012 será realizada a IX Conferência Internacional de Perícias em Crimes Cibernéticos (ICCyber 2012), no Hotel Royal Tulip, em Brasília/DF, pela Associação Brasileira de Especialistas em Alta Tecnologia (ABEAT), com o apoio e o suporte da Polícia Federal do Brasil e do FBI (Federal Bureau of Investigation), dos Estados Unidos.

As inscrições da ICCyber 2012 podem ser feitas diretamente no site http://www.iccyber.org/2012/278_inscricoes

Inscrições em grupos de 5 conferencistas ou mais da mesma instituição ou empresa terão desconto. Para mais informações, entre em contato através do telefone (61) 3202-3006 ou pelo endereço iccyber@abeat.org.br.

Fonte: http://www.iccyber.org