Você já deu bom dia ao siri hoje?

Smartphones, tablet, netbook, ultrabook… aparelhos modernos e característicos dos dias atuais onde a tecnologia avança sem parar e traz vários benefícios que facilitam as nossas tarefas do cotidiano, mesmo tendo que pagar um preço alto para usufruir desses benefícios.

Antigamente, a telefonia fixa do país era tão primitiva que para se completar uma ligação de uma cidade para outra, era necessária a intervenção de uma telefonista na central da operadora de telefonia que com os seus longos e complexos fios, fazia a comutação da ligação, um tira e coloca de fio nos conectores de um painel grande para fazer completar a ligação.

Nos dias atuais, ninguém que não seja daquela geração ou pelo menos teve alguma avô contando a história de como se completava as ligações, não tem a menor ideia de como era difícil naquele tempo a vida de telefonista e como era a qualidade das ligações telefônicas.

As crianças já nascem na onda da tecnologia, alguns filhos já dominam muito mais a tecnologia que os próprios pais. Existem ainda uma dificuldade muito grande para os adultos em digerir a tecnologia e os pequeninos acabam ensinando com facilidade os mais velhos pela facilidade em adquirir o conhecimento digital, consequência do desenvolvimento da tecnologia nos dias de hoje.

A indústria de telefonia a cada ano tenta inovar e inventa facilidades para que os consumidores tenham o menor trabalho possível, deixando-os felizes e satisfeitos, mesmo que seja necessário desembolsar um valor alto para ter o aparelho da moda. Inicialmente, o aparelho de celular, especificamente, foi inventado para permitir realizar e receber chamadas fora de uma localidade fixa, ou seja, fora de casa.

Mas ao longo do tempo, o aparelho não ficou restrito somente a fazer e receber ligações. Agora podemos navegar na internet, tirar fotos, fazer vídeos, brincar com jogos, instalar programas, etc. Os smartphones agora viraram um tipo de computador que faz de tudo um pouco.

O grande empresário, inventor e mentor no setor americano de informática, Steve Jobs – da Apple, conseguiu criar um aplicativo no celular que consegue “conversar” com o usuário do celular, tornando a interação mais agradável entre homem e máquina, revolucionando a área de tecnologia: o siri.

Embora já exista aplicativos que reconhecem comando de voz para executar determinadas tarefas, o grande diferencial do Siri está não só na possibilidade do software responder a uma ação sua mas também entendê-la e apresentar ao usuário a melhor alternativa possível dentro de um contexto.

Por exemplo, a ideia do aplicativo siri é que quando o usuário falar no celular “eu gostaria de comer uma maça”, o aparelho (iphone) identifique que se trata de comida e o aplicativo mostraria uma lista de locais onde você possa comer maça. Tarefa mais simples ainda se você utilizar a geolocalização, que as opções de lugares seriam os mais perto de onde se encontra naquele momento o usuário.

Imaginemos agora o Siri como um assistente pessoal, que anota os seus recados a medida que vai falando, envia os e-mails quando solicitado e procura uma determinada informação na lista de contatos para realizar uma ligação, tudo isso enquanto você está no trânsito e dirigindo o seu carro, mantendo as duas mão no volante.

Realmente, a tecnologia veio para nos ajudar e aumentar a produtividade, já que não podemos aumentar o números de horas do dia, que continua com 24 horas. O jeito é apelar para essa tecnologia e além de ficar em dia com os recursos mais atuais no mundo da informática, você terá alguém perto de você para “conversar”.

Então, você já deu bom dia ao siri hoje?

Até a próxima!

Home Office: Qual o maior beneficiário, o Patrão ou o Funcionário?

Desde os primórdios da humanidade, o homem sempre teve que batalhar para conseguir manter o seu sustento. Na idade da pedra, caçava animais, bebia a água dos rios, construía abrigos nas cavernas mas sempre era necessário uma atividade para manter as tarefas cotidianas e poder se alimentar.

Não é mistério que até os dias de hoje continuamos a exercer essa atividade de trabalho, necessidade pelo alimento, o cuidado pelo bem da família e, diferente de nossos antepassados, permitir alguns luxos que a modernidade nos proporciona como carros mais confortáveis, roupas de marca, comidas sofisticadas, enfim, fazer o que bem entender com o dinheiro ganho no fim do mês resultado de muito trabalho.

Logicamente que não podemos garantir todos esses benefícios para aqueles que estão desempregados mas com certeza o objetivo dessas pessoas é trabalhar, seja de carteira assinada ou na informalidade, cada um com seus lado positivo e negativo.

Todavia, hoje vamos analisar uma situação que é fruto de uma consequência do desenvolvimento tecnológico que estamos vivendo: a mobilidade. Muitas pessoas nesse momento estão trabalhando dentro de uma sala com ar condicionado na empresa, atendendo a ligações, conversando com funcionários, com o público em geral, realizando as suas tarefas diárias e objetivando alcançar algumas metas estabelecidas para o dia.

Entretanto, olhando no prisma de trabalho na empresa, temos que considerar para o funcionário uma necessidade de deslocamento da casa ao trabalho, que pode ser na condução da própria empresa, no carro do funcionário, pegando um táxi, etc. Ou seja, nessa situação teremos um custo associado aos trabalhadores que precisam ir para a empresa e assim, desenvolver a sua atividade laboral.

Estamos falando de gastos financeiros e de saúde. Financeiro pois tem o custo pela empresa da condução dos funcionários ou pelo funcionário com o combustível de seu carro, o manutenção do veículo, eventuais despesas de furo de pneu, alguns arranhões em pequenas batidas, pagar aquele café da manhã na padaria da esquina por ter acordado atrasado e teve que sair de casa correndo para não levar uma bronca do chefe e por aí vai.

Gasto em saúde quando se trata do stress do trânsito, seja na impaciência no centro urbano de guiar o carro em uma via que ninguém sai do lugar, levando horas para chegar ao trabalho, a paciência que tem que ter dentro do ônibus (transporte público) lotado nas primeiras horas do dia, quando consegue pegar a condução e fora nos casos que na condução coletiva você nem sempre consegue ir sentado, resultando em cansaço físico antes mesmo de iniciar a jornada de trabalho.

No mundo moderno, algumas empresas inovaram e permitem ao funcionário realizar as tarefas da empresa em sua própria casa, ficando conhecido com Home Office. Alguns patrões liberam seus funcionários para trabalhar em determinados dias na semana em casa, outros liberam todos os dias, depende da atividade e do resultado alcançado de cada um. Logicamente que não são todos os beneficiados, muita das vezes esse benefício é concedido aos funcionários com mais tempo de casa.

A questão é o benefício que isso trás para ambos os lados. Com o funcionário trabalhando em casa, não tem como negar que a qualidade de vida será bem melhor. Entretanto, será necessário uma disciplina rigorosa para não confundir as tarefas de casa com o do trabalho e vice-versa.

Trabalhar em casa é mais prazeroso, está perto da família, não tendo o stress do trânsito, as fofocas do trabalho e tudo aquilo que a gente não gosta de ter contato no ambiente de trabalho. Contudo, temos que lembrar que quando o patrão desloca o funcionário para trabalhar em casa, alguns gastos terão que ser assumidos pelo funcionário: o almoço será em casa, aquele telefonema para o chefe será realizado de casa, o fax necessário com a pauta da reunião da empresa, a internet para realizar as tarefas do trabalho será usado o da família, enfim, nem sempre são flores o trabalho em casa.

Algumas empresas estão abolindo o trabalho em casa devido ao baixo rendimento de seus funcionários que não conseguem comprovar a eficiência do Home Office em detrimento ao trabalho “in loco”, dentro da empresa. Assim, por mais custoso que seja para o patrão, é melhor manter por perto o funcionário em que se pode vigiar as suas ações e controlar a meta a ser alcançada.

E você, já foi solicitar ao seu patrão para trabalhar de Home Office?

Até a próxima!

Smartphone: tela de 20 polegadas?

Desde a invenção do celular, muita coisa mudou e sempre estamos sendo surpreendidos com as inovações tecnológicas na área de telefonia, o qual estamos nos acostumando e associando a tal “mobilidade”.

Lembro do telefone do meu avô, aquele aparelho com um disco no meio do telefone que tínhamos que esperar o disco dá uma volta para que um número fosse discado e para ligar para alguém, lá se iam eternos segundos para completar a discagem dos números do telefone.

Atualmente, no mundo digital em que vivemos, a velocidade é o carro chefe para resolver as nossas questões e ficamos nervosos se algum aparelho eletrônico parar de funcionar, quanto mais se for o nosso Smartphone!

Como terei acesso aos meus e-mails se o meu celular parar? Será que alguém me mandou uma mensagem sms? Estarei “de fora” do que está acontecendo no Facebook, meus amigos vão achar que eu morri se deixar de postar alguma notícia no Twitter!

Enfim, somos dependentes da tecnologia. É fato! Mas uma coisa está me chamando a atenção que não se pode deixar de falar: o tamanho das telas dos smartphones estão crescendo. Quando comprei o meu primeiro celular era um aparelho modesto, com algumas funções básicas para um telefone, em uma época que comprávamos o celular para fazer e receber ligação, no máximo, receber uma mensagem torpedo, quando não podíamos atender a ligação.

Se não me engano, o tamanho da tela dos celulares era do tipo 2 polegas, mal cabiam duas ou três linhas de texto que tínhamos que rolar a tela várias vezes para ler algumas palavras e achávamos o máximo, afinal, estávamos na “moda’ da tecnologia, mesmo que para isso era necessária gastar o dinheiro da poupança para comprar um.

O que estou percebendo nos dias atuais é que mesmo com a invenção do tablet de 7, 8 e 10 polegadas, eles foram criados para um propósito: melhorar a forma de usar a internet, produzir textos e tantos outros recursos que o notebook também faz entretanto os tablets são mais leves.

Assim foi a ideia de se inovar com os smartphone, a indústria sempre pensando nos usuários, está produzindo celulares com telas maiores para proporcionar uma visão de qualidade dos filmes em Full HD ou fotos de vários megapixels, mesmo que para isso seja necessário ter processadores e hardware mais potentes (elevando o preço do aparelho) para conseguir manter a qualidade da imagem a cada aumento da tela do smartphone.

Um fabricante de smartphone já anunciou novos aparelhos com telas de quase 7 polegadas! Apesar do tamanho, a fabricante garante que vai caber no bolso da calça de seus consumidores.

Todavia, esse será o caminho do desenvolvimento dos smartphones? A tendência é criar aparelhos maiores e potentes para satisfazer a moda da mobilidade? Desculpa mas por quê então não comprar um tablet? Afinal, você quer um telefone para falar com as pessoas ou usar o smartphone como um computador?

Acredito que se não refletirmos logo, vou vender a minha televisão de tubo de 20 polegadas e comprar um smartphone, afinal, ela tem internet, manda torpedo, entra no facebook, posta no twitter, lê e-mail…. faz cafezinho?

Até a próxima!

Google Glass: Uma invasão de privacidade?

Foi notícia em todo o Mundo sobre a entrega dos primeiros Googles Glass aos felizardos detentores que irão se satisfazer com mais esse “mimo” tecnológico tão requisitado e esperado em obter um aparelho para si, pelo resto da Humanidade que não foi contemplada nesse primeiro momento.

O Google Glass é um dispositivo semelhante a um óculos, que fixados em um dos olhos, disponibiliza uma pequena tela acima do campo de visão. A pequena tela apresenta ao seu utilizador mapas, opções de música, previsão do tempo, rotas de mapas, e além disso, também é possível efetuar chamadas de vídeo ou tirar fotos de algo que se esteja a ver e compartilhar imediatamente através da Internet.

Em vídeo publicado no YouTube, o desenvolvedor de softwares Dan McLaughlin dá suas primeiras impressões sobre o aparelho. Ele diz que todas as informações que acompanham o Glass são bem intuitivas, assim como o funcionamento. Para tirar uma foto, basta clicar uma vez no botão da câmera e, para filmar, clicar e segurar.

O display do Google Glass é equivalente a uma tela de 25 polegadas de alta definição visualizada a uma distância de 2,5 metros. A câmera tem 5 megapixels e grava vídeos com resolução de 720p. O áudio, em vez dos tradicionais fones de ouvido, é transmitido por condução óssea.

O produto tem conexão Wi-Fi e Bluetooth. Para armazenamento, 16Gb de memória Flash, sendo 12Gb livres para uso. O Glass também pode ser sincronizado com o Google Drive.

Mas o que nos chama mesmo a atenção é a expectativa legal quanto ao seu uso em locais privados. Recentemente, alguns parques aquáticos e restaurantes dos EUA já decretaram que vão proibir o uso desse equipamento em seus estabelecimentos para garantir a privacidade de seus clientes.

Realmente, pensando em um parque aquático, tudo fica mais fácil entender o por quê de se proibir o uso do Google Glass no local mas não creio que seja um problema legal de privacidade, e sim na possibilidade de uma enxurrada de processos contra danos morais que seriam movidos contra o parque se os visitantes forem filmados pelo equipamento e suas silhuetas corporais (muitos, diga-se de passagem, vão conseguir a dura realidade de ver como o seu corpo realmente se apresenta para o mundo e que o dono tende a negar mesmo se olhando no espelho) e tendo as suas curvas sendo exibidas no youtube para o mundo se esbaldar, achando tudo uma graça. Seu patrão ou patroa será que vai gostar de te ver nos momentos de lazer?

Imagine em um filme que está passando no cinema e tem a sua estreia totalmente filmada com um óculos desse. Para os amantes do cinema, uma maravilha! Filmes cada vez mais recentes sendo postados na grande rede em menor tempo possível. Tragédia para os empresários do ramo do cinema. Se hoje já é difícil conter a invasão de máquinas digitais nas sessões de pré-lançamento, imagina com o uso do Google Glass agora.

Contudo, o que mais me interessa por esse assunto parece ser o momento mais comum possível: um bate papo entre amigos, pode ser na rua ou na casa de um deles. Já imaginou que toda a conversa pode está sendo gravada pelo equipamento e os envolvidos nem saberem disso?

Pense um pouco mais além, em um ponto de ônibus, as pessoas comentando sobre o chefe, a vizinha e os assuntos mais diversos possíveis. Tudo isso, acabando parar na grande rede da internet. Seria uma invasão de privacidade? Será que temos que pressupor que todos que estiverem usando o Google Glass estarão gravando o tempo todo nossas conversas?

Claro que muita coisa ainda será discutida, mas como a tecnologia anda muito rápida, não podemos perder tempo. Precisamos analisar logo as consequências do uso de uma nova tecnologia antes que ela engula as nossas próprias ações cotidianas e passemos de uma vida social amigável para uma vida totalmente virtual em guerra.

Até a próxima!

Como evitar o descrédito da pericia com base nas ferramentas

Conhecer os preceitos dos Códigos Penal e Civil, assim como os Códigos Processuais vigentes é de fundamental importância para que o perito faça o seu trabalho da melhor maneira possível e dentro da legalidade, evitando que todo o seu trabalho de investigação e confecção do laudo pericial não seja invalidado.

No artigo 332 do Código de Processo Civil Brasileiro conceitua que “Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos…”. Entretanto, o perito não pode fazer a busca por provas ou indícios para responder aos quesitos do juiz (que são perguntas previamente levantadas pelas partes interessadas da lide e do próprio magistrado) e tecer a sua opinião pessoal no laudo pericial ou mesmo durante o processo de investigação, posicionando a favor do autor da ação ou da defesa.1

Caso ocorra, por parte do perito, algum tipo de manifestação de opinião ou julgamento prévio sobre o investigado, o perito poderá ser desqualificado pela parte prejudicada conforme o artigo 138, inciso III do Código de Processo Civil que é motivo de impedimento ou suspeição do perito, ocasionando em descaracterizar o perito que foi nomeado para responder aos quesitos do magistrado.

O Perito é um excelente auxiliar da justiça pois a sua nomeação é parar dirimir dúvidas ou buscar por provas quando o juiz não possui conhecimento específico para opinar sobre as questões técnicas. Seu dever é reunir todos os seus esforços para honrar a sua nomeação e fazer jus à sua atividade, trabalhando de forma imparcial e com fidelidade dos fatos apurados, não deixando que razões de ordem pessoal interfiram no resultado.

A elaboração do laudo pericial deverá ser constituída de termos técnicos sem excesso, evitando ao máximo expressões complexas, informando a metodologia de trabalho utilizada, técnicas, softwares e hardwares empregados. Em hipótese alguma o perito colocará a sua opinião em decorrência das provas constituídas. Lembre-se que o juiz não tem o conhecimento específico e portanto, tem que entender o laudo pericial para que possa se um documento de auxílio na decisão do magistrado e não um documento com posição pessoal do perito, pois quem decide a lide é o juiz.

Obviamente que o Perito carrega uma grande carga emocional forte em cada caso que ele é nomeado, pois o simples fato de se instaurar um processo, já estabelece um situação de conflito entre as partes, que pode eventualmente a conduzi-lo a uma tomada de posição, a um juízo de valor. O Perito está sujeito a cair nessa armadilha.

Entretanto, o perito precisa evitar o descrédito da perícia utilizando todas as técnicas conhecidas e ferramentas forense que serão a base do seu laudo pericial. Quando se trabalha com programas que denotam uma metodologia forense, dificilmente as respostas encontradas com a utilização de ferramentas específicas serão alvo de críticas ou tentativas de desqualificação da perícia realizada pelo perito.

É dever do perito utilizar todas as ferramentas científicas necessárias para o exame pericial, não podendo concluir ou determinar algum fato que jamais poderá comprovar através de um programa forense. Normalmente, quando se está em busca de alguma evidência no equipamento eletrônico investigado, são utilizadas diversas ferramentas forense que buscam encontrar o mesmo conteúdo pois software criados para essa área, podem utilizar algoritmos diferentes, ou seja, a lógica de programação pode diferenciar de um programa para outro, ocasionando em resultados mais positivos ou não.

Portanto, não se pode basear as respostas de um caso em apenas uma ferramenta forense ou outra. Tem que ser usado uma grande variedade de programas no processo de investigação. Dificilmente um perito vai ter o seu laudo pericial contestado se ele usar além das técnicas de investigação forense, programas forense como ferramenta de trabalho. Quanto maior for o grau de importância da ferramenta forense no mercado, maior será a credibilidade que o perito vai ter no resultado de sua perícia.

O perito tem que ser capaz de garantir perante aos tribunais e autoridades competentes, a legalidade cabal e incontestável das evidências encontradas no meio digital, usando para isso ferramentas e procedimentos seguros e cientificamente comprovados. Não pode o profissional utilizar somente de conhecimento para tentar achar evidências e produzir um laudo pericial. Além do descrédito do laudo, o perito se mostrará um verdadeiro “falso” perito por não utilizar de todos os meios disponíveis para encontrar as informações desejadas no processo de investigação.

Em um processo de investigação, o perito jamais pode utilizar as ferramentas forense cuja licença do sistema foi craqueado ou violado para permitir, de forma ilícita, a execução do programa. Além de ser ilegal e sujeito as penalidades previstas na legislação brasileira, o laudo pericial redigido com esses tipos de software estará totalmente passível de contestação e invalidade, fazendo com que todo o trabalho realizado na busca de evidências ou recuperação de arquivos apagados não tenha nenhum valor jurídico, ocasionando em perda de tempo do trabalho executado e em punição ao responsável pela decisão de usar ferramentas forense sem a devida documentação e validade na licença de uso do programa.

A seriedade do trabalho de investigação está em agregar o conceito forense com a utilização de ferramentas de modo a respeitar os procedimentos técnicos e científicos conforme preconiza a literatura forense. Não basta somente o profissional executar um aplicativo e obter informações sem qualquer padronização na coleta dos dados que o laudo pericial será um documento sólido. Se todas as etapas que envolvem um processo de busca de evidências for seguido conforme as normas técnicas e ao mesmo tempo, as ferramentas utilizadas forem adequadas e manipuladas corretamente, os resultados serão positivos e as chances de sucesso serão enormes.

Contudo, o perito deve-se abster de manifestar sobre a lide em questão, não fazendo conclusões que podem induzir em erro o juiz, levantando todas as provas necessárias e indícios através de ferramentas para responder as perguntas do magistrado de forma objetiva e que o seu laudo pericial seja o mais completo possível para evitar que seja desqualificado ou questionado o seu trabalho pericial.

Walmart testa recurso ‘Scan & Go’ com iPhone

BENTONVILLE, Arkansas – A Wal-Mart Stores está testando um sistema “Scan & Go” que permitirá que compradores digitalizem itens usando seus iPhones e em seguida, paguem suas compras em um balcão de autoatendimento — uma inovação que se propõe a diminuir o tempo de atendimento e cortar custos para os varejistas.

Se o teste feito pela maior varejista do mundo tiver êxito, a novidade poderá mudar a forma como as pessoas compram e pagam pelo que adquirem, tornando o processo mais pessoal e potencialmente mais rápido.

No início desta semana, a Walmart convidou funcionários com iPhone a participar de um teste em um Walmart supercenter na cidade de Rogers, no estado de Arkansas, perto da sede da empresa, de acordo com uma nota no site “Survey Monkey”.

“Todo o esforço é para acelerar o procedimento de check-out, de modo que possamos reduzir os custos e melhorar a experiência de compra”, disse Paul Weitzel, sócio-gerente da empresa de consultoria de varejo Willard Bispo, que disse não ter visto o teste da Walmart. “Com smartphones e tecnologias mais eficientes veremos cada vez mais ideias assim”.

O teste vem meses depois da Walmart declarar que gostaria de acrescentar mais estações de autoatendimento em suas lojas Walmart e Sam’s Club, em sua busca por reduzir custos e preços para seus clientes.

Dar elementos para que os clientes digitalizem seus próprios itens e façam pagamentos sem a ajuda de um caixa poderia economizar milhões de dólares, disse Holley Charles, diretor financeiro da Walmart, em 7 de março. Para cada 1 segundo no tempo de transação média na rede americana Walmart, a empresa afirmou que gasta cerca de US$ 12 milhões em salários de seus caixas.

Os clientes queixam-se frequentemente no Twitter e em outros fóruns de que leva muito tempo para pagar na Walmart, onde às vezes apenas algumas das várias alas de check-out estão abertas e guarnecidas por caixas. Enquanto alguns varejistas empregam empacotadores para acelerar o processo de despacho dos clientes, no Walmart um mesmo funcionário escaneia de empacota os itens nas bolsas.

“Estamos continuamente testando novas e inovadoras formas de servir os clientes e melhorar a experiência de compra em nossas lojas”, disse o porta-voz da Walmart, David Tovar.

O atual app Walmart para iPhone já inclui funções tais como criar listas de compras e ver quais itens estão em estoque.

O teste vem num momento em que varejistas e restaurantes estão tentando descobrir maneiras de acelerar o processo de pagamento, permitindo que os clientes paguem com apenas um toque de seus smartphones.

Fonte: O Globo

Segurança da informação é frágil no Brasil, diz Ipea

O Brasil está entre os países mais vulneráveis do mundo quando se trata de segurança da informação. A produção científica brasileira na área é baixa e, por isso, o País é considerado “seguidor”, por lançar novas tecnologias muito tempo depois dos outros países.

Estas constatações estão no livro Tecnologias da Informação e Comunicação: Competição, Políticas e Tendências, lançado ontem (30/08) por pesquisadores e colaboradores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Do ponto de vista das políticas públicas, o técnico do Ipea Luis Claudio Kubota, um dos organizadores da obra, disse que o País precisa ficar atento, pois o mercado de tecnologia da informação é extremamente globalizado e dominado tanto por operadoras quanto por fornecedores de equipamentos estrangeiros.

Outra questão diz respeito à convergência digital, que é uma realidade cada vez maior e une as telecomunicações e a tecnologia da informação, com dispositivos móveis, como os smartphones e os contéudos.

“De certa forma, as agência regulatórias não estão muito adaptadas para este novo mundo. Estão muito focadas, cada uma na sua caixinha. Por isso, existe, hoje, por exemplo, a necessidade da Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações] se articular com a Ancine [Agência Nacional de Cinema]”, disse Kubota.

Para o pesquisador, embora tenha melhorado muito no aspecto de participação em órgãos de padronização e de patentes e no volume de produções científicas, o Brasil inicia seu desenvolvimento científico em uma base muito pequena. “A participação do país em produção científica é muito pequena, se comparada com a de outros países. Além disso o mercado é seguidor, porque lança as tecnologias com muitos anos de atraso.”

Segundo Kubota, são fatores que acabam dificultando a chegada do País á fronteira do conhecimento e da competitividade. Ele e os demais autores do livro lembram que qualquer mudança neste comportamento será de longo prazo e não pode escapar da educação.

Fonte: ComputerWorld

Pela lei brasileira, quase todos os internautas são piratas

Lucas Pretti e Rodrigo Martins

Numa época em que, de acordo com a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), 95% dos downloads de música na internet são ilegais e a tecnologia permite copiar, subir, baixar e compartilhar arquivos pela rede, as leis continuam as mesmas do século 20: para ter acesso a um disco, filme ou livro você precisa comprar uma cópia. Se copiar ou tiver acesso sem pagar, é criminoso.

Segundo uma pesquisa da Comscore, 46% dos internautas brasileiros acessam o YouTube. De acordo com a legislação, ter acesso a conteúdo ilegal, mesmo que apenas para assistir, é crime. Então, apenas no YouTube, há muitos potenciais piratas brasileiros. Quem subir conteúdo protegido para o site pode pegar até quatro anos de prisão.

Você tem um MP3 player ou um celular que toca música? De onde vieram as músicas que estão lá? Se foi de programas do tipo P2P ou Torrent, com certeza são piratas. Mas sabia que digitalizar um CD que você mesmo comprou também é crime?

Toda essa situação está fazendo surgir um debate: no momento em que a maioria das pessoas está à margem da lei, de quem é o erro: das pessoas ou da lei? “Há um descompasso entre o que as pessoas fazem e o que a lei prevê”, disse Lawrence Lessig, criador das lincenças Creative Commons.

Legislação

Em praticamente todo o mundo a legislação está desatualizada, mas no Brasil a lei de direitos autorais, de 1998, é particularmente rígida. Prevê, por exemplo, que a cópia privada de material entre dispositivos eletrônicos é pirataria.

Também não é o caso de apontar o dedo para a Justiça e o meio jurídico ou os detentores de direitos autorais, sejam eles artistas ou a indústria de cultura e entretenimento. Afinal, eles precisam defender seus direitos e, para tanto, apelam para profissionais afinados com a lei em vigor.

No meio do tiroteio está o Ministério da Cultura. Desde 2007, comissões debatem novas saídas para a lei de direito autoral brasileira. A ideia mais próxima de ser aprovada é o conceito de cópia privada, em vigor, por exemplo, nos EUA. Não resolve o problema por completo, mas é um avanço.

Número

38% dos internautas
Segundo dados do Ibope/NetRatings, esse é o percentual dos brasileiros que acessam a internet que fazem downloads ilegais.

“A pirataria nunca é benéfica, mesmo como resposta a um modelo comercial que se encontra em xeque”
Luiz Henrique Souza especialista em direito digital

Internet como vilã

1. Por processo das gravadoras, o primeiro serviço de troca de arquivos, o Napster, foi fechado em 2001

2. Em 2003, Madonna espalhou pelas redes P2P faixas fictícias de seu disco American Life

3. Com o discurso de “processar qualquer um que compartilhe arquivos”, a indústria fonográfica começa em 2003 o cerco a universidades, como o MIT, pedindo informações sobre os alunos que baixavam

4. Em 2007, a Justiça bloqueou o YouTube no Brasil por conta de um vídeo que mostrava Daniella Cicarelli na praia com o namorado. O site ficou um dia inacessível, mas vídeos “piratas” se espalharam

5. A indústria fonográfica brasileira acionou em 2008 o Orkut para acabar com comunidades que trocam links para downloads de música. Não deu certo.

Fonte: Gazeta OnLine (http://gazetaonline.globo.com/index.php?id=/local/a_gazeta/materia.php&cd_matia=503092)

Roney Médice

Analista de Sistemas e Bacharel em Direito

Sintomas e causas em equipamento de informática

Lendo um artigo na internet a respeito de manutenção em equipamentos de informática, tive a idéia de compartilhar os diversos sintomas que um micro pode apresentar, visto que nem sempre reconhecemos que o problema apresentado no computador, não vale mais a pena mandar para um técnico resolver, e sim, comprar um novo equipamemto.

Veja abaixo, alguns sintomas apresentados e possíveis causas:

Os sintomas 
Sem ligar. Pode ser sinal de fonte de alimentação queimada, causado por uma rede elétrica com oscilações ou mesmo variações causadas por raios 

Travamento. Acontece sempre durante um intervalo de tempo: uns 15 minutos depois de ligar a máquina, tudo parann ou o computador se desliga sozinho. Nesse caso, o resfriamento pode estar comprometido. É hora de trocar ou limpar um dos coolers ou ventoinhas

Tela azul. Se no seu computador tem aparecido com frequênciann a tela azul, o problema pode ser mais grave. O que pode provocar a troca da placa-mãe ou mesmo das memórias. Alguns travamentos também entram nessa situação.

Pesquise. O ideal, quando o computador apresentar problemas, é levá-lo até uma autorizada do fabricante. Se isso não for possível, verifique se a loja em que o comprou possui assistência 

Orçamento. Deve estar discriminado o defeito, o procedimento que será tomado (troca de peças, limpeza) e o valor da mão de obra. As formas de pagamento também devem estar indicadas.

Privacidade. Nem sempre é possível salvar ou remover todas as informações pessoais do computador antes de mandá-lo para o conserto. Peça à assistência um termo de confidencialidade, que não permite que seus dados sejam copiados e usados para outros fins.

Fonte: Gazeta On Line

Roney Médice

Analista de Sistemas e Bacharel em Direito

Empresa lança “superHD” mais de 2.000 Gbytes a R$ 690

A empresa Western Digital lançou o primeiro HD interno de 2 Tbytes (2.048 Gbytes, uma vez que cada TByte equivale a 1.024 Gbytes), na semana passada. O disco rígido tem capacidade de armazenamento de cerca de 500 mil fotos em alta resolução ou arquivos MP3, 80 filmes longa-metragem em alta definição ou 230 filmes em qualidade DVD, e já está disponível nos EUA, a US$ 299 (R$ 690).

Integrante da linha “Caviar Green”, o modelo WD Caviar Green 2.0TB tem cache de 32 Mbytes e quatro camadas magnéticas de armazenamento de 500 Gbytes.

Divulgação
HD interno de 2 Tbytes da Western Digital apresentou bom desempenho em testes
HD interno de 2 Tbytes da Western Digital apresentou bom desempenho em testes

Segundo o site HotHardware, o drive possui um gerenciamento especial de algoritmos, que equilibra a velocidade e a transferência de arquivos.

“Testamos a engenharia do hardware por alguns dias, e vamos oferecer uma avaliação completa da performance dentro de algumas semanas. Mas temos algumas conclusões preliminares”, diz o site, que avalia como bom o desempenho do disco rígido.

“No nosso sistema de testes, o sistema operacional identifica o hardware com 1.81 Tbytes. Há mais de 2 trilhões de bytes avaliando a capacidade do novo drive, com 147 Mbytes usados apenas para o sistema de arquivos sozinho. São números de performances mais rápidos e eficientes do que outros HDs de 1 Tbyte”, afirma o site.

O HotHardware diz que “há a exigência de mercado sobre mais espaço de armazenamento de músicas, filmes, imagens e outras mídias. Consideramos o Caviar Green 2.0TB como uma nova opção de baixo custo e alta eficiência.”

Fonte: Folha On Line

Roney Médice

Analista de Sistemas e Bacharel em Direito