A Importância do uso de uma Real-Time Blackhole List dentro de uma organização corporativa

O desenvolvimento da informática faz com que as empresas se automatizem cada vez mais nos seus processos internos, trazendo inúmeros benefícios para os empresários e para os seus funcionários. Essa automatização tem um papel fundamental no sucesso do negócio pois a concorrência no mercado é tão grande que se o empresário não souber gerir direito o seu empreendimento, estará fadado ao fracasso financeiro ou perder grandes clientes por falta de agilidade e competência.

Agregado a otimização, a empresa necessita divulgar o seu produto/serviço no mercado para conseguir alcançar o consumidor final para que ele compre ou pelo menos tome ciência do que está sendo comercializado. Essa divulgação nada mais é do que a realização da publicidade do produto, uma técnica utilizada no marketing que tem como objetivo de criar ou mudar os hábitos do consumidor para levá-los a adquirir o que se está ofertando.

E com isso, podemos observar a utilização de uma das estruturas do Marketing (conhecidos como os 4 P’s – Produto, Preço, Ponto de Vendas e Promoção) que é a promoção do produto, um esforço persuasivo de comunicação a respeito da organização como forma de comunicação promocional comumente utilizada pelas empresas e organizações para se comunicarem com o seu mercado.

Entretanto, o que temos visto ultimamente é a utilização de ferramentas de promoção em massa que se contrapõe à venda pessoal, abusando excessivamente de envio de e-mails promocionais diários sobre o mesmo produto/serviço, ocasionando em um recebimento e envio de milhares de e-mails de divulgação para toda a parte do mundo.

A consequência imediata desse uso de divulgação em massa é o trânsito de milhares de mensagens virtuais trafegando na internet e muito desses e-mails acabam só fazendo volume desnecessários nas caixas postais dos destinatários, que nem sempre possuem o perfil do consumidor relacionado ao produto em questão.

Esses e-mails indesejáveis que acabam poluindo as caixas postais dos usuários são conhecidos como spam. Para uma empresa, é perda de tempo e produtividade ficar deletando esses spam pelos seus funcionários, que gastam minutos preciosos de produção para simplesmente limpar a sua caixa postal com mensagens virtuais promocionais. E o pior que o recebimento desse tipo de e-mail se repete todos os dias e se não tiver uma solução adequada, seria o mesmo que secar o gelo com toalha de papel.

Uma forma de minimizar esse impacto na organização, é fundamental que os profissionais de TI configurem em seus servidores de e-mail o uso do Real-Time Blackhole List, que são listas “negras” de IP (endereços ip de computador) gerados por organizações internacionais relacionando os computadores que geram spam na internet.

Cada órgão tem o seu critério para inserir ou remover da lista os endereços IP suspeitos de enviar spam pela internet. Quando queremos que o nosso servidor de e-mail, dentro da empresa, consulte uma dessas lista para verificar se o IP de origem é um spam conhecido, o servidor tem que está configurado para buscar o ip do servidor de origem na Blacklist (lista negra) informada nas configurações de nosso servidor corporativo. Caso esteja cadastrado, o seu servidor de e-mail irá ignorar a conexão e assim, sua caixa postal corporativa não receberá o tal temível spam.

Agora, se você quer utilizar uma outra forma de controlar o recebimento de spam (e que dá mais trabalho) é fazer com que, por padrão (default), o seu servidor de e-mail negue todas as conexões de servidores de origem e somente receberá o e-mail origem após o seu servidor de e-mail consultar uma Whitelist (lista branca) onde constará o IP dos servidores de e-mail de origem que não são conhecidos como spam.

Eu não aconselho utilizar a técnica do whitelist porque basta uma oportunidade do servidor “legítimo” que se encontra nesse tipo de lista branca enviar um spam para que a sua empresa receba o e-mail indesejável. Se você pesquisa em uma lista negra antes de receber um e-mail, é mais provável a recusa de um servidor que você nunca teve contato pois esse servidor de spam basta entrar na lista negra que automaticamente o seu servidor de e-mail começará a recurar o recebimento de e-mails dessa origem.

Já na lista branca, um servidor que antes não era classificado como spam e agora passa a ser, você como administrador de TI vai ter que retirar da lista branca manualmente para que impeça o recebimento de e-mails.

Portanto, a importância no uso de uma lista de consulta em tempo real de possíveis servidores como spam, torna o processo de recebimento de e-mails mais otimizado e diminui o risco das caixas postais corporativas ficarem repletas de mensagens indesejáveis. Claro que alguns desses e-mail vão ser entregues mas como sabemos, nada na informática é possível ter 100% de êxito.

Segue abaixo alguns exemplos de listas RBL para se configurar no seu servidor de e-mail:

Você também pode pesquisar manualmente se um determinado IP está em alguma lista negra. Acesse o link abaixo e digite o IP suspeito:

Até a próxima!

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social

O mercado de trabalho na área de tecnologia está sempre em busca de profissionais de TI para suprir a demanda das empresas e algumas pesquisas indicam que sobram vagas e faltam pessoas especializadas para as oportunidades de trabalho.

Mas como justificar a sobra de vagas no mercado de trabalho se existem diversos profissionais de TI qualificados com graduação, especialização e até mesmo certificação em tecnologias específicas? Uma das respostas para essa situação no mercado pode está relacionado a uma palavra: comportamento.

Alguns sites de rede social profissional, como o LinkedIn, tem como objetivo que as pessoas criem sua rede (networking) profissional para ser um referência de trabalho no mercado. Desse modo, os profissionais podem ir em busca de oportunidade de emprego e apresentar o seu currículo no formato digital, bastando indicar o link de seu perfil profissional para que o empregador tenha como se embasar na decisão de contratar ou não o candidato ao cargo.

Entretanto, nada disso adianta se o profissional de TI que está em busca de oportunidades não tiver um comportamento adequado nas redes sociais. Não é de hoje que observamos pessoas perdendo emprego, sendo processadas ou até mesmo sendo hostilizadas na internet devido a um comentário ou uma opinião postada em uma rede social com cunho racista ou criminosa.

As empresas estão cada vez mais pesquisando na internet o perfil dos candidatos às vagas ofertadas para saber qual é o perfil de cada pretendente. E é nessa hora que os profissionais dão conta que as suas ações no passado nas redes sociais vão refletir no mercado de trabalho.

A nova geração, a conhecida “geração y” (os nascidos a partir da década de 90), está hoje mais preocupada em virar uma celebridade virtual e esses jovens fazem de tudo para ter o maior número de acessos em seus vídeos engraçados postados no youtube, mas não pensam que esse mesmo vídeo de hoje, pode ser o fator eliminador de uma futura vaga dentro de uma empresa.

É normal dentro das empresas, que em determinadas fases de um processo de contratação de novos funcionários, que os candidatos tenham a sua vida social consultada pelas redes sociais.

Entretanto, quem souber aproveitar, vai utilizar a tecnologia como uma ferramenta alavancadora para o seu sucesso profissional. A velocidade com que as informações são transmitidas, tecnologias sendo discutidas, legislação necessária para atender a demanda da sociedade… tudo isso são fontes enriquecedoras para criar formadores de opinião e não para criar artistas virtuais momentâneo.

Segue abaixo, um vídeo muito enriquecedor com um debate em uma mesa redonda sobre a influência da tecnologia na vida profissional e social:

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 1

A Influência da Tecnologia na Vida Profissional e Social – Parte 2

Na era da tecnologia, alguém ainda está “desconectado” da modernidade?

Computadores, tablets, smartphones, notebooks… equipamentos que conhecemos e utilizamos em nosso dia a dia como ferramentas de trabalho ou lazer. A tecnologia nos proporciona algumas mobilidades que nem sonhávamos algumas décadas atrás. Uma das grandes revoluções que percebemos é a telefonia móvel, que a cada ano aumenta o números de pessoas aderindo aos aparelhos celulares. Algumas pessoas possuem mais de um aparelho celular.

A geração que nasceu da década de 90 para frente, tem mais facilidade em assimilar as tecnologias novas que surgem no mercado pois são jovens que já nasceram na era da internet, do computador, enfim, na era da tecnologia.

Entretanto, os pais desses jovens, uma geração dos anos 50, 60, viveram em um período sem essa tecnologia modernas dos tempos atuais. Não existia a internet para eles, nem computador era acessível no Brasil. Quanto mais a telefonia celular, coisa para filmes futurísticos para a época.

A tecnologia da época era retratada nas máquinas de escrever manual, aquelas que a cada “enter” a máquina pulava uma linha mas você, manualmente, tinha que puxar uma alavanca para a esquerda para trazer a parte de cima da máquina de escrever para o início da folha no lado esquerdo, e assim, começar a escrever na folha de papel.

Nessa época, usavam-se os velhos discos de vinil para escutar uma boa música em que a cada quebra da agulha da cabeça de leitura do aparelho de reprodução de disco de vinil era um sacrifício trocar e custava muito caro.

Contudo, hoje é muito difícil alguém ficar “desconectado” da tecnologia atual e não querer participar da modernidade tecnológica, acreditando que o que temos hoje é uma coisa supérflua e sem necessidade. Será?!

Creio que não deve ser tão simples assim. É certo que a tecnologia nos trouxe avanços no desenvolvimento na sociedade, simplificou determinas tarefas e agilizou algumas ações, diminuindo a distância entre as pessoas e lugares.

Entretanto, temos que levar em conta as pessoas de mais idade que não ligam para a tecnologia por achar muito difícil de operá-la. Elas conviveram décadas com luz de lampião, escutando rádio de pilha e vendo televisão preto e branco. Essa pessoas argumentam que o que tinha que ser aprendido já passou, não estão interessadas no novo, as vezes até tentam entender a tecnologia mas devido a tradição, basta uma primeira dificuldade com a tecnologia para que a barreira esteja posta.

Lembro de alguns momentos em que netos tentam ensinar aos seus avós a mexer em um mouse no computador. Fracasso total, os jovens de hoje não tem a paciência necessária para ensinar. E os mais velhos tem vergonha de querer aprender algo com a idade avançada.

Todavia, não podemos também deixar de comentar que o Brasil é um país em desenvolvimento. Muitos estão fora do contato da tecnologia por falta de oportunidade mesmo. Não possuem condições financeiras para comprar um computador, ter acesso a internet ou comprar um celular. Isso afasta naturalmente as pessoas da tecnologia e com isso, são potenciais cidadãos excluídos das oportunidades de emprego que exigem cada vez mais que as pessoas tenham conhecimento em informática.

Algumas pessoas escolhem esse afastamento da tecnologia por decisão pessoal, são aquelas que preferem ler um bom livro impresso a um livro digital. Querem falar com os amigos olhando nos olhos, dando um belo aperto de mão. Querem sentir o “calor” humano e não a frieza dos relacionamentos das máquinas com o homem.

Contudo, vamos ter pessoas altamente conectadas que nas primeiras horas do dia correm para o celular para ver as notícias, e-mails e SMS antes mesmo de tomar o seu café da manhã. E outras pessoas que acordam, fazem o seu bom e cotidiano café coado no filtro de algodão, escutando uma rádio AM no rádio de pilha.

Cada um escolhe a forma de de viver e como interagir com a modernidade. Se é bom ou ruim, não podemos julgar, apenas concordar.

E você, conhece alguém ainda “desconectado” da tecnologia?!

Até a próxima!

A Tecnologia da Informação trabalhando de forma positiva para melhorar os serviços públicos

O desenvolvimento de uma nação está diretamente ligado ao poder de melhoria de vários setores dentro da sociedade que, sendo um resultado positivo, pode-se dizer que determinado país está desenvolvido ou em desenvolvimento. Para isso, é necessário mensurar como um todo, as áreas que são responsáveis pelo índice de crescimento e qualidade de vida, como as áreas da saúde, educação e em nosso caso, o desenvolvimento da informação.

 

É notório que com o passar dos anos, percebemos diversos avanços na tecnologia que impactaram em nosso cotidiano, ocasionando em benefícios práticos para toda a população e para as empresas, seja ele econômico ou operacional.

 

Quando isso acontece, de forma positiva, podemos destacar que a tecnologia da informação teve um papel fundamental no desenvolvimento da sociedade, principalmente quando tratamos de serviços públicos que abrangem uma parcela considerável da população.

São vários os exemplos que poderemos citar ao longo do texto em que a tecnologia nos beneficiou de forma direta ou indireta. Em alguns situações, a nova geração (conhecida como “geração y”) nem teve a oportunidade de utilizar determinados serviços públicos na forma do seu funcionamento de antigamente, como enviar cartas pelos Correios.

Hoje, essa geração que já nasce com o contato com a internet, nem sabe como postar uma carta nos correios. Eles aprenderam que a forma de se comunicar com os outros é através de e-mail, torpedos, mensagens instantâneas e redes sociais. Mas o desenvolvimento da tecnologia permite você hoje rastrear encomendas postadas nos correios pelo próprio site dos Correios ou em “app” (aplicativos para smartphones). Antigamente, era quase que diário a “viagem” até uma agência postal para saber se chegou alguma encomenda para o destinatário.

Outro exemplo que demonstra como o desenvolvimento da tecnologia melhorou nossos cotidiano é a declaração de imposto de renda que temos que fazer anualmente. Antigamente, tínhamos que preencher um formulário no papel, torcer para não errar nenhum campo pois rasuras inviabilizavam o envio do formulário e para aqueles que tinham muitos bens, eram páginas e mais páginas de formulário para declarar o tão sofrido formulário. Os contadores na época sofriam.

Atualmente, utilizando o programa específico para declarar o IRPF, tudo ficou mais fácil. A possibilidade de se importar os dados da declaração do ano anterior, a simulação dos tipos de declaração e a crítica que o próprio programa faz, diminuiu em muito as dores de cabeça aos contribuintes que passaram a correr menos risco de cair na “malha fina” do Fisco.

O IPVA e Licenciamento (para quem possui algum tipo de automóvel) também teve o seu benefício com a tecnologia da informação. Entrando no site do Detran de sua região, você pode consultar como anda a situação de seu carro pesquisando pela placa do veículo e o número do RENAVAM. Com a tecnologia, você imprime o DUA (Documento Único de Arrecadação) na hora que for pagar, principalmente após o vencimento, o site já calcula o juros e multa, emitindo o boleto no valor correspondente atualizado para que seja pago na rede bancária. Não há mais a necessidade de se deslocar até uma Ciretran ou Detran para requisitar novo boleto com valores atualizados.

E por último, a mais recente mudança que estamos observando nas últimas eleições é a utilização de urnas eletrônicas. Fico aqui imaginado a nova geração de não ter tido contato na forma de se votar utilizando as cédulas de votação (isso mesmo, papel!). O grande benefício dessa tecnologia é a agilidade no resultado da eleição que pode levar apenas algumas horas para saber que é o novo eleito. Na forma tradicional, o resultado podia levar dias.

Enfim, estamos em um caminhar natural da humanidade: o desenvolvimento. Pode ser que esse tipo de desenvolvimento não agrade a todos mas temos que ter a consciência que para sermos melhores, temos que evoluir. Essa teoria eu levo para dentro das empresas também. Se você não evoluir algo dentro da empresa ou no seu trabalho, ficará continuando a fazer a mesma coisa, e pior, pode ser que não saia da era do papel!

Até a próxima!

Eu sei quem é você e o que faz: a Internet que me contou!

O uso cada vez mais de sistemas informatizados nos mostra o quanto mudamos os nossos hábitos e costumes na convivência dentro da sociedade. A moda do uso das redes sociais trouxe pontos positivos mas também elencou alguns pontos negativos, resultado normal para toda nova tecnologia que entra em nosso cotidiano.

Estamos vivendo no mundo da informação, época das novidades tecnológicas e o conforto que a internet nos proporciona de conhecer lugares sem precisar sair de casa. Quem nunca sonhou em conhecer a Disney ou viajar à Europa só para conhecer e ver como é a Torre Eiffel?!

Com o surgimento do Google (para alguns é o “Santo Google”) tudo ficou mais “perto” e mais fácil o acesso à informação. Museus, obras de arte, trabalhos acadêmicos: tudo isso com um simples toque no teclado, você dá a volta ao mundo em questões de minutos. É uma diversão interessante mas ao mesmo tempo preocupante.

Tratando de redes sociais, que é a febre do momento, percebemos milhares de usuários conectados e felizes por reencontrar velhos amigos, criando assim, o seu círculo de amizades no mundo virtual através da permissão de adicionar o perfil do amigo em sua rede social. Dessa forma, temos um ponto positivo do uso da rede social que é aproximar as pessoas que estão distantes.

O perfil de usuário, nada mais é do que um tipo de cadastro de informações do usuário virtual que traz uma série de informações vinculadas ao dono do perfil. Por exemplo, se eu quiser entrar em uma rede social, tenho que me cadastrar na rede e assim, criar um perfil para que as outras pessoas possam me reconhecer e a partir desse momento, requisitar uma permissão para que eu possa fazer parte da rede social dela.

Nesse momento, dependendo da pessoa que está criando o perfil social, os problemas podem começar a aparecer. Tem gente que gosta de divulgar o maior número possível de informações pessoais e postar na internet, acreditando que assim, vários amigos possam o encontrar com mais facilidade. Outros, são exibidos mesmo, além de contar onde moram, o que fazem, onde trabalham, quantas meninas já pegou, posta a foto pessoal e algumas fotos da casa de praia, do carrão do ano, da lancha, etc.

Essas pessoas não possuem a noção que a vida delas está virando um livro de páginas abertas. Uma simples pesquisa na internet e pronto, todas as informações necessárias que um criminoso precisa para praticar algum crime, já fica por satisfeito para cometer as suas intenções com o resultado obtido.

É muito fácil checar se realmente isso faz sentido do que tratamos até aqui. Entre no site do Google (www.google.com.br) e pesquise o seu nome. De preferência, coloque o nome e sobrenome entre aspas, tipo: “Fulano de tal” e veja o resultado. Muitos links de resultado? Passou dos 1.000 sites na resposta da pesquisa? Está na hora de verificar o que você anda postando na internet. Pesquise também na área de imagens do Google, você irá se surpreender.

Entretanto, tem pessoas que usam a internet para realizar o seu marketing digital. Sem problemas, o que precisa se levar em conta é o montante que as nossas informações confidencias estão disponíveis na internet sem o nosso consentimento. Basta uma informação confidencial ser descoberta na internet para que você tenha uma baita dor de cabeça para o resto de sua vida.

Em momento oportuno, tratarei de um artigo específico sobre a influência da tecnologia na vida profissional e social de cada pessoa. É um assunto, que ao meu ver, merece uma atenção muito especial principalmente com as nossas crianças de hoje, que buscam fazer sucesso na internet postando vídeos engraçados (e muita das vezes, degradantes) sem pensar que isso vai refletir em sua vida profissional.

E você, o que será que o Google diz sobre você?

Até a próxima!

Consequência da vida moderna: tudo é culpa do TI

Computador de última geração, notebook, smartphone, tablet... equipamentos modernos que atraem a sensação de prazer nas pessoas mais consumistas, quando falamos de novidades tecnológicas. Quem nunca teve um desejo de ter um equipamento moderno desde a data de seu lançamento no mercado?

Desse modo, percebemos a evolução de vários dispositivos eletrônicos que acabaram virando sucata em um curto espaço de tempo devido a novos lançamentos de produtos mais avançados e atraentes. Isso aconteceu com as extintas fitas K-7, VHS e outras mídias que não são mais utilizadas devido ao grande momento que estamos passando sobre tecnologia.

Hoje, você compra um equipamento que em pouco tempo já não é mais novidade e pior, a qualidade em torno de sua durabilidade está ficando a desejar. Antigamente, os fabricantes se preocupavam com a durabilidade dos produtos tecnológicos pois era importante no mercado uma certa qualidade do produto. Não que hoje os produtos não possuem qualidade mas a durabilidade dos equipamentos de hoje não são equivalentes aos fabricados no passado.

Não é a toa que as televisões de nossos avós, que foram fabricados no século passado, funcionam até os dias atuais. Quando compramos a nossa de LCD, Plasma ou LED, percebemos que dificilmente a televisão passará dos 5 anos de vida. Tudo culpa da tecnologia.

Mas o que isso tem a ver com a TI? Simples, quem já não recebeu uma reclamação no Setor de TI quando a energia na empresa simplesmente acaba? O primeiro setor que é acionado pela diretoria é o Setor de TI com a mesma pergunta de sempre: “o que aconteceu? Qual a previsão de retorno?”. Eu não entendo essa relação de energia com o TI (logicamente naquelas empresas que não tem um setor de elétrica, por exemplo, como um funcionário eletricista).

Ainda fosse só a energia, até que dava para levar mas com a evolução dos equipamentos eletrônicos temos até vinculação do funcionamento das televisões de Led na empresa com o Setor de TI. Se a televisão parar de funcionar, é aberto um chamado reclamando do funcionamento para o TI?! Eu fico pasmo com essa relação que tudo é problema do TI.

Nesses vários anos de mercado de TI, tive chamados abertos para resolver problemas em aparelho de telefone fixo, conserto de luz de emergência, tomadas de energia, rádio de comunicação, aparelho de celular, enfim, equipamentos longe de ser de competência tecnológica do profissional de TI. No máximo, um certo apoio para indicar quem ou para onde deve ser redirecionado esse atendimento que não é atividade fim do responsável por Tecnologia da Informação.

Entretanto, vejo esse pensamento de dependência do profissionais de TI em tudo que se relaciona tecnologia pois querendo ou não, os equipamentos modernos possuem tecnologia e com isso, o usuário (incluindo o chefe) vislumbra Tecnologia = Setor de TI, simples assim. É como se o TI fosse responsável por tudo na empresa.

O pior disso tudo é que o profissional de TI sofre duas vezes com essa teoria que tudo é culpa do TI. Se você termina o expediente de trabalho e quando chegar em casa o controle remoto do portão eletrônico, o ferro de passar, o chuveiro elétrico, a televisão ou se a máquina de lavar roupa não funcionar, adivinha a quem será atribuído a culpa? Ou pelo menos será a primeira pessoa a tentar consertar porque a(o) companheira(o) vai logo dizendo: oras, você não é de TI, então conserta?!!!

Até a próxima!

Confirmando a leitura de um e-mail com a ajuda de um “porco”

No mundo todo, milhares de e-mails são enviados pelos diversos servidores de e-mail existentes na internet, com o objetivo de levar a informação desejada do remetente ao destinatário. Infelizmente, muitos desses e-mails são os temíveis SPAM: mensagens indesejadas e que na sua grande maioria possui conteúdo publicitário.

Nem vou falar a quantidade de e-mail fake (falso) que é enviado aos coitados dos destinatários desavisados que acabam caindo em determinados golpes virtuais por falta de informação e atenção.

Em vários softwares de e-mail (os programas clientes) que os usuários utilizam para ler e enviar e-mails tais como o Outllook, Thunderbird, Lotus, etc, existem opções configuráveis para que seja possível o remetente receber uma confirmação de entrega e leitura por parte do programa de e-mail do destinatário.

Cada programa de e-mail cliente tem o seu local de configuração específico para essa finalidade, que no geral, atende a demanda dos usuários. Entretanto, tenho percebido que determinados administradores de servidores nas empresas, estão desabilitando a opção no servidor de e-mail corporativo para que não seja possível enviar um retorno ao remetente sobre a entrega ou leitura do e-mail por parte do destinatário.

Alguns argumentos são levantados por esses profissionais de TI como: evitar a ação dos spammers que enviam um e-mail para um endereço eletrônico na esperança de receber a confirmação de entrega e assim, validar aquele e-mail na maillist de spam. Outro argumento é sobre a privacidade do destinatário que não quer informar ao remetente qual o momento que foi realizado a leitura do e-mail enviado, ficando o remetente na eterna dúvida sobre a entrega e a leitura do e-mail enviado.

Entretanto, argumentos a parte, podemos resolver essa questão com uma método que é muito usado durante o processo de investigação pericial em crimes eletrônicos com o objetivo de saber se determinado e-mail utilizado para enviar material pornográfico ou com conteúdo ofensivo contra o destinatário ainda está em funcionamento. Usando um “porco”.

Isso mesmo, a técnica utilizada é inserir no corpo do e-mail, uma figura de um porco disponibilizada no site www.spypig.com que ele executará o script no momento que o destinatário abrir o e-mail. É muito simples de usar e garante bons resultados ao remetente que receberá uma confirmação de leitura com informações úteis como versão do browser do destinatário, sistema operacional e outras informações relevantes.

O SpyPig é um site que disponibiliza ao remetente a facilidade de ter uma confirmação de leitura do e-mail enviado independente da vontade do destinatário, querendo ou não, até porque nenhuma mensagem é exibida a ele para permitir ou não esse envio. Tudo é executado via scrpit que tem a sua ação iniciada na mera abertura do e-mail.

Utilize esse recurso e perceba a infinidade de benefícios que esse método de confirmação pode lhe proporcionar.

Até a próxima!

O desafio do profissional de TI em gerar conhecimento

Após anos de estudos e de especialização, muitos profissionais de TI continuam a estudar e a aprender sobre determinados assuntos que são de pouco conhecimento entre eles. E isso não poderia ser diferente até porque na informática, a tecnologia fica obsoleta rapidamente.

Logicamente que ainda persiste algumas tecnologias que foram novidades no passado que ainda não ficaram obsoleta mas a questão é até quando eles continuarão a ser utilizados.

Com o crescimento tanto em volume quanto em qualidade, obriga ao profissional de TI vasculhar zilhões de dados, transformando em informação e tentando gerar conhecimento na velocidade que se consegue entender e aprender as novidades dessa área tão concorrida e desleal.

Algumas empresas contratam estagiários, engenheiros, administradores para gerir o parque tecnológico corporativo. O salário muita das vezes fica a desejar devido a essa promiscuidade das pessoas em aceitar por qualquer salário uma responsabilidade que deveria ser de profissionais formados em sua base educacional, com tecnologia.

O profissional de TI formado em outras áreas como Direito, Administração, Contabilidade, vai ter uma visão mais abrangente e interdisciplinar que outros profissionais que meramente são formados em tecnologia.

É comum ocorrer algumas “perseguições” virtuais de profissionais mal qualificados ou com pouca experiência na área tecnológica para tentar induzir que você não é um bom profissional. Como todos, uma vez ou outra, na vontade de passar conhecimento para as demais pessoas da área, cometemos algumas gafes como não informar de quem é o verdadeiro proprietário do conhecimento.

Diga-se de passagem que mesmo após uma centenas de publicações em sites e em várias revistas de renome (incluindo Revista Espírito Livre e ISSA Brasil) e participação em podcast (Como o StaySafe Poscast – http://www.staysafepodcast.com.br/edicoes/24-StaySafe-02-2011.mp3 , o que poucos tem esse privilégio de serem convidados para demonstrar o seu conhecimento) basta um pequeno descuido e pronto, tem alguém no seu calcanhar para tentar de derrubar.

Normal, esse é o nosso mundo. Principalmente quando as pessoas aceitam seus cargos e muitas responsabilidades em troca de um “pão”, mas não contribuem com nada na sociedade acadêmica com nenhum artigo, aula, podcast e vídeos.

O profissional de TI gosta de gerar conteúdo e também repassar outros, mas geralmente não se preocupa (mas deveria) em informar de onde o seu conhecimento está sendo repassado, quando não é gerado por si.

Diante do exposto, acredito que é um grande desafio para nós de TI gerar conhecimento e replicar para aqueles que vão aprender algo ou que querem aprender, e não para aqueles que estão dispostos a “derrubar” outros profissionais.

ATÉ A PRÓXIMA!

A questão do anonimato na internet à luz da Lei

Com o advento da criação da Internet, a partir da década de 90, muitas pessoas puderam trabalhar em conjunto, compartilhando dados, informações e documentos nessa grande rede de computadores. Ocorreu uma expansão explosiva da Internet nessa época, motivada por falta de uma administração central assim como à natureza aberta dos protocolos da internet. O acesso a um grande número de informações disponíveis às pessoas, com ideias e culturas diferentes, pode acarretar tanto em uma melhora dos conceitos da sociedade como um declínio, dependendo das informações existentes na internet e por quem as disponibilizam.

Em tempo de internet onde existe uma grande mobilidade tecnológica, percebemos que a cada passo dado em nossa “vida digital”, deixamos rastros de informações e dados confidenciais pela grande rede de computadores. Novidade? Até que não, pois somos “antenados” na tecnologia e queremos ter status, procuramos nos divulgar da melhor maneira possível fazendo o que conhecemos como Marketing Digital.

Entretanto, em alguns momentos durante a nossa navegação na grande rede de computadores (Internet), temos a oportunidade de comentar alguns artigos publicados na internet, com o qual podemos concordar ou discordar do caminho traçado pelo autor. Em muitos casos e acredito que seja a maioria, quem gosta de opinar sobre um determinado conteúdo publicado no site ou blog, deixa registrado o nome e sobrenome assim como o e-mail de contato para um possível contato no futuro.

Esse procedimento deveria ser seguidos por todos, no qual você se identifica e opina sobre um determinado assunto, gerando uma expectativa ao autor do artigo que ficará muito feliz em saber que pessoas se interessaram pelo seu conteúdo e estão dispostas a trocar ideias. Nada mais frustrante é alguém ler o seu material publicado e no final, não se identificar para fazer o comentário, escrevendo vários absurdos atacando o próprio autor, ocorrendo em crimes de Calúnia, Difamação e Injúria, estes tipificados em nosso Código Penal Brasileiro nos Artigos 138, 139 e 140, respectivamente.

Todavia, temos que ter a consciência que em nossa Carta Magna, a Constituição Federal Brasileira de 1988, entre os seus dispositivos mais importantes, destaco um que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, descrito no artigo 5º inciso IV que preceitua “IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”. Ou seja, todo cidadão tem o o direito de expressar o seu pensamento, manifestar o seu ideal publicamente porém, não pode ser de forma anônima pois é vedado (proibido) pela nossa Constituição Federal.

Analisando o texto desse inciso, podemos realmente notar qual era a preocupação do legislador da época em que a Carta Magna foi promulgada. Imagine se os meios de comunicação, que na época se resumiam aos jornais impressos, televisão e rádio, começassem a divulgar informações inverídicas sobre determinadas pessoas, empresas, políticos e etc, de tal forma a criar constrangimentos, prejuízos à imagem das empresas e outras consequências em que a vítima não possa identificar o autor desses fatos. Seria um desastre nas relações pessoais e para a própria economia, pois sem a identificação do autor do manifesto, não haveria a possibilidade da vítima se defender ao ponto de cessar as provocações e além disso, como poderia alguém ser responsabilizado pelos danos causados?

Nos dias atuais, se existem processos no judiciário com lides sobre os crimes de calúnia, difamação e injúria, é porque existe um autor identificado para responder pelos os seus atos. Mesmo que o autor seja o provável, sem a devida comprovação, pois isso será discutido no mérito da lide. Mas teremos sempre um “suspeito”, com base na vedação do anonimato.

Diversos sites de conteúdo já se preocupam com essa máxima do anonimato e nos seus controles de comentários aos artigos publicados, possuem configuração que determina que para ser adicionado um comentário, a pessoa tem que informar o nome e o e-mail de contato, evitando assim que o anonimato aconteça.

Todavia, sabemos que não é tão simples assim evitar o anonimato pois mesmo que seja necessário informar o nome e o e-mail para comentar um texto, o internauta pode simplesmente inventar um nome e digitar um e-mail inválido, pois não há checagem por parte do site a validação dos dados informados. Estará esse comentário em situação “ilegal” perante a Lei?

É uma questão que rende muita discussão em torno do assunto pois no momento que se informa qualquer nome adverso da identidade pessoal do comentarista, está atendido o preceito legal, pois não incorre no anonimato, porém, incorre em outra situação que, nesse caso, caracteriza um crime tipificado no Código Penal Brasileiro, o de Falsidade Ideológica conforme o Artigo 299.

Um exemplo de um caso que envolveu a questão do anonimato na internet e muito difundido na mídia, foi o caso do Google que teve que indenizar um cidadão que foi alvo de ofensas realizadas no site de blog da empresa. O juiz do processo determinou que o Google retirasse oito páginas do blog com conteúdos ofensivos ao autor da ação sob pena de uma determinada multa diária.

A sentença, ao final do processo, foi proferida e o Google foi obrigado a pagar uma quantia a título de indenização moral. A empresa recorreu alegando que ela não poderia ser responsabilizada pelo conteúdo criado por seus usuários mas a desembargadora do caso confirmou a sentença esclarecendo em seu despacho que “à medida que a provedora de conteúdo disponibiliza na internet um serviço sem dispositivos de segurança e controles mínimos e, ainda, permite a publicação de material de conteúdo livre, sem sequer identificar o usuário, deve responsabilizar-se pelo risco oriundo de seu empreendimento”.

A proibição ao anonimato é ampla, abrangendo todos os meios de comunicação, mesmo as mensagens de internet. Não pode haver mensagens injuriosas, difamatórias ou caluniosas. A Constituição Federal veda o anonimato para evitar manifestações de opiniões fúteis, infundadas, inverídicas que tem como propósito: intuito de desrespeito à vida privada, à intimidade, à honra de outrem conforme o caso acima citado.

Recentemente, o Marco Civil da Internet recebeu diversas sugestões para melhoria nas regras e normas de utilização da internet. Dentre elas, uma questão levantada é sobre o anonimato na internet, uma situação essa bem peculiar e caracterizado pela “vida moderna” que temos. No meio digital, não é difícil utilizar ferramentas e artifícios para navegar “anonimamente” como o projeto TOR e outras soluções que aumentam ainda mais a capacidade de navegação sem ser descoberto a sua própria identidade.

Claro que vestígios de acesso vão ocorrer como a identificação do IP que será registrado no momento de comentar um artigo, o log do provedor de internet para identificar o autor do acesso vinculado ao IP rastreado e outras ações que poderão levar ao verdadeiro responsável pela manifestação do pensamento, registrado no blog.

Entretanto, conforme já comentado em outros artigos, essa identificação pode ser totalmente sem sentido quando nos deparamos com várias redes sem fio (wireless) desprovidos de nenhum tipo de criptografia de conexão, fazendo assim, com que qualquer pessoa possa utilizar essa rede para registrar um comentário ofensivo sem ter realmente a sua identidade revelada.

Contudo, o anonimato na internet é legalmente vedado porém esse assunto é palco para muita conversa e discussão que precisamos nos unir para chegar em um determinado nível de aceitação pela sociedade. Mesmo que a Lei vede o anonimado, hoje é o que mais vemos acontecer nas mídias sociais com a criação de perfil fake (falso), apelidos como se fossem nomes verdadeiros e outras situações que só trazem problemas para as vítimas desses baderneiros digitais.

Até a próxima!

Por quê o BYOD assusta muito gestor de TI nas empresas?

Cada vez mais as pessoas utilizam a tecnologia para auxiliar em suas tarefas diárias, desde o simples ato de acordar com o alarme de um celular que muita das vezes é utilizado como despertador até responder os e-mails corporativos dentro do ônibus ou aeroporto, através do tablet ou smartphone.

A facilidade com que a tecnologia proporciona nos dias de hoje traz uma série de benefícios para os usuários e frequentadores assíduos desses equipamentos eletrônicos que para muita gente é difícil viver sem eles. Logicamente, tem o próprio mercado que “dita” o que devemos usar e nos ilude com situações que nos força a acreditar que precisamos adquirir determinados equipamentos para resolver problemas mais facilmente ou problemas que ainda nem temos mas que poderemos ter.

As empresas estão observando nos seus funcionários a utilização de várias tecnologias como o Windows, Linux, Mac no ambiente corporativo e em algumas delas, os empregados já fazem o uso de dispositivos móveis para trabalhar no horário do expediente, dentro da corporação e fora dela.

Esse comportamento é caracterizado pelo BYOD (Bring Your Own Device) que traz a concepção do funcionário levar o seu dispositivo eletrônico pessoal para dentro do ambiente de trabalho sem que haja a necessidade da empresa adquirir o equipamento eletrônico. Nessa situação, a permissão da companhia em deixar o empregado usar o próprio dispositivo reflete na redução de custos operacionais para comprar o equipamento e permitir ao funcionário para que ele continue a trabalhar fora da empresa.

Entretanto, um dos fatores que assusta muito gestor de TI nas empresas com a prática do BYOD é a segurança da informação. Para o empresário, é muito cômodo permitir que o funcionário dele leve para o trabalho o tablet pessoal para utilizar no ambiente corporativo como uma ferramenta de trabalho, onde os e-mails de reuniões e de clientes serão respondidos no próprio equipamento eletrônico. Afinal, qual empresa que não gostaria que o seu parque tecnológico fosse todo dos próprios funcionários? Assim, não teria o custo de aquisição de computadores e afins.

Todavia, o bom gestor de TI que tem a visão da segurança da informação vai indagar algumas variáveis com a chefia para mediar essa prática do BYOD dentro da companhia. Quando o funcionário leva de casa o smartphone para o trabalho, por exemplo, ele está usando o celular dentro da empresa para realizar algumas tarefas corporativas e ao mesmo tempo, esse equipamento possui informações pessoais do colaborador como fotos de eventos, e-mails particulares e todas as contas das redes sociais cadastradas no aparelho.

O contrário também é verdadeiro. Ao deixar a empresa após o término da jornada de trabalho, a conta do e-mail corporativo assim como todos os e-mails vão junto com o funcionário para a casa. Desse modo, caso o funcionário perca esse celular ou seja assaltado, vai existir um grande problema para a empresa pois existem dados confidenciais dentro do aparelho que nas mãos erradas, podem falir uma empresa.

Existem milhares de funcionários que não criam nem ao menos uma senha de bloqueio de tela do celular. Imagine esse equipamento nas mãos erradas? É uma mina de ouro de informações confidenciais corporativas que só existem ali devido a prática do BYOD. Não sou contra o uso, até porque eu mesmo faço parte das pessoas que permito o BYOD, desde que com as devidas orientações aos funcionários e algumas medidas simples para preservar as informações contidas nos equipamentos móveis.

O gestor de TI é na verdade um gestor da informação. Ele sabe onde estão as informações, para onde vão e como encontrar. E na perda delas, qual atitude a ser tomada para minimizar o impacto e as consequências para a empresa. Não se pode engessar uma empresa por conta do tradicionalismo ou por não acreditar na mobilidade. Já faz parte do nosso cotidiano e o nosso papel é fazer acontecer em nossas empresas de uma forma organizada e segura.

Da próxima vez que o seu chefe sugerir a utilização do BYOD na empresa, não seja contrário de imediato. Até porque, as vezes, o gestor de TI nega o uso por simplesmente desconhecer o que é BYOD!

Até a próxima!