Projeto “Debate nas Escolas”: Como a tecnologia pode impulsionar a sua carreira

O Projeto “Debate nas Escolas Públicas sobre Tecnologia da Informação” já completou 1 ano de atividade desde a sua data de criação, no dia 17 de maio de 2013, onde foi realizado o primeiro debate do projeto na EEEM Gomes Cardim, em Vitória – ES.

Após realizar diversos debates nas escolas da Rede Estadual, agora é a vez do CEET Vasco Coutinho, em Vila Velha, receber esse projeto que acontecerá no dia 09 de outubro de 2014, às 20h no Auditório com o tema “Como usar a tecnologia para impulsionar a sua carreira”.

Pretendemos levar aos participantes desse debate as questões importantes e fundamentais que a tecnologia pode proporcionar ao desenvolvimento profissional de qualquer área pretendida ou do emprego já conquistado.

A dinâmica do debate é caracterizado pela participação ativa dos presentes ao debate com interação entre perguntas, exemplos de situações do cotidiano no ambiente do trabalho e dicas dos profissionais que já atuam na área e utilizam a tecnologia como ferramenta principal para resolver as questões do dia a dia.

Contamos com a sua presença nesse dia para enriquecer ainda mais os debates que serão proporcionados nesse evento e demonstrar que a tecnologia tem o seu papel fundamental no desenvolvimento profissional das pessoas.

Anúncios

Como um administrador de redes pode monitorar o tráfego dentro de um switch gerenciável?

A informação é uma matéria-prima lapidada que se bem empregada, pode gerar um determinado conhecimento. O conhecimento gera uma perspectiva positiva ou negativa, dependendo de quem a possua. É como a eletricidade, ela pode servir para o bem ou para o mal. Ela pode dar a luz ou também pode matar, vai depender de como será utilizada. Se para o bem, servirá para iluminar os locais escuros. Para o mal, será utilizada para eletrocutar e matar alguém com choques intermináveis, como se fosse uma sessão de tortura de guerra.

Dentro de uma ambiente corporativo, existem diversos assuntos que são tratados utilizando a rede de computadores para que as informações sejam enviadas e recebidas pelas pessoas, transformando em conhecimento. Geralmente, a maior parte do conhecimento produzido em um ambiente de trabalho, tem como o objetivo as tarefas inerentes a cada função dentro da corporação, sejam elas meramente operacionais ou de cunho gerencial.

Entretanto, não é de se surpreender que determinadas informações acabam sendo trocadas entre funcionários ou pessoas desconhecidas fora do ambiente da empresa e que não deveriam ser divulgadas por se tratarem de informações sigilosas. É muito importante para as empresas terem um certo controle nas informações geradas fruto do trabalho de seus funcionários principalmente quando se trata de negócios novos ou produtos em lançamento. Basta um descuido e o protótipo é enviado ao concorrente por alguns milhares de dólares e pronto, o estrago está feito.

Quando se desconfia de algum funcionário ou determinado setor, a empresa possuindo dentro de suas políticas de segurança, com o devido conhecimento do funcionário quando ele entra para o cargo concorrido, que os computadores e e-mail podem ser monitorados, é ora do empresário agir e contar com o conhecimento técnico de seu responsável de TI para evitar prejuízos maiores a companhia. Resumindo: monitoramento.

O switch possui um papel fundamental dentro de uma rede de computadores e melhor ainda se ele for do tipo gerenciável. Esse recurso possibilita ao administrador da rede realizar um monitoramento do tráfego gerado em determinadas portas e verificar o que se passa dentro da infraestrutura de dados, que passa dentro do switch.

Com o devido acesso dentro do switch, basta ir nas configurações de porta onde tem a opção de criar “mirror”. Essa opção, você irá “copiar” o tráfego de uma determinada porta que será o alvo de monitoramento e fazer um espelho, que é o mirror, para a porta onde o seu notebook ou computador desktop está conectado no switch. Após criar o mirror, execute em sua máquina um programa de monitoramento de rede (como o wireshark, por exemplo) e capture os pacotes de dados por um determinado tempo, a fim de verificar posteriormente os dados que foram trafegados na porta alvo ou verifique em tempo real, adicionando determinados filtros no programa de monitoramento para saber se as suas suspeitas vão se concretizar.

É importante observar que nada adianta capturar os pacotes de dados se o profissional de TI não sabe analisar os dados capturados. É como procurar uma coisa que não sabe o que é. Nessa hora, é importante o conhecimento técnico e dedicado, que um pacote de dados mal analisado pode fazer toda a diferença no resultado.

Desse modo, não coloque meramente no seu currículo que você tem experiência em roteamento, firewall e segurança da informação, quando na verdade, você nem sabe qual a diferença entre pacotes TCP e UDP.

Até a próxima!

Por quê o BYOD assusta muito gestor de TI nas empresas?

Cada vez mais as pessoas utilizam a tecnologia para auxiliar em suas tarefas diárias, desde o simples ato de acordar com o alarme de um celular que muita das vezes é utilizado como despertador até responder os e-mails corporativos dentro do ônibus ou aeroporto, através do tablet ou smartphone.

A facilidade com que a tecnologia proporciona nos dias de hoje traz uma série de benefícios para os usuários e frequentadores assíduos desses equipamentos eletrônicos que para muita gente é difícil viver sem eles. Logicamente, tem o próprio mercado que “dita” o que devemos usar e nos ilude com situações que nos força a acreditar que precisamos adquirir determinados equipamentos para resolver problemas mais facilmente ou problemas que ainda nem temos mas que poderemos ter.

As empresas estão observando nos seus funcionários a utilização de várias tecnologias como o Windows, Linux, Mac no ambiente corporativo e em algumas delas, os empregados já fazem o uso de dispositivos móveis para trabalhar no horário do expediente, dentro da corporação e fora dela.

Esse comportamento é caracterizado pelo BYOD (Bring Your Own Device) que traz a concepção do funcionário levar o seu dispositivo eletrônico pessoal para dentro do ambiente de trabalho sem que haja a necessidade da empresa adquirir o equipamento eletrônico. Nessa situação, a permissão da companhia em deixar o empregado usar o próprio dispositivo reflete na redução de custos operacionais para comprar o equipamento e permitir ao funcionário para que ele continue a trabalhar fora da empresa.

Entretanto, um dos fatores que assusta muito gestor de TI nas empresas com a prática do BYOD é a segurança da informação. Para o empresário, é muito cômodo permitir que o funcionário dele leve para o trabalho o tablet pessoal para utilizar no ambiente corporativo como uma ferramenta de trabalho, onde os e-mails de reuniões e de clientes serão respondidos no próprio equipamento eletrônico. Afinal, qual empresa que não gostaria que o seu parque tecnológico fosse todo dos próprios funcionários? Assim, não teria o custo de aquisição de computadores e afins.

Todavia, o bom gestor de TI que tem a visão da segurança da informação vai indagar algumas variáveis com a chefia para mediar essa prática do BYOD dentro da companhia. Quando o funcionário leva de casa o smartphone para o trabalho, por exemplo, ele está usando o celular dentro da empresa para realizar algumas tarefas corporativas e ao mesmo tempo, esse equipamento possui informações pessoais do colaborador como fotos de eventos, e-mails particulares e todas as contas das redes sociais cadastradas no aparelho.

O contrário também é verdadeiro. Ao deixar a empresa após o término da jornada de trabalho, a conta do e-mail corporativo assim como todos os e-mails vão junto com o funcionário para a casa. Desse modo, caso o funcionário perca esse celular ou seja assaltado, vai existir um grande problema para a empresa pois existem dados confidenciais dentro do aparelho que nas mãos erradas, podem falir uma empresa.

Existem milhares de funcionários que não criam nem ao menos uma senha de bloqueio de tela do celular. Imagine esse equipamento nas mãos erradas? É uma mina de ouro de informações confidenciais corporativas que só existem ali devido a prática do BYOD. Não sou contra o uso, até porque eu mesmo faço parte das pessoas que permito o BYOD, desde que com as devidas orientações aos funcionários e algumas medidas simples para preservar as informações contidas nos equipamentos móveis.

O gestor de TI é na verdade um gestor da informação. Ele sabe onde estão as informações, para onde vão e como encontrar. E na perda delas, qual atitude a ser tomada para minimizar o impacto e as consequências para a empresa. Não se pode engessar uma empresa por conta do tradicionalismo ou por não acreditar na mobilidade. Já faz parte do nosso cotidiano e o nosso papel é fazer acontecer em nossas empresas de uma forma organizada e segura.

Da próxima vez que o seu chefe sugerir a utilização do BYOD na empresa, não seja contrário de imediato. Até porque, as vezes, o gestor de TI nega o uso por simplesmente desconhecer o que é BYOD!

Até a próxima!