Ladrões usam pen drives para assaltar caixas eletrônicos

Eu li uma matéria na BBC Brasil que me chamou muito a atenção e precisamos ficar atentos para que esse tipo de ataque não seja “importado” pelos criminosos Brasileiros.

Os detalhes dos ataques, realizados contra caixas de um banco europeu cujo nome não foi divulgado, foram apresentados no congresso Chaos Computing, em Hamburgo, na Alemanha, que debateu crimes cibernéticos.

Os dois pesquisadores que detalharam os ataques pediram que seus nomes tampouco fossem divulgados.

Segundo eles, esse tipo de ataque começou a ser aplicado em julho, depois de o banco notar que vários de seus caixas eletrônicos estavam sendo esvaziados apesar do uso de cofres para proteger o dinheiro dentro das máquinas.

Depois de um aumento na vigilância, o banco descobriu que os criminosos estavam vandalizando as máquinas para usar os pen drives infectados com o malware (software destinado a se infiltrar em um computador).

Uma vez que o malware fosse transferido para a máquina, eles fechavam o buraco aberto para a entrada do pen drive. Desta forma, um mesmo caixa eletrônico poderia ser atacado várias vezes.

Códigos

Para ativar o código na hora em que quisessem, os criminosos digitavam uma série de 12 dígitos que lançava uma interface especial.

Análises do software instalado em quatro caixas eletrônicos atacados demonstraram que as máquinas infectadas mostravam não apenas a quantidade de dinheiro disponível em seu cofre, mas também quais as notas disponíveis e um menu com as opções de escolha das notas.

Segundo os pesquisadores, isso permitia que os criminosos pedissem a liberação das notas de valor mais alto para minimizar o tempo em que eles ficavam no caixa eletrônico, se arriscando a serem flagrados.

Os pesquisadores que revelaram esse novo tipo de crime cibernético também notaram outro aspecto: os criminosos que usam esse tipo de malware pareciam temer que membros da própria gangue agissem por conta própria.

Por isso, para a liberação do dinheiro no caixa eletrônico, o criminoso precisa digitar um segundo código, que varia a cada vez que o software é usado.

O criminoso só pode obter esse segundo código ligando para outro membro do grupo e descrevendo a ele os números que são mostrados na tela do caixa eletrônico no momento do crime.

Sem isso, o caixa eletrônico volta ao normal depois de três minutos, como se não tivesse sido atacado.

Os pesquisadores afirmaram que o código do malware usado nos caixas eletrônicos é muito difícil de analisar.

Fonte: BBC Brasil

O switch gerenciável e a sua utilidade dentro de um ambiente corporativo

O bom funcionamento de uma rede de computadores está ligado diretamente ao funcionamento dos ativos de redes, como roteadores, switch e modens adsl. Dependendo da criticidade ou do objetivo de uma rede, é necessário uma redundância desses equipamentos e assim, um trabalho dobrado ao gestor de tecnologia para monitorar e gerenciar o funcionamento de cada um deles.

Antigamente, era predominante a utilização de HUB’s nos projetos de rede de computadores que tinham a função de interligar os computadores de uma rede local. Com a evolução da tecnologia e a necessidade de atender a demanda de certas funções, ocasionou no surgimento do switch, que ao longo do tempo, foi o substituidor natural do hub.

A grande diferença do funcionamento de um hub para um switch está na falta da comutação entre as portas de comunicação no hub. Quando um computador quer “conversar” com outro computador, se ambos tiverem conectados por um HUB, o computador origem envia um pacote de dados e quando esse pacote chega no hub, a informação é transmitido para todas as portas do hub, ficando o computador destino com a obrigação de responder ao computador origem que a informação chegou até ele.

Dessa forma, se existirem outros computadores conectados em outras portas do hub, “escutarão” o pacote do computador origem para não responderão pois as informações não são destinados a eles. Com isso, existia um problema de captura de dados em rede utilizando programas de computador do tipo “sniffer” que capturava todos os pacotes de dados que passavam pelas portas do hub, ficando a comunicação entre os computadores envolvidos na comunicação (origem e destino) vulneráveis quanto à privacidade.

Com o advento do switch, a comutação entre as portas fez com que os pacotes de dados vindo de um computador de origem não mais são replicados em todas as portas do switch em busca do computador destino e sim, somente é transmitido para a porta específica onde o computador destino está conectado fisicamente no switch, evitando assim, uma “escuta” clandestina dos fuçadores de informação nas demais portas do equipamento.

Contudo, no switch gerenciável, é possível realizar um monitoramento do tráfego de dados que esteja passando em uma determinada porta do switch, utilizando o recurso disponível conhecido como mirror. É a possibilidade de se “espelhar” os dados que passam por uma porta e copiar as informações, transmitindo uma cópia de todas as informações de uma porta para outra porta determinada pelo administrador do switch.

Dessa forma, por exemplo, quando um administrador de rede necessitar monitorar um tráfego de dados em uma determinada porta, ele faz o mirror da porta 1 do switch para a porta 2 e assim, rodando um sniffer (como o wireshark – aplicativo modo gráfico ou um simples tcpdump – ferramenta modo texto) obter as informações de tudo o que se passa na porta 1 do ativo de rede.

Em um ambiente corporativo, esse recurso disponível no switch gerenciável pode ajudar ao especialista em TI a resolver alguns problemas relacionado ao tráfego em si ou até mesmo servir como um recurso para monitoramento dos empregados dentro da empresa pois como todo o tráfego de dados será recebido pela porta espelhada (mirror), as conversas de chat, msn, navegação na internet, envio de e-mails e vários outras informações serão conhecidas pelo gestor de TI, a exceção daquelas informações que trafegam pela rede de forma criptografada (o que ainda é uma exceção em nosso cotidiano).

Outros benefícios também pode ser utilizados com um switch gerenciável dentro de uma empresa, como por exemplo, a criação e o roteamento entre VLAN’s, verificação de throughput, consulta de tabela ARP e muito mais.

Até a próxima!

Espionagem na Tecnologia: a sua vida está sendo “monitorada” há muitos anos

As revelações bombásticas de ex-analista contratado pela NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA), Edward Snowden, que deixou o EUA e foi-se refugiar na Rússia trouxe a discussão em todo o mundo a respeito do tema: Espionagem.

Já sabemos que o conhecimento é o ativo mais importante de uma empresa, assim como as pessoas que trabalham dentro dela. Uma informação sigilosa mal guardada, é passível de levar a quebra de uma empresa. Basta que um determinado projeto revolucionário seja de conhecimento do concorrente que pronto, o estrago já está feito.

Imagina então quando informações sigilosas de uma sociedade inteira está disponível para um determinado Governo? E pior, sem o consentimento e nem de conhecimento dos coitados cidadãos que acreditam que possuem algum tipo de privacidade nos dias de hoje, que tanto nos esbarramos nos verdadeiros “Big Brothers” nas ruas e nos estabelecimentos comerciais.

Não é a toa que diversos países e autoridades mundiais ficaram em uma saia justa quando determinados documentos oficiais foram divulgados para o mundo, principalmente através da organização, sem fins lucrativos, WikiLeaks. Diversos problemas diplomáticos surgiram com a divulgação de informações secretas. Espionagem?!

Vamos nos remeter ao nosso cotidiano e verificar se também não estamos passíveis de espionagem tecnológica sem ao menos termos noção desse “monitoramento” diário. Antes de tudo, posso afirmar com total convicção: se você usa a tecnologia no seu cotidiano, nem que seja para receber ou realizar ligações de celular, desculpe mas… você está sendo monitorado.

A telefonia de celular, pelo próprio nome que caracteriza a forma de funcionamento do serviço móvel de telecomunicação, que se utiliza de antenas transmissoras de sinal de celular (as chamadas ERB – Estações Rádio Base) para levar o sinal da telefonia ao seu aparelho telefônico.

É a comunicação do seu celular com as várias antenas de celular em sua cidade que permite você se deslocar entre os bairros e municípios, falando no celular sem que a ligação seja interrompida (conhecido como Roaming). Quando isso acontece (a queda de sinal e é um gerador de reclamação nos Procons Estaduais) é porque uma determinada região está fora da área de cobertura de uma dessas antenas.

Mas o que tem a ver o sistema de telefonia celular com a espionagem tecnológica? Vou explicar: o seu celular enquanto passa de antena a antena para garantir que tenha sinal eu seu aparelho, existe uma comunicação entre as antenas ERB e o seu celular. Com isso, todo os seu percurso e trajeto dentro da cidade, fica registrado no sistema informatizado da operadora de telefonia por onde você passar, por onde passou e onde você está nesse momento. Em qual antena ERB, qual latitude e longitude (geolocalização).

Ou seja, se você tiver inimigos dentro da operadora de celular e alguém, mesmo que de forma ilícita, quiser saber onde você se encontra, basta acessar o sistema interno da operadora e te localizar em qual antena seu celular está “conectado”, ou melhor, recebendo o sinal de celular. Isso não é espionagem?

Não vamos muito longe. A navegação na internet é rica em rastros deixados no computador para indicar quando você acessou determinados sites, quais assuntos você frequentemente pesquisa no Google e assim, as empresas conseguem traçar o seu Perfil Econômico para divulgar produtos e serviços que tendem a se encaixar nas suas preferências.

Alguns vão falar que basta não aceitar os “cookies”, realizar a navegação privativa e outros recursos que dificultam essa “espionagem eletrônica”. Certíssimos! Mas convenhamos, esse procedimento de navegação é o padrão de todos internauta conectado na internet?

Claro que não! Você usa o gmail, hotmail, ou outro webmail gratuito? Já percebeu que os anúncios que aparecem em sua caixa postal ou dentro da plataforma do webmail, em forma de banners, são de produtos ou serviços que encaixam nas suas preferências pessoais ou profissionais?

Por exemplo, no gmail recebo anúncios de softwares, equipamentos de informática, ferramentas, etc. Como o gmail sabe disso? Bola de cristal? Nada, nesse caso, basta um algorítmico no webmail do gmail para percorrer os meus e-mails recebido e enviados e realizar uma indexação das palavras mais trocadas nos e-mails para se montar um perfil meu e assim, oferecer os produtos que mais tenho falado em meus e-mails.

O caso que mais chamou a atenção na mídia é os EUA gravarem todas as suas conversas que um dia você teve no Skype, MSN e outros meios. O servidor principal dessas plataformas ficam onde mesmo? Quando você loga, a sua base de dados com o seu cadastro na rede social está aonde? Em um servidor no Brasil? Claro que não. Está lá, na terra do Tio Sam.

Basta o Governo americano suspeitar de uma mensagem sua para você ser monitorado 24h. Se tiver conteúdo de terrorismo então, nem pense nas consequências. Aí que a espionagem acontecerá mesmo.

Ainda no Gmail, você pode perceber que as informações de quem acessa a sua conta e de qual IP você conectou o seu gmail, está tudo disponível para eles. Quer ver? Entre na sua conta do Gmail e ao final da página da caixa de entrada, no canto direito inferior da tela, procure por “Details” (“detalhes” para quem usa o tema em português – Brasil). Ficou surpreso? Olha a lista dos IP’s de onde você estava para entrar na sua conta, a data, a hora, a versão no navegador… Se você tem a informação é porque eles também tem. E pior, desde de quando você criou a sua conta.

Poderia dar inúmeros exemplos aqui mas eu só quero levar ao debate que não podemos nos surpreender quando alguém falar que estamos sendo espionados na internet. Já abrimos há muito tempo mão da privacidade em nome da comodidade (no casos de ter uma conta de e-mail sem pagar em troca do servidor saber o que eu gosto e o que eu ando fazendo).

Tem gente que se inscreve para determinados programas de televisão para expor toda a sua intimidade em troca de dinheiro. O que esperar então da tecnologia?

Só nos resta uma coisa: ter cuidado com aquilo que ainda temos controle porque de resto, o que você achava que era só seu, já faz parte da internet (e de todos) há muito tempo.

Até a próxima!

Algumas competências que todo profissional de Segurança da Informação deveria ter

Em um mercado competitivo e dinâmico, o profissional de tecnologia precisa se atualizar constantemente com as novas tecnologias que surgem para evitar ficar desatualizado e perder boas chances de trabalho por falta de qualificação técnica.

Entretanto, algumas competências profissionais não são necessariamente ligadas à tecnologia em si. São habilidades necessárias para um bom desenvolvimento do trabalho ligado a Segurança da Informação.

Por exemplo, é de suma importância que as pessoas que queiram trabalhar com segurança da informação saiba identificar o problema de segurança e tratá-los. Não adianta encontrar uma falha e não ter a menor ideia de como resolver. Encontrar a falha não quer dizer problema resolvido. Muitas pessoas passam com os olhos pelo problema e nem desconfiam qual é a origem da falha por simplesmente desconhecer alguns preceitos básicos da área, como atualizações, hotfix e fóruns especializados.

Nesse mercado, é importante resolver vulnerabilidades no menor tempo possível (logicamente quando as soluções são compatíveis com o que se espera) para evitar prejuízos maiores. Todavia, é necessário ter a competência de analisar se uma solução sugerida serve para determinadas falhas encontradas.

Outra competência básica para um profissional de segurança da informação é ter conhecimento das normas/procedimentos que regem determinadas áreas, como ABNT, SOX, RFC, etc. Dependendo do mercado que o profissional irá atuar, a empresa como um todo tem que atender as exigências de uma determinada norma. Por exemplo, as empresas bancárias/financeiras para entrar na bolsa de valores americana, devem seguir a norma SOX (Lei Sarbanes-Oxley).

Nessa norma, exige-se a criação de mecanismos de auditoria e controle de segurança confiável nas empresas, incluindo a criação de comitês internos para minimizar os riscos aos negócio, mantendo um controle nas operações e atividades da empresa, garantindo a rastreabilidade de qualquer ação realizada em seus sistemas e processos internos.

Executar constantes testes de segurança nos sistemas internos da empresa e emitir um laudo sobre a situação atual é dever inerente para quem trabalha nessa área. É através dos relatórios do resultado de testes de vulnerabilidade é que o profissional poderá tomar determinadas ações ou pelo menos planejar como e quando agir.

Não se pode esperar pelo pior (como a invasão dos sistemas ou paralisação total dos serviços) para entrar em ação. A inércia é um fator determinante para o fracasso de uma organização em relação as questões de segurança da informação pois dependendo do problema encontrado, o trabalho para correção pode ser inviável e aí, as consequências negativas graves serão inevitáveis.

É necessário a criação de procedimentos de investigação e busca de evidências para situações que exijam uma intervenção mais técnica e profissional para levantar a autoria de determinadas situações, algumas delas até criminosas. O ato de um funcionário apagar arquivos sigilosos da empresa ou alguma informação ser repassada para terceiros (sem ter autorização ou mediante suborno), é necessário investigar e chegar na autoria desse crime.

Com procedimentos claros e objetivos, o tempo para executar o processo de investigação será menor pois as ferramentas, o “onde” e “como” procurar está todo descrito no procedimento e que o profissional de segurança da informação saberá exatamente como agir nesses casos.

Com isso, percebemos que não é só de tecnologia que devemos saber quando falamos sobre segurança da informação. Algumas competências intrínsecas ao perfil desse funcionário devem ser atendidas para que a real segurança da informação não fique apenas no nome do cargo, e sim, na atividade fim.

Até a próxima!

A Importância do uso de uma Real-Time Blackhole List dentro de uma organização corporativa

O desenvolvimento da informática faz com que as empresas se automatizem cada vez mais nos seus processos internos, trazendo inúmeros benefícios para os empresários e para os seus funcionários. Essa automatização tem um papel fundamental no sucesso do negócio pois a concorrência no mercado é tão grande que se o empresário não souber gerir direito o seu empreendimento, estará fadado ao fracasso financeiro ou perder grandes clientes por falta de agilidade e competência.

Agregado a otimização, a empresa necessita divulgar o seu produto/serviço no mercado para conseguir alcançar o consumidor final para que ele compre ou pelo menos tome ciência do que está sendo comercializado. Essa divulgação nada mais é do que a realização da publicidade do produto, uma técnica utilizada no marketing que tem como objetivo de criar ou mudar os hábitos do consumidor para levá-los a adquirir o que se está ofertando.

E com isso, podemos observar a utilização de uma das estruturas do Marketing (conhecidos como os 4 P’s – Produto, Preço, Ponto de Vendas e Promoção) que é a promoção do produto, um esforço persuasivo de comunicação a respeito da organização como forma de comunicação promocional comumente utilizada pelas empresas e organizações para se comunicarem com o seu mercado.

Entretanto, o que temos visto ultimamente é a utilização de ferramentas de promoção em massa que se contrapõe à venda pessoal, abusando excessivamente de envio de e-mails promocionais diários sobre o mesmo produto/serviço, ocasionando em um recebimento e envio de milhares de e-mails de divulgação para toda a parte do mundo.

A consequência imediata desse uso de divulgação em massa é o trânsito de milhares de mensagens virtuais trafegando na internet e muito desses e-mails acabam só fazendo volume desnecessários nas caixas postais dos destinatários, que nem sempre possuem o perfil do consumidor relacionado ao produto em questão.

Esses e-mails indesejáveis que acabam poluindo as caixas postais dos usuários são conhecidos como spam. Para uma empresa, é perda de tempo e produtividade ficar deletando esses spam pelos seus funcionários, que gastam minutos preciosos de produção para simplesmente limpar a sua caixa postal com mensagens virtuais promocionais. E o pior que o recebimento desse tipo de e-mail se repete todos os dias e se não tiver uma solução adequada, seria o mesmo que secar o gelo com toalha de papel.

Uma forma de minimizar esse impacto na organização, é fundamental que os profissionais de TI configurem em seus servidores de e-mail o uso do Real-Time Blackhole List, que são listas “negras” de IP (endereços ip de computador) gerados por organizações internacionais relacionando os computadores que geram spam na internet.

Cada órgão tem o seu critério para inserir ou remover da lista os endereços IP suspeitos de enviar spam pela internet. Quando queremos que o nosso servidor de e-mail, dentro da empresa, consulte uma dessas lista para verificar se o IP de origem é um spam conhecido, o servidor tem que está configurado para buscar o ip do servidor de origem na Blacklist (lista negra) informada nas configurações de nosso servidor corporativo. Caso esteja cadastrado, o seu servidor de e-mail irá ignorar a conexão e assim, sua caixa postal corporativa não receberá o tal temível spam.

Agora, se você quer utilizar uma outra forma de controlar o recebimento de spam (e que dá mais trabalho) é fazer com que, por padrão (default), o seu servidor de e-mail negue todas as conexões de servidores de origem e somente receberá o e-mail origem após o seu servidor de e-mail consultar uma Whitelist (lista branca) onde constará o IP dos servidores de e-mail de origem que não são conhecidos como spam.

Eu não aconselho utilizar a técnica do whitelist porque basta uma oportunidade do servidor “legítimo” que se encontra nesse tipo de lista branca enviar um spam para que a sua empresa receba o e-mail indesejável. Se você pesquisa em uma lista negra antes de receber um e-mail, é mais provável a recusa de um servidor que você nunca teve contato pois esse servidor de spam basta entrar na lista negra que automaticamente o seu servidor de e-mail começará a recurar o recebimento de e-mails dessa origem.

Já na lista branca, um servidor que antes não era classificado como spam e agora passa a ser, você como administrador de TI vai ter que retirar da lista branca manualmente para que impeça o recebimento de e-mails.

Portanto, a importância no uso de uma lista de consulta em tempo real de possíveis servidores como spam, torna o processo de recebimento de e-mails mais otimizado e diminui o risco das caixas postais corporativas ficarem repletas de mensagens indesejáveis. Claro que alguns desses e-mail vão ser entregues mas como sabemos, nada na informática é possível ter 100% de êxito.

Segue abaixo alguns exemplos de listas RBL para se configurar no seu servidor de e-mail:

Você também pode pesquisar manualmente se um determinado IP está em alguma lista negra. Acesse o link abaixo e digite o IP suspeito:

Até a próxima!

O Papel do Security Officer

Existem desafios que todo profissional designado para a função executiva de gestor de segurança da informação deve conhecer, enfrentar e superar. Evidentemente, sempre considerando o porte da organização e as características do negócio pois muita das vezes, o profissional deseja implementar vários controles de segurança mas ficará impedido pelo alto valor do investimento.

O Security Officer tem que ser o mediador, orientador, questionador, analisador de ameaças, impactos e consequentemente responsável por um estudo de viabilidade para cada situação e etapas a serem impostas, na esfera das estratégias de análise dos riscos. Afinal, ele estará envolvido com os diversos setores da organização, receberá e emitirá opiniões sobre as atividades desenvolvidas e a forma de como assegurar a segurança das informações.

Segundo Mário César Peixoto, o Security Officer não deixa de ser um engenheiro social do bem, devido a ter que conhecer suas técnicas, seu modo de agir, enfim, o perfil com atitudes e suspeitas de que esteja deparando com um ataque da Engenharia Social. O Engenheiro Social é o profissional que utiliza a boa vontade das pessoas em querer ajudar para obter todas as informações importantes e confidenciais de uma instituição, para futuramente, promover algum tipo de ataque à organização.

O papel do Security Officer é ser mais uma poderosa ferramenta para ajudar na diminuição de pontos vulneráveis que possam mais tarde se tornar ameaças crônicas, resultando em impactos sérios e as vezes irreparáveis, principalmente se as consequências da ações descontinuarem o negócio da empresa.

Esse profissional tem que está ciente que seu objetivo é fazer segurança pois é o responsável pela execução do processo de segurança da informação. Ele tem que garantir que os requisitos de segurança existem, são de conhecimento dos envolvidos e são cumpridos ao longo do tempo.

Uma das responsabilidades do Security Officer dentro de seu papel é definir a abordagem estratégica que vai adotar para a organização, em que necessariamente tem que estar alinhada às normas e procedimentos éticos da corporação, definir a forma de atuação do grupo de segurança, ter por base as normas e melhores práticas do mercado, proteger os recursos de informação, definir os controles para as novas iniciativas do negócio e acompanhar a eficácia da proteção ao longo do tempo.

Realmente não é tarefa fácil elaborar e executar um plano de Segurança da Informação, mas é possível na medida em que se conheçam verdadeiramente os negócios da empresa, tendo a liberdade de propor novos planos à Diretoria. Não adianta somente propor solução, tem que se preocupar em evitar a descontinuidade do negócio antes de ocorrer qualquer tipo de incidente de segurança.

Entende-se então que não existe uma solução padrão para ser aplicada em todas as empresas e sim, planos personalizados conforme a necessidade de cada organização. Não se podem copiar procedimentos e normas de segurança de uma instituição corporativa e implantar em outro lugar. Cada local possui seu próprio negócio, seus ativos da informação e os objetivos são completamente distintos, o que leva sempre a criação de procedimentos exclusivos para o planejamento da segurança da informação de cada segmento empresarial.

O Security Officer tem que criar uma política de segurança da informação em que a política reflete a filosofia da organização sobre o assunto segurança, que deve ser de fácil lembrança e deve informar as regras básicas que precisam ser seguidas. As normas e os procedimentos tratarão do detalhamento e de como executar esses controles.

O sucesso do processo de segurança da informação depende do nível do comprometimento dos usuários. As pessoas precisam entender da necessidade de proteção da informação e também precisam ser treinadas para fazer corretamente essa proteção. Nesse momento, o próprio Security Officer tem que está preparado e firme em suas decisões para que no futuro, determinadas ações cometidas pelos usuários não entrem em conflito com a postura do profissional de segurança da informação.

A proteção da informação atua sobre um leque abrangente de assuntos, situações novas e recentes tecnologias. Algumas vezes, o Security Officer não saberá detalhes de como normatizar determinadas coisa, mas deve saber contar com a colaboração de especialistas no assunto para implantação adequada.

Além desses desafios, o profissional de segurança da informação deve ter, pelo menos, duas características básicas: amar o que faz e ser ético. Com essas características e complementando com profissionalismo, o processo de segurança da informação existirá de uma forma efetiva na organização.

Resumidamente, o papel do Security Officer é ser responsável pela coordenação dos processos inerentes à segurança da informação. Onde este “chefe” de segurança junto com um plano diretor de segurança, tomará os devidos cuidados quanto ao tratamento de dispor e descartar informações baseando-se nas políticas de segurança impostas e estruturadas conforme as necessidades que cada organização tem em particular.

Fonte:

PEIXOTO, Mário César Pintaudi.Engenharia Social e Segurança da Informação. Ed. Brasport: Rio de Janeiro, 2006.

A Visão Corporativa da Segurança da Informação

Na sociedade contemporânea, ao mesmo tempo em que as informações são consideradas os principais patrimônios de uma organização, estão também sob o constante risco. A sua perda ou roubo constitui um prejuízo para a organização e é um fator decisivo na sua sobrevivência ou descontinuidade.

A informação é um recurso que não se deteriora nem se deprecia facilmente, é reutilizável e tem seu valor determinado exclusivamente pelo usuário. A informação só se perde quando se torna obsoleta, quando não há o devido cuidado, é um tipo de recurso útil às organizações e precisa ser administrado.

O propósito básico da informação é o de habilitar a empresa a alcançar seus objetivos pelo uso eficiente dos recursos disponíveis, nos quais se inserem pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, dinheiro, cultura, além da própria informação. Esse conjunto tem que está alinhado aos objetivos da organização.

O que aconteceria se uma empresa perdesse todas as informações relativas aos seus clientes, fornecedores ou mesmo sobre os registros funcionais de seus empregados? As consequências seriam enormes, acarretando em prejuízos financeiros ou até mesmo, a descontinuidade do negócio.

Para garantir a segurança da informação de qualquer empresa, é necessário que haja normas e procedimentos claros, que deverão ser seguidos por todos os usuários da empresa. A maior dificuldade das grandes organizações é assegurar que todos os seus funcionários conheçam e sigam corretamente as normas e políticas de segurança, entendendo a sua importância.

A utilização de controles de segurança para garantir o adequado acesso aos programas, arquivos de dados, aplicações e acesso a rede deve ser rigorosamente tratada pelos gestores de todas as áreas da organização e, principalmente, pela alta administração. Não se pode deixar que os mecanismos de segurança fiquem sem um responsável pela coordenação e eventual responsabilização pelos eventuais incidentes de segurança que possam a vir ocorrer.

Quando se pensa em Segurança da Informação, a primeira ideia que vem em mente é a proteção da informação, não importando onde ela esteja. Um sistema computacional é considerado seguro se houver uma garantia de que é capaz de atuar exatamente como esperado.

Porém, a segurança é um conceito amplo. Espera-se que informação armazenada em um sistema computacional permaneça guardada sem que as pessoas tenham acesso ao seu conteúdo, ou seja, é a expectativa de qualquer usuário que as informações estejam em local adequado, disponíveis no momento desejado, que sejam confiáveis, corretas e permaneçam protegidas contra acessos indesejáveis.

Tem sido prática comum do mercado, as organizações passarem a considerar o ambiente externo, com suas oportunidades e ameaças assim como o ambiente interno, com as forças e fraquezas em relação à organização. Considerando todos os riscos possíveis, é necessário um planejamento estratégico de segurança para minimizar os impactos na organização.

Como resultado, estabelece-se estratégias de atuação de longo prazo que, para sua eficiente obtenção, devem ser divididos em objetivos de curto prazo e distribuídos em suas linhas de processos, como por exemplo, em desenvolvimento de sistemas, gerenciamento de operações e comunicações, segurança ambiente e física, continuidade de negócios dentre outros citados na ISO/IEC 27002 (antiga NBR ISO/IEC 17799).

Faz-se necessário realizar ações que mapeiem e identifiquem a situação atual na instituição, seja ela pública ou privada, suas ameaças, vulnerabilidades, riscos, sensibilidades e impactos, a fim de permitir o adequado dimensionamento e modelagem da solução.

O primeiro passo a ser observado é que não existe risco zero. O que existe são vários níveis de segurança e cada nível tem que está de acordo com a informação que se quer proteger e a natureza do negócio da empresa. Um alto nível de segurança pode gerar a perda da velocidade em função da burocratização de processos, insatisfação de clientes, fornecedores e até mesmo desinteresse dos investidores.

Em qualquer empresa, isso deveria ser levado literalmente ao pé da letra, mas não é o que acontece. Desprezam, ignoram, fazem corpo mole, adiam sempre para uma data que nunca chega, esperando assim até que um incidente um transtorno ou algo parecido que traga um impacto quase que irreversível, um verdadeiro choque para que enfim, enxerguem de verdade que segurança da informação não é uma despesa e sim um investimento obrigatório.

Fontes:

– SÊMOLA, M. Gestão da Segurança da Informação, Uma Visão Executiva. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003

– FERREIRA, F. N. F.; ARAÚJO, M. T. Política da Segurança da Informação: Guia Prático para Elaboração e Implementação. 1. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006.