Segurança da Informação: Questões que englobam a Autenticação


A necessidade de se garantir que determinadas informações sigilosas ou confidenciais não sejam de conhecimento de terceiros sem a devida autorização, está levando diversas empresas a investir mais em segurança da informação. Em um mercado competitivo, é preciso um mínimo de cuidado especial com o principal ativo da empresa: a informação.

Atualmente, os bancos estão desenvolvendo cada vez mais uma nova forma de acesso do correntista à sua conta bancária de forma segura evitando ao máximo a ação dos criminosos eletrônicos. Entre algumas medidas adotadas por algumas instituições bancárias está o uso de dispositivos de segurança (Token) para aumentar o nível de segurança aos correntistas e evitar as fraudes bancárias contra os usuários desatentos que acreditam está navegando no site oficial do seu banco quando na verdade não estão.

Entre os pilares da Segurança da Informação está a Autenticação. O grande desafio para a promoção da segurança da informações dentro da autenticação é provar que o usuário/sistema é realmente quem diz ser.

O usuário quando tenta acessar a sua conta de seu banco, é preciso comprovar para o seu banco que realmente ele é o titular da conta corrente acessada. A necessidade de se autenticar no banco é para garantir ao banco que a pessoa que diz ser é a que possa ter acesso as informações bancárias sigilosas e evitar que terceiros tenham acesso a essas informações.

Principalmente quando esse acesso não é efetuado dentro da agência de forma pessoal, e sim pela internet, o cuidado ainda é maior pela imensidão que é a internet e a origem do acesso à conta é mais amplo, podendo o correntista tentar o acesso de qualquer parte do mundo.

Por outro lado, o correntista precisa ter a certeza que o sistema que ele está tentando acessar realmente é o banco de sua conta para evitar passar as informações confidenciais como número da conta e senha de acesso para os criminosos. É comum as pessoas acessarem os sites de banco em Lan House ou em computadores de terceiros, cujo a utilização do computador é compartilhado por várias pessoas.

Na autenticação, que é um ponto crítico de qualquer sistema de segurança, é intrínseco existir a identificação do titular visto que o acesso garantido ao sistema é uma garantia (ou deveria ser) que somente a pessoa que tem o acesso poderia se autenticar, logo, quem autentica se identifica. Mas sabemos que não é uma verdade essa lógica.

Um descuido ou o vazamento das informações necessárias para se autenticar em um sistema coloca em xeque a identificação. Isso ocorre quando utilizamos um único método de checagem das informações para permitir a liberação do acesso das informações confidenciais.

É necessário que o sistema de autenticação possibilite o uso de mais de um método de autenticação para aumentar o nível de segurança e garantir a identificação mais real do titular da conta.

Um método para realizar a autenticação: é enviar algo que você sabe: um login e senha (conta corrente, agência e senha de autoatendimento – no caso de conta bancária). Entretanto, não precisamos lembrar que muitos usuários colocam essas informações atrás do próprio cartão do banco, embaixo do teclado, no monitor, etc.

Além de enviar algo que você sabe, poderia ser usado algo que você tem: um dispositivo de identificação ou SmartCard. São conhecidos como Token, aqueles dispositivos que geram uma sequência numérica diferente a cada botão pressionado e que só tem validade geralmente por 30 segundos. Útil para forçar a segurança em casos em que o login e a senha foram descobertos mas ainda é necessário informar algo que se tem para continuar com a autenticação e nesse caso, somente quem possuir o dispositivo poderia comprovar a sua identidade.

E ainda sim, além de se utilizar as formas acima citadas, em combinação, algumas soluções permitem trabalhar com algo que você é: através da leitura de biometria (impressão digital) ou leitura da retina ou até mesmo a leitura da palma da mão. Essa forma de informação seria a mais difícil de ser burlada e a autenticação teria um alto grau de confiabilidade.

Trabalhando a autenticação com esses três métodos, é quase que certo que a autenticação realizada terá a sua identificação também validada uma vez que dificilmente os criminosos poderão utilizar todos os três métodos para fraudar um acesso autenticado.

Contudo, ainda sim, não se pode garantir a identidade de quem está acessando pela mera informação enviada pela internet do que se sabe e do que se tem. Afinal, quantas pessoas não emprestam o seu cartão de crédito para amigos e junto, emprestam a senha? Assim vale para o cartão do plano de saúde, do cartão do banco (junto com o token), etc.

Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s