Google: a arte de aprender ou simplesmente “Copiar, Colar”?


O mundo gira em torno de dados que após devidamente interpretados vão gerar uma informação. A questão é como essa informação é utilizada ou absorvida pelas pessoas, que pode virar um conhecimento ou simplesmente continuar sendo uma informação que será replicada sem ocasionar em nenhum benefício para o portador da informação.

Os nossos antepassados devem está se remoendo nos túmulos quando falamos que não pesquisamos mais informação em bibliotecas, livros ou outro meio de pesquisa mais concreto e palpável. Pode ser que algumas pessoas prefiram realmente realizar o seu estudo lendo bons livros ou visitando uma boa biblioteca mas podemos afirmar que é uma minoria.

Nas próprias bibliotecas é muito difícil manter um acervo atualizado, com dados recentes ou uma pesquisa que foi realizada no mês passado pelo IBGE, por exemplo. A velocidade de atualização dos livros de uma biblioteca fica muito além da velocidade de hoje onde as informações são transmitidas na internet.

Hoje, você já encontra coleções e enciclopédias sendo ofertadas no comércio eletrônico assim que saem das editoras ao passo que nas bibliotecas tradicionais, normalmente a atualização é realizada a cada ano, até porque é necessário realizar uma pesquisa para saber quais os livros são necessários atualizar com urgência e temos o fator custo, que impede que uma biblioteca seja atualizada o seu acervo mensalmente.

A necessidade pelo conhecimento nos faz partir em busca da informação e nos dias atuais, a melhor fonte que temos e conhecemos é a Internet, mais precisamente o Google, por muitos chamados de “Santo Google”.

A questão é: como utilizar o conhecimento adquirido como fonte primária da informação o Google? Quando falo do conhecimento adquirido é a pesquisa realizada nesse site de busca e após a leitura de uma determinada informação, ocorreu uma absorção do conteúdo e assim, a utilização do conhecimento é válido para replicar o conhecimento ou simplesmente sintetizar em um trabalhoO mundo gira em torno de dados que após devidamente interpretados vão gerar uma informação. A questão é como essa informação é utilizada ou absorvida pelas pessoas, que pode virar um conhecimento ou simplesmente continuar sendo uma informação que será replicada sem ocasionar em nenhum benefício para o portador da informação.

Os nossos antepassados devem está se remoendo nos túmulos quando falamos que não pesquisamos mais informação em bibliotecas, livros ou outro meio de pesquisa mais concreto e palpável. Pode ser que algumas pessoas prefiram realmente realizar o seu estudo lendo bons livros ou visitando uma boa biblioteca mas podemos afirmar que é uma minoria.

Nas próprias bibliotecas é muito difícil manter um acervo atualizado, com dados recentes ou uma pesquisa que foi realizada no mês passado pelo IBGE, por exemplo. A velocidade de atualização dos livros de uma biblioteca fica muito além da velocidade de hoje onde as informações são transmitidas na internet.

Hoje, você já encontra coleções e enciclopédias sendo ofertadas no comércio eletrônico assim que saem das editoras ao passo que nas bibliotecas tradicionais, normalmente a atualização é realizada a cada ano, até porque é necessário realizar uma pesquisa para saber quais os livros são necessários atualizar com urgência e temos o fator custo, que impede que uma biblioteca seja atualizada o seu acervo mensalmente.

O que normalmente ocorre quando a maioria das pessoas fazem as suas pesquisas no Google para encontrar um assunto e depois repassar para alguém, seja ao professor um trabalho escolar ou ao chefe para demonstrar a solução de um problema, raramente é mencionado a fonte da solução. Em melhores palavras, o nome do autor!

Logicamente existem pessoas que pesquisam no “Santo Google” e após encontrar o que procuram, conseguem sintetizar a ideia ou simplesmente aprender o conteúdo realizando uma síntese do material encontrado, uma espécie de resumo que pode ser através de registro de tópicos, para aqueles que tem maior habilidade em memorização.

Os professores recebem a cada dia, trabalhos de pesquisa realizados pelos seus alunos que dão uma demonstração certa do ato “Copiar, Colar”. Eles nem dão ao trabalho de mudar as palavras, acrescentar conteúdo e alguns, menos atenciosos, esquecem de remover o nome do autor no fim do trabalho ou não sabem remover o nome de quem fez o trabalho que se encontra no rodapé da página.

A internet trouxe muita agilidade em nossa vida, proporcionando uma forma de aprender conteúdos novos e muita das vezes sem precisar pagar pela informação. Logicamente que devemos nos preocupar com a fonte da informação que estamos tendo acesso pois o que nem sempre o que circula na internet tem a sua veracidade confirmada.

Pode-se separar o processo de aprendizagem em dois momentos: antes do Google e depois do Google. Após a criação do Google, a indexação dos sites na internet possibilitou economizar tempo na busca da informação mas não necessariamente trouxe aprendizado. Quem copia e cola, sem nem ter o trabalho de ler o que está fazendo, não vai ter contato com a arte de aprender com o Google.

E você, conhece quem foi Stan Laurel e Oliver Hardy?

Vai pesquisar para aprender ou simplesmente “Copiar, Colar”?

Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s