Perícias com software livre – Parte 2


No primeiro momento, muitos peritos podem achar esse procedimento muito difícil de ser executado pois estão acostumados a utilizar ferramenta forense no ambiente gráfico, estilo o sistema operacional Windows e não rodar aplicativos por linha de comandos em que o usuário do sistema precisa digitar o comando. Porém, nem todos os casos envolverão sistema Windows e portanto, é aconselhável que os profissionais na área forense estejam preparados para exercer o trabalho de perito em qualquer ambiente operacional.

Pensando nessa dificuldade, vários projetos surgiram ao longo do tempo para facilitar o trabalho do perito forense que utiliza o software livre como ferramenta para análise de dados e busca de evidências. Algumas comunidades tecnológicas juntaram as principais ferramentas forense e agregaram em uma distribuição Linux que tinha como objetivo o desenvolvimento de tarefas forense, otimizando os recursos e facilitando o serviço do perito. Dessa forma, com apenas um CD (Compact Disc) contendo as principais ferramentas, diminui o risco de perder alguma informações por algum descuido do profissional no momento de duplicar um disco ou procurar por evidências pois como as ferramentas estão em um CD, não há o perigo de danificar o sistema operacional Linux instalado no computador suspeito, que não é executado nesse processo e sim o sistema operacional do CD.

Uma dessas distribuições forense criado com essa finalidade e muito utilizada é o Helix. É uma distribuição baseada no Ubuntu (tipo de distribuição do Linux) dedicada à investigação ou computação forense que foi modificada para que não alterasse nenhuma informação do sistema operacional do investigado. A vantagem de usar uma distribuição como o Helix é que no momento da etapa de investigação, não importa qual sistema operacional está instalado no computador suspeito pois o sistema utilizado para iniciar os trabalhos é o da própria distribuição. 1

Um projeto de conclusão de curso sobre computação forense, na Itália, originou outra distribuição forense baseada em Linux chamada CAINE. Nessa distribuição, as ferramentas forense estão organizadas por módulos e oferecem muitos programas com designer gráfico, facilitando o uso do programa pelo profissional. Algumas rotinas escritas em uma linguagem de computação estão presentes para facilitar o exame dos dados encontrados, utilizando como interface para o usuário um simples navegador de internet, como o Firefox, por exemplo.2

Também como resultado de um trabalho de conclusão de curso em segurança da informação em uma universidade no Rio Grande do Sul, o FDTK-Ubuntu é um projeto livre com a finalidade de reunir e manter uma distribuição para coleta e análise de dados em perícias forense. O FDTK (Forense Digital Toolkit) pode ser instalado no computador tornando-o uma estação forense. Prática essa adotada por peritos que preferem tornar um notebook um equipamento forense por ser leve, prático e móvel, facilitando o trabalho da investigação forense.3

Outra distribuição criada na Itália é o DEFT-Linux com o objetivo de auxiliar os investigadores e profissionais especializados em realizar uma análise forense em um computador, seja ele baseado em sistema operacional Windows ou Linux. Apesar da distribuição está toda em italiano, em breve surgirá nova versão em outros idiomas.4

Existe uma distribuição Linux que possui algumas ferramentas forense mas não é o objetivo principal da distribuição, o BackTrack5. É conhecido como a distribuição Linux para hackers, denominação dada pela mídia para aqueles indivíduos cujo propósito é meramente invadir sistemas ou equipamentos eletrônicos, burlando as normas impostas. Na realidade, hackers são pessoas com conhecimento aprofundado sobre um determinado assunto que possibilitam modificar software e hardware.6

O BackTrack é na realidade uma distribuição utilizada para realizar testes de penetração nos sistemas e verificar a integridade dos mesmos. Porém, existem algumas ferramentas dentro da distribuição que podem ser utilizadas pelo perito como apagar dos dados de uma mídia de armazenamento de dados de forma segura, criar uma imagem de um disco rígido em outro dispositivos, entre outros.

Contudo, apesar de existirem diversas distribuições com sistema operacional e ferramentas específicas para serem utilizadas nas etapas que envolvem uma investigação forense, o perito pode modificar e agregar valor a uma distribuição específica pois como são distribuições Open Source, cada profissional é livre para modificar e deixar os programas do seu jeito de trabalhar

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s