Câmera Panono tira fotos panorâmicas no estilo “Google Street View”

camera_ball

Desenvolvida por alemães, a câmera Panono tira fotos panorâmicas no estilo “Google Street View”. Ela consiste em uma esfera com 11 cm de diâmetro que é acionada quando jogada para o alto. O dispositivo, então, tira 36 imagens, as reúne e envia para o aplicativo da câmera em um smartphone via Bluetooth. O projeto está sendo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Técnica de Berlim, na Alemanha, desde 2011 e atualmente a Panono está à venda na plataforma de financiamento coletivo Indiegogo por US$ 499 (cerca de R$ 1.200).

Fonte: UOL Tecnologia

Ladrões usam pen drives para assaltar caixas eletrônicos

Eu li uma matéria na BBC Brasil que me chamou muito a atenção e precisamos ficar atentos para que esse tipo de ataque não seja “importado” pelos criminosos Brasileiros.

Os detalhes dos ataques, realizados contra caixas de um banco europeu cujo nome não foi divulgado, foram apresentados no congresso Chaos Computing, em Hamburgo, na Alemanha, que debateu crimes cibernéticos.

Os dois pesquisadores que detalharam os ataques pediram que seus nomes tampouco fossem divulgados.

Segundo eles, esse tipo de ataque começou a ser aplicado em julho, depois de o banco notar que vários de seus caixas eletrônicos estavam sendo esvaziados apesar do uso de cofres para proteger o dinheiro dentro das máquinas.

Depois de um aumento na vigilância, o banco descobriu que os criminosos estavam vandalizando as máquinas para usar os pen drives infectados com o malware (software destinado a se infiltrar em um computador).

Uma vez que o malware fosse transferido para a máquina, eles fechavam o buraco aberto para a entrada do pen drive. Desta forma, um mesmo caixa eletrônico poderia ser atacado várias vezes.

Códigos

Para ativar o código na hora em que quisessem, os criminosos digitavam uma série de 12 dígitos que lançava uma interface especial.

Análises do software instalado em quatro caixas eletrônicos atacados demonstraram que as máquinas infectadas mostravam não apenas a quantidade de dinheiro disponível em seu cofre, mas também quais as notas disponíveis e um menu com as opções de escolha das notas.

Segundo os pesquisadores, isso permitia que os criminosos pedissem a liberação das notas de valor mais alto para minimizar o tempo em que eles ficavam no caixa eletrônico, se arriscando a serem flagrados.

Os pesquisadores que revelaram esse novo tipo de crime cibernético também notaram outro aspecto: os criminosos que usam esse tipo de malware pareciam temer que membros da própria gangue agissem por conta própria.

Por isso, para a liberação do dinheiro no caixa eletrônico, o criminoso precisa digitar um segundo código, que varia a cada vez que o software é usado.

O criminoso só pode obter esse segundo código ligando para outro membro do grupo e descrevendo a ele os números que são mostrados na tela do caixa eletrônico no momento do crime.

Sem isso, o caixa eletrônico volta ao normal depois de três minutos, como se não tivesse sido atacado.

Os pesquisadores afirmaram que o código do malware usado nos caixas eletrônicos é muito difícil de analisar.

Fonte: BBC Brasil

A tecnologia já virou o “melhor amigo” dos seus filhos

Brincadeiras de tabuleiro, bolinha de gude, corrida de tampinha, carrinhos de rolimã… para muitos isso ficou no passado bem distante e seus filhos não terão ou não se sentirão motivados a ter contato com essas brincadeiras. Pelo menos para aqueles que ganharam diversos brinquedos eletrônicos repletos de tecnologia e movimentos sensoriais.

Essa é a realidade em que os nosso filhos nos dias de hoje estão passando, trocando os velhos e reais “amigos” da vizinhança por brinquedos eletrônicos. Nesse meio, estamos falando de videogames de última geração, tablets, smartphones, bonecas que andam e “fazem” as suas necessidades fisiológicas, imitando o nosso cotidiano e tantos outros mais.

Não que isso seja uma situação negativa, muito pelo contrário, muito desses brinquedos estimulam a coordenação motora, o raciocínio lógico e outras consequências dessa modernidade.

Entretanto, assim com eu que sou pai, estamos observando uma tendência natural dos filhos optarem por brincarem com a tecnologia ao invés de chamar um colega para dividir o momento de diversão com brinquedos manuais ou os chamados brinquedos “sem tecnologia”.

Uma bola de futebol é muito das vezes trocada por um jogo de futebol no videogame, onde diversas partidas do jogo são realizadas sem ocorrer o cansaço físico de seus jogadores. É bem nítido que essa situação vem ocorrendo com uma certa frequência e velocidade ao longo do tempo. São os tempos da modernidade.

A criação das redes sociais aumentou ainda mais essa aproximação da tecnologia nas crianças, acreditando que o número de pessoas adicionadas em sua rede social é visto por seus amigos como interessante, passando a entender que você é uma pessoa bem relacionada e assim, pode a vir a ser um novo amigo de pessoas desconhecidas com uma certa facilidade.

Enfim, em um mundo em que a cada dia estamos nos comunicando através de videoconferências, jogos eletrônicos com detecção de movimento e tablets, nosso filhos estão aprendendo a nova forma de se relacionar com a pessoas, de forma eletrônica e ao mesmo tempo, elegendo a tecnologia como o seu melhor amigo.

Até a próxima!

Gestão em TI: O processo em decidir por um estagiário ou um auxiliar de TI

Os computadores foram criados pelo homem e ainda vão levar muito tempo para que sejam totalmente independentes da vontade do ser humano para executar determinadas tarefas. Não estou me referindo à automação industrial onde já percebemos que as máquinas já estão substituindo na linha de produção o trabalho dos funcionários mas sim, aquelas atividades em TI que dependem de uma interação pessoal e emotiva.

Não é difícil de se pensar que a cada dia de um profissional de tecnologia é como se ele nascesse de novo pois os problemas são novos a cada momento que eles aparecem, exigindo uma nova decisão de comando e realizando novas soluções cada vez mais criativas e inovadoras.

Os computadores podem até tentar adivinhar uma possível solução ao problema encontrado com base em estatísticas e probabilidades mas é o funcionário da informática que será o responsável por resolver problemas que a máquina (o computador) ainda não consegue resolver.

Por exemplo, é o profissional de TI que vai abrir o gabinete para trocar um HD queimado, trocar uma fonte de energia com defeito, um teclado quebrado e tantas outras situações que conhecemos como o suporte de primeiro nível, onde todo o atendimento inicial muita das vezes depende do fator humano.

Entretanto, existe um processo de decisão na gestão em TI quando é preciso aumentar os quadros de pessoas envolvidas no Setor de TI. Se depender da empresa (quando estamos falando no ponto de vista do empresário / administrador) a melhor opção para a escolha de um novo ponto de apoio na equipe de TI é decidir por um estagiário.

Diversas são as razões para preferir um estagiário na equipe: custo com salário é menor, menos encargos tributários e trabalhistas (apesar que estagiário tem os mesmo direitos que um funcionário como férias, 13º salário… mas tem uns benefícios fiscais para a empresa), o estagiário começa a sua carreira sem os velhos vícios do mercado de trabalho e tantos outros motivos quando levamos em consideração o ponto de vista do administrador da companhia.

Todavia, no ponto de vista do Gestor de TI, na maioria das vezes a escolha é pelo profissional que já tem uma certa experiência no mercado de trabalho e por isso, optam pelo auxiliar de TI. Até porque, esse profissional terá uma jornada de trabalho completa na empresa ao passo que o estagiário, por lei, tem um carga horária de trabalho máxima que não pode ser ultrapassado.

É muito complicado ter que passar para um estagiário a noção de tudo na informática quando em determinados momentos não há a possibilidade de se parar o Setor de TI para ensinar o básico ao estagiário pois a demanda na empresa é muito grande e alguém acabará sendo prejudicado, que podem ser os usuários solicitantes de atendimento de suporte técnico ou a própria empresa que ficará com um SLA maior para que os problemas possam ser resolvidos.

O que determina a escolha entre o estagiário e o auxiliar de TI é o momento atual que tanto a empresa quanto o Setor de TI estão passando. Tem que ser analisado o perfil necessário do profissional que vai trabalhar com os usuários, os tipos de sistemas que são usados na empresa e outros fatores que dependendo de quem vai ajudar na equipe de TI, pode mais complicar que ajudar.

Contudo, se o momento de aquisição de uma nova pessoa para o Setor de TI for bem planejado e não houver uma intensa necessidade pontual para uma aquisição de pessoas experientes no mercado de trabalho, seria interessante optar por um estagiário e aos poucos, passando os conhecimentos e dependendo do desenvolvimento das atividades laborais no setor, esse estagiário poderá ser um ótimo e futuro auxiliar de TI, já exercendo o seu papel e mais, já iniciando a sua trajetória profissional com uma promoção: de estagiário para Auxiliar de TI.

Até que cargo esse estagiário pode chegar? Bem, o céu é o limite! Depende de cada um…

Até a próxima!

Ps: estava de férias e agora estou revigorado para continuar a me dedicar para transmitir conteúdos com toda força e vigor.

A busca pelo culpado de um projeto fracassado e o Dilema do Prisioneiro

O caminho contemporâneo para se colocar uma ideia em prática dentro de uma empresa é a criação de um projeto, cujo objetivo é levantar as atividades necessárias e relevantes para que um objetivo final seja alcançado. Esse processo desde a concepção da ideia e a entrega do produto final é realizado através de um planejamento estratégico que conhecemos como projeto.

Não é meu intuito fazer definições ou trazer conceitos do PMBOK (Project Management Body of Knowledge – que é um conjunto de práticas em gerência de projetos) e sim, debater uma visão gestora sobre a consequência de um projeto fracassado no que diz respeito a “apontar” um ou vários culpados, fazendo um paralelo com o dilema do prisioneiro.

As melhores práticas de gerenciamento de projeto são fundamentais para que o administrador da empresa ou o responsável pelo projeto consiga trilhar um caminho padrão em sua atividade mas que acima de tudo, as melhores práticas não vão ditar se o caminho a ser seguido é correto ou não. Apenas, vão ajudar a diminuir os problemas do dia a dia na execução do projeto e aumentar as chances de sucesso da execução do pleito.

Entretanto, sabemos que nem sempre os projetos criados dentro de uma empresa tem um final feliz ou pelo menos com um resultado esperado. Diversos fatores podem influenciar no desenvolvimento de um projeto e dependendo da equipe que estiver a frente dessa empreitada, pode não conseguir alterar o resultado negativo de um projeto.

Quanto temos um resultado negativo de um projeto, que ao final não atendeu as expectativas geradas na fase de planejamento ou por sua execução conter diversas falhas operacionais que inviabilizam a execução do projeto, é normal procurar os responsáveis pelo resultado negativo para que algumas soluções possam ser levantadas ou simplesmente para realizar as temidas “punições” aos responsáveis.

Claro que cada projeto deve está vinculado um Gerente de Projeto, que é o gestor líder do projeto em andamento e sem sombra de dúvida, eu diria que ele tem uma “responsabilidade objetiva” quanto ao resultado final. Todavia, podemos ter autores diretos que influenciaram para o fracasso de um projeto e não necessariamente o líder do projeto teria a culpa unilateralmente.

Por exemplo, em um projeto de desenvolvimento de sistema, pode ser que o gerente do projeto não saiba nada sobre programação e que confia na equipe de programadores para que o sistema final tenha sucesso em sua implementação e assim, o projeto tenha um sucesso esperado.

Contudo, ao final da programação e passada a fase de homologação, só foi detectado um problema gravíssimo de vulnerabilidade ou problema de integração entre alguns módulos a partir do momento que o sistema passou a ser utilizado pelo cliente final. A princípio, o projeto foi concluído com sucesso mas com a descoberta do problema, dependendo das circunstâncias, o sistema tem que ser abortado o seu uso para evitar prejuízos futuros. Isso que eu chamo de um projeto fracassado, quando inviabiliza o produto com a descoberta de um problema.

E nesse momento, quem é o culpado pelo fracasso desse projeto? O gestor do projeto que não conseguiu mensurar essa possibilidade de erro na integração entre os módulos? Os programadores que não testaram a contento conforme as melhores práticas de desenvolvimento de software? Os analistas de sistemas do projeto que não souberam realizar corretamente o diagrama de fluxo de dados? A quem culpar?

Essa busca pelo culpado eu faço uma comparação com o dilema do prisioneiro, um problema clássico da teoria dos jogos (em que cada jogador, de modo independentemente, quer aumentar ao máximo a sua própria vantagem sem lhe importar com o resultado do outro) e pode ser comparado em que dois suspeitos são presos por um crime mas não existe uma prova fundamental para que possa incriminar um deles. Com isso, é oferecido vantagens pessoais para cada um deles, de forma separado, e sem saber que a mesma vantagem está sendo oferecido ao outro, para que o mesmo atribua o crime ao outro e assim, conseguir o benefício com a exclusão da culpa.

Será que ao invés de cada um tentar colocar a culpa no outro, não é melhor realizar uma cooperação e achar uma melhor saída para evitar apontar determinados culpados e o prejuízo final ser ainda maior?

No primeiro momento, atribuir a culpa ao outro poderia trazer uma vantagem pessoal mas ainda acredito que se todos cooperassem, o resultado final seria melhor. Mas como no dilema do prisioneiro, que o ponto chave é incentivar individualmente que cada um delate o outro, mesmo prometido colaborar, existem diversos projetos fracassados que vivemos um dilema de prisioneiro nas equipes: ninguém quer aceitar para si o fracasso do projeto. Sempre há necessidade de se culpar o outro.

Até a próxima!

O Risco de usar o e-mail como uma ferramenta única para recebimento e gerenciamento de pedidos na internet

O mercado de E-Commerce (vendas on-line) está crescendo e várias pessoas já visualizaram essa opção de trabalho como uma forma de renda definitiva, deixando para trás o clássico emprego assalariado com carteira assinada.

Entrar nesse ramo pode trazer satisfação pessoal, gerência dos seus próprios horários de trabalho e acreditar que a cada dia, com o esforço próprio, ter um retorno financeiro e pessoal com o resultado do seu trabalho em sua própria empresa.

Algumas pessoas nunca tiveram uma oportunidade de trabalho com carteira assinada, benefícios sociais e tudo o que tem direito um empregado dentro de uma corporação. Mas, independente disso, tiveram o espírito empresarial e colocaram em prática uma ideia, e passaram a utilizar a internet como ponto de partida nessa conquista pela independência econômica.

A internet realmente consegue alavancar e fazer com que muitos negócios sejam levados ao conhecimento de potenciais consumidores, ficando para trás aquela limitação regional do seu negócio, situação essa vivida por quem negocia os seus produtos unicamente em uma loja física, seja em um ponto comercial no centro da cidade ou dentro de um grande Shopping.

A questão é que devemos ter em mente que a internet tanto pode facilitar o comércio dos produtos como pode trazer alguns inconvenientes que se não forem bem planejados, leva o empreendedor ao fracasso e consequentemente, abandonar a utilização da tecnologia para aumentar os seus ganhos.

Um exemplo desse panorama é alguns empreendedores se arriscarem a usar o e-mail como a única ferramenta para recebimento dos pedidos de seus clientes e não possuir um sistema de informática próprio para gerir e tratar esses pedidos, mensurando os atrasos ou a falta de confirmação por parte do cliente em algumas situações.

Algumas pessoas acreditam que o envio do e-mail é equiparado ao envio de uma mensagem instantânea, onde o e-mail após enviado levará alguns segundos para chegar na caixa postal do destinatário. Nem sempre isso acontece, principalmente em dias de grande pico na internet, algumas operadoras de internet com problemas momentâneos ou problemas de roteamento podem fazer com que os e-mails demorem horas, dias e dependendo do problema, nem cheguem a tempo na caixa postal do empreendedor para conseguir atender o pedido do cliente.

O cliente quando entra no site e quer adquirir um produto, principalmente se é comida, é porque naquele determinado momento, existem pessoas com fome e precisam saciar essa vontade em alguns minutos. Caso contrário, não estariam dispostas a entrar em contato com você pelo site para adquirir a comida com entrega domiciliar (Delivery).

A questão é: o cliente faz o pedido pelo site, preenche o formulário com os dados da refeição e ao final, clica em “enviar pedido”. O cliente até recebe um número (protocolo) de seu atendimento e o site informa o prazo considerado para a entrega. Entretanto, se esse pedido é enviado para a caixa postal do empreendedor, pode ser que esse pedido, não chegue aos olhos do atendente responsável pelo atendimento on-line.

Os motivos podem ser os mais variados: naquele momento o atendente não observou o e-mail que entrou e acabou “esquecendo” de mandar o pedido para a cozinha, congestionamento no provedor de internet que gera uma fila enorme de e-mails a serem enviados e outros vários motivos que podem levar ao atraso no recebimento do pedido do cliente enviado unicamente pelo e-mail.

Com certeza, o cliente vai ficar aguardando a entrega do produto que não vai ser enviado dentro do prazo devido à algum problema no recebimento do e-mail por parte da empresa que vendeu o produto. O cliente já deve ter passado o cartão de crédito e por fim, após uma espera considerável do pedido, vai ficar estressado em saber que o pedido dele nem foi processado conforme a informação durante a venda no site.

Além do cliente ficar insatisfeito pela demora, o empreendedor ficará mal visto por esse problema no atraso no recebimento do pedido enviado pelo e-mail, deixando de faturar pois provavelmente esse cliente vai solicitar o estorno do valor pago no cartão e cancelará a compra do produto, visto que a comida não foi entregue e você correrá um sério risco de ter o nome da sua empresa em um site de reclamação on-line pelo mal atendimento, que na verdade foi fruto de um atraso no recebimento do e-mail.

Com isso, é sempre importante trabalhar com vários meios de contato para que o consumidor consiga entrar em contato com a pessoa que está vendendo produtos no site para tirar um dúvida, cobrar a entrega ou até mesmo auxílio no procedimento da compra. Pode ser um telefone, um endereço físico da loja (se tiver) ou até mesmo um contato de mensagens instantâneas (skype, msn, etc).

Até a próxima!